Buscas pelo KRI Nanggala são ampliadas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O KRI Nanggala navega nas águas de Tuban, Java Oriental, na Indonésia, em foto tirada de um helicóptero da Marinha da Indonésia em 6 de outubro de 2014 (Foto: Eric Ireng/AP).

O KRI Nanggala navega nas águas de Tuban, Java Oriental, na Indonésia, em foto tirada de um helicóptero da Marinha da Indonésia em 6 de outubro de 2014 (Foto: Eric Ireng/AP).

Foi avistada uma mancha de óleo na região onde o Nanggala operava; últimas informações dizem que vários navios da Marinha da Indonésia estão participando das buscas, e as marinhas de outros países estão enviando recursos para auxiliar.


As buscas pelo KRI Nanggala 402 continuam depois que equipes de resgate avistaram manchas de óleo na área onde o submarino teria submergido e que Austrália e Singapura responderam a pedidos de assistência. As marinhas de Singapura e da Austrália operam embarcações especializadas de resgate de submarinos. Outras nações, incluindo Estados Unidos, França e Alemanha, ofereceram ajuda. De acordo com a France 24, Singapura e Malásia teriam enviado navios de resgate que devem chegar nos próximos dias.

A ministra das Relações Exteriores da Austrália, Marise Payne, disse que seu país ajudaria “de todas as maneiras que puder”, observando que o país está “obviamente muito preocupado com essas notícias. É muito angustiante para as famílias e particularmente para a marinha indonésia”.

O Nanggala conduzia exercícios com torpedos ao norte da ilha de Bali na quarta-feira; perdeu contato, não reportou os resultados e desapareceu a cerca de 95 km ao norte da ilha. Os submarinos classe Cakra (designação do Tipo 209 na Marinha da Indonésia) possuem oito tubos de 533 mm e lançam torpedos pesados ​​AEG SUT. Embora o exercício tenha sido descrito como um exercício de “fogo real”, não está claro se os torpedos usados ​​foram equipados com ogivas ativas.


LIVRO RECOMENDADO

O código das profundezas

  • Roberto Lopes (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

As informações dão conta que o submarino estava operando com um total de 53 pessoas (49 tripulantes, o comandante e três artilheiros). De acordo com a edição de 2016 do The Naval Institute Guide to Combat Fleets of the World, os submarinos desta classe, normalmente operam com um total de 34 pessoas (6 oficiais e 28 tripulantes), chamando a atenção o fato de estar com um número bem maior durante o exercício. Reportagens ainda não confirmadas dizem que o submarino teria perdido contato pouco depois de obter permissão para submergir.

Relatos dão conta que há diversas embarcações da Marinha da Indonésia no local, incluindo os navios hidrográficos Rigel e Spica, as corvetas Fatahillah, Bung Tomo e Teuku Umar e outros dois submarinos indonésios, além de aeronaves. O porta-voz da Marinha da Indonésia, Julius Widjojono, disse nesta quinta-feira que as equipes de busca estão concentradas em uma área ao redor da mancha de óleo, mas que a localização exata do submarino ainda não foi determinada.


O MV Swift Rescue, da Marinha de Singapura (Foto: Vladimir Knyaz/Shipspotting.com).

A Marinha de Singapura, país que tem um acordo com a Indonésia para resgate de submarinos, enviou o navio de resgate e apoio submarino especializado MV Swift Rescue, para ajudar nas buscas. O Swift Rescue é equipado com um veículo de resgate de submersão profunda (DSRV) para resgatar tripulações de submarinos acidentados.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também