A busca da Rússia por profundidade estratégica

Profundidade estratégica sempre foi fundamental para a Rússia e sua importância está gravada de maneira indelével na memória do país. Nos últimos anos, o presidente russo, Vladimir Putin, vem realizando diversos movimentos estratégicos no sentido de recuperar o “amortecedor” perdido com a queda da URSS.

Radar Semanal 30/10/2020

Nesta edição, o Radar traz o terrorismo islâmico na França, a tentativa do Irã de mediar um cessar-fogo entre Armênia e Azerbaijão, o apoio da direita colombiana a Donald Trump, a audiência das “Big Techs” no senado americano em meio à corrida eleitoral americana, o risco de terrorismo químico na Bielorrússia e uma análise das relações EUA Rússia.

O futuro da Bielorrússia

A Bielorrússia é o caminho mais curto entre a Europa ocidental e Moscou, e por isso, como mostra a história, pode facilmente se transformar em uma fonte de preocupação para a Rússia. Se por um lado a Ucrânia é um exemplo recente da disposição russa em uma possível intervenção, por outro a população bielorrussa é, cultural e historicamente, muito mais próxima dos russos, o que poderia sugerir uma solução menos traumática.

A geopolítica das eleições bielorrussas

Localizada entre a Polônia e a Rússia, a Bielorrússia é parte do que os russos consideram como sua zona-tampão, uma área estratégica fundamental para a sua segurança. Com o fim da Guerra Fria, a neutralidade dos bielorrussos se transformou num delicado ponto de equilíbrio entre a Rússia e a OTAN.