Europeus ameaçam restringir o tráfego aéreo na Bielorrússia após “pirataria estatal”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O ativista Roman Protasevich, preso neste fim-de-semana em Minsk (Foto: Stringer/Reuters).

O ativista Roman Protasevich, preso neste fim-de-semana em Minsk após o governo bielorruso forçar pouso de aeronave comercial (Foto: Stringer/Reuters).

Líderes europeus ameaçaram nesta segunda-feira limitar o tráfego aéreo internacional sobre a Bielorrússia e possivelmente restringir seu transporte terrestre, depois que um avião de passageiros da Ryanair foi forçado a pousar em um incidente denunciado por países ocidentais como “pirataria estatal”.

Os líderes ocidentais buscaram a linguagem mais forte para condenar o incidente de domingo, no qual um caça bielorrusso interceptou um voo entre a Grécia e a Lituânia e o forçou a descer em Minsk, onde um jornalista dissidente foi preso.

Os países pediram a libertação de Roman Protasevich, de 26 anos. “Isso foi efetivamente pirataria de aviação, patrocinada pelo Estado”, disse o ministro das Relações Exteriores da Irlanda, Simon Coveney, usando uma linguagem que foi repetida por vários outros países. A ministra sueca das Relações Exteriores, Ann Linde, disse: “É perigoso, imprudente e, naturalmente, a UE vai agir”.

A presidência francesa disse que foi enviado um pedido à Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) para suspender os voos internacionais no espaço aéreo bielorrusso. Banir a empresa aérea estatal bielorrussa Belavia dos aeroportos europeus também seria discutido, bem como medidas não especificadas relativas às conexões de transporte terrestre.

Uma companhia aérea da Letônia, a Air Baltic, foi a primeira a anunciar que não usaria mais o espaço aéreo bielorrusso, e a Avia Solutions, registrada no Chipre, disse que suas companhias aéreas sediadas na Lituânia fariam o mesmo.

O ministro dos transportes da Lituânia, Marius Skuodis, disse que a polonesa LOT e a companhia aérea húngara Wizzair seguiriam o exemplo e anunciou que todos os voos de e para os aeroportos lituanos devem evitar o espaço aéreo bielorrusso a partir da meia-noite (GMT).

Ainda assim, as opções de retaliação ocidental parecem limitadas. A ICAO, com sede em Montreal, não tem poder regulamentar, e a UE não tem autoridade sobre voos que decolam e pousam na Bielorrússia ou sobrevoam seu espaço aéreo, exceto os voos diretos que se originam ou pousam na Europa. A Bielorrússia ignorou as rodadas anteriores de sanções financeiras da UE e dos EUA.


LIVRO RECOMENDADO

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial

  • Keith Lowe (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Antes de uma reunião programada dos 27 líderes nacionais da UE em Bruxelas, a primeira-ministra da Lituânia, Ingrida Simonyte, disse que pedia aos parceiros que fechassem o espaço aéreo da Bielorrússia para voos internacionais. Ela não explicou como isso seria alcançado.

Posteriormente, ela propôs que instituições como o Banco Europeu de Investimento não participassem de projetos que financiam Minsk. Seu governo aconselhou os cidadãos a não viajarem para a Bielorrússia e instou os que já estavam lá a partir.

A Bielorrússia diz que agiu em resposta a uma ameaça de bomba no voo, que acabou sendo um alarme falso, e que seus controladores em solo orientaram o voo, mas não ordenaram que pousasse. A mídia estatal disse que a decisão de intervir foi ordenada pessoalmente pelo presidente Alexander Lukashenko.

A Rússia, que forneceu segurança e apoio diplomático e financeiro a Lukashenko, acusou o Ocidente de hipocrisia. Ele observou que, em 2013, um vôo de Moscou que transportava o presidente da Bolívia foi desviado para a Áustria após relatos que Edward Snowden, fugitivo por vazar informações de inteligência dos EUA, poderia estar a bordo.

SANÇÕES NÃO TIVERAM EFEITO

A UE e os Estados Unidos impuseram várias rodadas de sanções financeiras contra Minsk no ano passado, que não afetaram o comportamento de Lukashenko, aliado russo que resistiu a manifestações em massa contra seu governo após uma eleição muito disputada. Lukashenko nega fraude eleitoral. Desde a votação, as autoridades prenderam milhares de seus oponentes, com todas as principais figuras da oposição agora na prisão ou no exílio.

A Bielorrússia é parte de algumas rotas importantes na Europa, bem como entre a Europa e a Ásia. A ICAO, um órgão da ONU, disse estar “fortemente preocupada” com o incidente, que pode ter violado o tratado central que rege a aviação global, a Convenção de Chicago em vigor desde 1944.

Voar pela Bielorrússia retardaria as companhias aéreas e lhes custaria dinheiro, e com exceção dos poucos países, principalmente vizinhos, que anunciaram medidas, não estava claro se outros o fariam a menos que necessário. A KLM, da Holanda, disse que realizou uma avaliação de risco e não fez alterações por enquanto.


LIVRO RECOMENDADO:

Todos os homens do Kremlin: Os bastidores do poder na Rússia de Vladimir Putin

  • Mikhail Zygar (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Nós, como todas as companhias aéreas europeias, estamos procurando orientação hoje das autoridades europeias e da OTAN”, disse o chefe da Ryanair, Michael O’Leary, que se referiu ao incidente como um sequestro patrocinado pelo Estado.

Ele também disse acreditar que agentes de segurança estiveram no vôo e desembarcaram em Minsk. Isso significaria que a operação foi efetivamente coordenada com espiões que operam no terreno na Grécia.

Dados os laços de segurança entre Minsk e Moscou, alguns políticos europeus especularam abertamente se a Rússia pode ter desempenhado um papel no ocorrido, o que escalaria um incidente envolvendo um pequeno estado europeu para um envolvendo uma superpotência.

Radoslaw Sikorski, ex-ministro das Relações Exteriores polonês e agora membro do parlamento europeu, tuitou: “Se ficar claro que os agentes da KGB que embarcaram no avião da @Ryanair sequestrado para Minsk eram russos, então o pessoal e os ativos russos também deveriam ser sancionados.” Ele propôs suspender o enorme gasoduto Nord Stream 2 da Rússia para a Alemanha.

Minsk ignorou as sanções anteriores, que consistiam principalmente em adicionar vários funcionários a listas negras que restringem seu direito de viajar ou fazer negócios na Europa e nos Estados Unidos. A UE já estava trabalhando em uma quarta rodada antes de domingo.

O paradeiro de Protasevich não foi divulgado. Uma universidade em Vilnius disse que uma de suas alunas, Sofia Sapega, de 23 anos, que estava viajando com ele, também foi detida.

Depois que Protasevich foi preso, o vôo 4978 foi autorizado a viajar para Vilnius, onde passageiros cansados ​​desembarcaram. Um descreveu o momento em que o piloto disse aos passageiros pelo interfone que eles estavam sendo desviados para Minsk. Protasevich imediatamente se levantou, sabendo que seu tempo havia acabado, e entregou seu laptop e telefone para um companheiro.

Outro passageiro disse que Protasevich parecia “super assustado”: “Eu olhei diretamente em seus olhos e ele estava muito triste.”

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também