“Escalada não provocada”: EUA rejeitam plano russo para bloquear o Mar Negro

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Os Estados Unidos expressaram sua

Os EUA expressaram sua “profunda preocupação” com os planos da Rússia de bloquear navios de guerra estrangeiros (Foto: Yekaterina Shtukina/Sputnik/via AP).

O Departamento de Estado dos EUA classificou como uma “escalada não provocada” os planos relatados pelos russos de bloquear partes do Mar Negro, o que poderia afetar o acesso aos portos ucranianos em meio ao aumento das tensões sobre as manobras militares de Moscou.

Os EUA e seus aliados europeus expressaram preocupação em relação ao aumento militar da Rússia nas últimas semanas e temem que Moscou possa estar planejando invadir a Ucrânia. A Rússia, que apóia separatistas no leste da Ucrânia, anexou a Crimeia em 2014.

A mídia estatal russa informou que Moscou pretende fechar partes do Mar Negro a navios militares e oficiais estrangeiros por seis meses, o que pode afetar o acesso aos portos ucranianos no Mar de Azov, que está conectado ao Mar Negro pelo Estreito de Kerch.

Nesta terça-feira, mais de 20 navios de guerra russos participaram de exercícios militares no Mar Negro, informou a agência de notícias Interfax, citando um comunicado da frota russa do Mar Negro.

A Rússia restringiu temporariamente o movimento de navios de guerra estrangeiros e o que chamou de “outros navios estatais” perto da Crimeia.

“Isso representa mais uma escalada não provocada na campanha em andamento de Moscou para minar e desestabilizar a Ucrânia”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em um comunicado.

“Este desenvolvimento é particularmente preocupante em meio a relatos confiáveis ​​de aumento de tropas russas na Crimeia ocupada e ao redor das fronteiras da Ucrânia, agora em níveis nunca vistos desde a invasão da Rússia em 2014”, acrescentou.

Sanções

Na semana passada, Washington impôs sanções à Rússia e expulsou seus embaixadores por causa da interferência de Moscou na eleição presidencial dos EUA do ano passado, ciber-hacking, intimidação na Ucrânia e outras ações supostamente “malignas”. Dias depois, a Rússia expulsou diplomatas dos EUA em reciprocidade.

Ucrânia e Rússia trocaram culpas pelo aumento da violência no conflito no leste da Ucrânia, onde tropas ucranianas lutam contra forças separatistas apoiadas pela Rússia em um conflito que Kiev diz ter matado 14.000 pessoas desde 2014.

A Administração Federal de Aviação dos EUA pediu na segunda-feira que as companhias aéreas tenham “extremo cuidado” ao voar perto da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, citando potenciais riscos à segurança de voo.

O principal diplomata da UE, Josep Borrell, disse na segunda-feira que mais de 100 mil soldados russos se reuniram na fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada. Ele disse que não há novas sanções econômicas ou expulsões de diplomatas russos planejadas por enquanto.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, depois de se dirigir aos ministros das Relações Exteriores da UE, pediu que a UE imponha novas sanções à Rússia.

Fonte: Aljazeera.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também