Com o Nanggala oficialmente perdido, quais são os próximos passos?

Militar indonésio examina mapa da área onde está o KRI Nanggala (Foto: EPA).

A Indonésia e a comunidade submarinista internacional estão em luto pela perda dos 53 tripulantes a bordo. Independentemente de possíveis tentativas de recuperação dos destroços para um exame mais detalhado das causas do acidente, é possível que a Marinha da Indonésia realize também uma revisão de treinamento e procedimentos.

Marinha Indonésia encontra detritos e declara o Nanggala afundado

Foto: Sepurman/Twitter.

Marinha da Indonésia acredita que detritos encontrados na área de buscas neste sábado pertencem ao submarino; mesmo com poucas esperanças de encontrar a tripulação com vida, as equipes de buscas continuam trabalhando. Se não houve pane elétrica, o Nanggala teria capacidade para produzir suprimento de ar até segunda-feira.

Prosseguem as buscas pelo KRI Nanggala

O submarino KRI Nanggala-402 em 2017 (Foto: Zulkarnain/Xinhua/Getty Images).

Aeronaves e navios continuam vasculhando as águas ao norte de Bali, na Indonésia, nas buscas ao submarino indonésio desaparecido, o KRI Nanggala 402. As operações estão atingindo uma fase crítica devido à proximidade do esgotamento do suprimento de ar a bordo do submarino.

Buscas pelo KRI Nanggala são ampliadas

O KRI Nanggala navega nas águas de Tuban, Java Oriental, na Indonésia, em foto tirada de um helicóptero da Marinha da Indonésia em 6 de outubro de 2014 (Foto: Eric Ireng/AP).

Foi avistada uma mancha de óleo na região onde o Nanggala operava; últimas informações dizem que vários navios da Marinha da Indonésia estão participando das buscas, e as marinhas de outros países estão enviando recursos para auxiliar.

Busca por submarino indonésio revela mancha de óleo

O submarino indonésio KRI Nanggala (402) no Mar de Java em 2015 (Foto: Alonzo M. Archer/US Navy).

Não é possível saber ainda se houve problemas com os equipamentos de comunicação ou se o submarino afundou; informações mais concretas devem levar no mínimo três dias, de acordo com o analista militar indonésio Soleman Ponto.

O estado de crise e a condição de refém

Exercício de situação de reféns na Carolina do Sul, EUA (Foto: James Burnette/DoD/EUA).

Situações com reféns exigem calma e cuidado. Pelo lado do refém, é fundamental controlar o medo, mantendo a calma, o que diminui a possibilidade de violência física. Pelo lado da equipe de resgate, o sucesso depende do entrosamento da equipe, boa comunicação e coordenação.

Curso PMESP: Atendimento Pré-Hospitalar Tático

Dentro do objetivo de preservar vidas, a PMESP realizou o curso Atendimento Pré-Hospitalar Tático.

Ministério da Defesa – Nota à Imprensa

Em flagrante demonstração de desrespeito à atuação das Forças Armadas, IBAMA, ICMBio e Corpos de Bombeiros, entre outros, o Estadão omite participação de agentes que arriscam suas vidas diariamente no combate aos incêndios no Pantanal.

A Operação Coldfeet

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES: Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a União Soviética competiam por qualquer vantagem, incluindo pesquisas no Ártico, dado o valor estratégico da região. Durante sete dias, em maio de 1962, a comunidade de inteligência dos EUA conseguiu uma rara oportunidade de coletar informações em primeira mão de uma estação de pesquisa soviética abandonada no alto do Ártico, no que ficou conhecido como Operação Coldfeet.