Lukashenko diz que ameaça de bomba no voo da Ryanair veio da Suíça

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko (Foto: Sergei Shelega/BelTA).

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko (Foto: Sergei Shelega/BelTA).

A ameaça de bomba contra o avião de passageiros da Ryanair foi recebida da Suíça, disse o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko no parlamento em uma reunião com legisladores, membros da Comissão Constitucional e representantes de agências governamentais na quarta-feira.

“A mensagem de que havia uma bomba a bordo do avião veio da Suíça”, disse Lukashenko, segundo a emissora de televisão ATN Telegam.

Na reunião, o presidente disse que “as autoridades bielorrussas reagiram de acordo com a informação recebida no incidente com o avião da Ryanair”.

“Como deveríamos ter agido, especialmente em meio a uma cascata de ameaças de bomba que visam nossas instalações? Você mora na Bielorrússia e sabe que escolas, universidades ou empresas recebem ameaças de bomba todos os dias. Até mesmo os aviões recebem essas mensagens de endereços IP na Polônia, Lituânia e Letônia. Em cada caso, respondemos adequadamente às informações recebidas”, disse a agência de notícias estatal BelTA, citando o presidente bielorrusso.

“Não há necessidade de destruir a Bielorrússia”

O presidente Lukashenko também observou que “a Bielorrússia está à beira de uma guerra gelada”. “Precisamos preservar o país e passá-lo em boa forma para nossos filhos. A história nos escolheu. Estamos na vanguarda de um novo conflito, que não é uma guerra fria, mas gelada. Só um estado que é capaz de resistir à pressão híbrida será capaz de sobreviver”, advertiu Lukashenko.


LIVRO RECOMENDADO

Prisioneiros da geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global

  • Tim Marshall (Autor)
  • Em Português
  • Kindle ou Capa comum

“Minha mensagem para toda a comunidade internacional é a seguinte: não há necessidade de tentar destruir a Bielorrússia”, acrescentou Lukashenko.

Incidente da Ryanair

Em 23 de maio, um avião de passageiros com destino a Vilnius que deixou a Grécia pertencente à Ryanair fez um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Minsk após uma ameaça relatada de que havia um artefato explosivo a bordo. Um caça MiG-29 foi escalado para escoltar o avião. Após o pouso, especialistas revistaram o avião, mas não encontraram nenhuma bomba. O Comitê de Investigação da Bielorrússia abriu um processo criminal por causa de uma falsa mensagem de ameaça de bomba.

Minsk disse mais tarde que entre os passageiros do avião estava Roman Protasevich, co-fundador do canal Nexta Telegram, considerado extremista na Bielorrússia. Ele foi detido por agentes da lei. Após o incidente, alguns países começaram a suspender as ligações aéreas com a Bielorrússia ou aconselharam as suas companhias aéreas a evitar o espaço aéreo da Bielorrússia.

O diretor do departamento de aviação do Ministério de Transportes e Comunicações da Bielorrússia, Artyom Sikorsky, disse mais tarde que a carta de ameaça de bomba havia sido enviada para o e-mail do aeroporto de Minsk pelo serviço Protonmail.com. A mensagem em inglês foi escrita por membros do movimento radical palestino Hamas.

Fonte: Tass.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também