O retorno do Império Otomano é possível?

Tropas turcas e azeris em exercícios militares conjuntos na província de Kars, leste da Turquia (Foto: Reuters).

A Turquia governada por Recep Tayyp Erdogan, um admirador do Império Otomano, vem ganhando destaque internacional nos últimos tempos, com ações na Síria, em apoio ao Azerbaijão, e obtendo proeminência inclusive em tecnologias militares. Mas até que ponto isso pode significar o renascimento de um “novo” Império Otomano?

Turquia responderá oportunamente aos comentários de Biden

Ibrahim Kalin, o porta-voz da presidência da Turquia (Foto: Anadolu).

Os comentários do presidente dos EUA de que ancestrais otomanos estavam envolvidos em atos genocidas são “simplesmente ultrajantes”, disse o porta-voz.

Segunda participação de Aldo Rebelo no Canal Arte da Guerra

Em sua segunda participação no Canal Arte da Guerra, desta vez numa entrevista ao vivo no programa Café com Defesa que foi ao ar em 13 de fevereiro de 2021, Aldo Rebelo conversou com o editor do canal, o comandante Robinson Farinazzo, com Albert Caballé Marimón, do Velho General, e com o comandante Francisco Novellino, do site Mar e Defesa.

Retrospectiva 2020

2020 foi um ano difícil. Além das guerras e questões geopolíticas que, desde sempre, moldam a história da humanidade, a pandemia da COVID-19 acabou se tornando um agravante em diversos aspectos, desde sanitários até políticos. Para o Velho General, foi um ano de muito trabalho e crescimento.

Testemunhas da História

A ruína dos grandes impérios normalmente acontece muito mais por fatores internos do que externos. Independente de interferências de fora, são agentes internos que permitem sua infiltração, minando as bases que o construíram e causando sua derrocada. É possível que, infelizmente, estejamos presenciando um momento único na História.

Conflitos na região do Rio da Prata

No início do império brasileiro, o conflito do Prata, embora não tenha representado uma vitória, trouxe conscientização sobre a importância da nacionalização das forças armadas e demonstrou a viabilidade de operações conjuntas entre as forças terrestres e navais, entre outros aspectos.

Caxias e a pacificação do Rio Grande, São Paulo e Minas Gerais

Com a inauguração do Segundo Reinado, várias forças procuravam se equilibrar. O jovem D. Pedro II assumia como imperador, porém o país se encontrava em ebulição política e ideológica, embalada por lutas sangrentas em várias regiões do Brasil. Coube a Luís Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias, a nobre e difícil tarefa de pacificar o país.

Saladino

Saladino, nobre guerreiro curdo, foi o mais destacado líder político e militar muçulmano na época das Cruzadas. Responsável pela retomada de Jerusalém, era amado pelos muçulmanos e, apesar de sua firmeza e oposição feroz aos cruzados, era respeitado por seus inimigos devido à forma justa e honrada com que tratava a todos.

Independência ou Morte!

Há cento e noventa e oito anos Dom Pedro, encorajado por Dona Leopoldina e por José Bonifácio, entre outros patriotas, contou com o apoio do povo brasileiro para declarar a independência. Hoje, alvo de ataques de vários tipos, o Brasil novamente precisa dos bons brasileiros. É hora de, mais uma vez, declarar independência.

O Império do Mao

Considerando a declaração de Xi Jinping de estabelecer hegemonia global até 2050, a ameaça de retomar Taiwan por via militar, a criação de Ilhas artificiais no Mar do Sul da China, a instalação de bases militares em vários territórios (inclusive o Ártico) e silenciosamente controlando instituições internacionais (vide OMS), a China é hoje uma potência disruptiva da ordem internacional.