A Peste Negra e o surgimento da Guerra Biológica

Jani Beg e o cerco a Caffa em 1345 (Ilustração produzida pelo autor).

Além de causar doenças e morte, armas biológicas são também uma forma de guerra psicológica, causando pânico em uma população e gerando grandes prejuízos econômicos. A primeira Guerra Biológica data de 1345, em uma ação que desencadeou a maior e mais mortal pandemia da história da humanidade.

De olho na OTAN, a Rússia realiza exercícios no Mar Negro, no Pacífico e no Mediterrâneo

O Varyag, cruzador de mísseis da Marinha da Rússia (Foto: Vadim Savitsky/Gabinete de Imprensa do Ministério da Defesa Russo/Tass).

Enquanto a OTAN realiza o exercício Sea Breeze 2021, a Marinha da Rússia conduz operações com submarinos e helicópteros embarcados no Mar Negro, realiza treinamento no Mediterrânea com foco na defesa de instalações russas na Síria e conduz testes de armas no clima quente do Pacífico.

A Rússia testou um míssil hipersônico na Síria? Talvez Israel saiba

Um MiG-31 russo com um míssil hipersônico Kinzahl (Foto: Ministério da Defesa da Rússia).

Observadores israelenses dizem que teste do míssil é parte do esforço de Moscou para ganhar presença forte no Mediterrâneo; nos últimos dias os russos realizaram um exercício de combate a apenas 30 km do HMS Queen Elizabeth, atualmente no leste do Mediterrâneo perto de Chipre.

Caça F-35 britânico observa manobras navais russas no Mediterrâneo

Jato F-35B operando a bordo do HMS Queen Elizabeth (Foto: Ministério da Defesa britânico).

Exercícios da Rússia envolvem cinco navios de guerra, dois submarinos, bombardeiros, caças e aeronaves antissubmarino; manobras visam garantir a segurança da base aérea Hmeimim e da instalação naval Tartus operadas pela Rússia na Síria.

O Leviatã, submarino de ataque israelense

O Leviatã e um segundo submarino da marinha israelense são vistos durante manobra naval no Mediterrâneo, na costa de Haifa, em 9 de junho de 2021 (Foto: Amir Cohen/Reuters).

A frota de cinco submarinos israelenses classe Dolphin, com um sexto em construção, é envolta em sigilo e especulações. Movidas a motores diesel-elétricos e com tripulação básica de 30 militares, alguns analistas sugerem que essas embarcações são capazes de lançar mísseis nucleares – que Israel não nega e nem confirma possuir.

Jatos F-35B italianos e britânicos treinam juntos pela primeira vez – graças à pandemia

Jato F-35B da Força Aérea Italiana é reabastecido em Pantelleria a partir de um C-130J italiano durante exercício de 8 de junho (Foto: Força Aérea Italiana).

O jato britânico voou do HMS Queen Elizabeth, que segue em missão rumo à Ásia-Pacífico. O F-35B italiano chegou a Pantelleria pela segunda vez, testando plano italiano de implanta-lo em bases com pistas muito curtas.

Rússia revela envio de bombardeiros com capacidade nuclear para base aérea da Síria

Bombardeiros estratégicos supersônicos Tupolev Tu-22M sobrevoam o Kremlin em Moscou, em 7 de maio de 2014, durante ensaio para o desfile do Dia da Vitória (Foto: Yuri Kadobnov/AFP).

Segundo Moscou, bombardeiros Tupolev Tu-22 pousaram na Base Aérea Hmeimim da Síria pela primeira vez; implantação mostra uma extensão do alcance de ataque nuclear da Rússia no Oriente Médio e no Mediterrâneo.

Três foguetes lançados contra Israel a partir do Líbano, sem danos segundo os militares israelenses

Foto tirada de Sderot, no sul de Israel, na fronteira com Gaza, mostra foguetes disparados pelo sistema de defesa anti-mísseis Iron Dome de Israel, em 13 de maio de 2021 (Foto: Emmanuel Dunand/AFP).

Três foguetes lançados do Líbano em direção a Israel caíram no Mediterrâneo sem causar danos. O lançamento ameaçou abrir uma nova frente na escalada da luta entre Israel e o Hamas em Gaza.

Israel notifica EUA que atacou navio iraniano no Mar Vermelho

O navio de contêineres de bandeira iraniana Shahr e Kord no porto de Haydarpasa em Istambul, Turquia, 13 de dezembro de 2019 (Foto: Yoruk Isik/Reuters).

Embora oficialmente listado como um navio mercante, o Saviz era provavelmente uma base avançada secreta do IRGC.

As primeiras ações de Biden no Oriente Médio

Os movimentos iniciais de Joe Biden em relação ao Irã e ao Oriente Médio parecem indicar uma mudança radical na política externa americana para a região. É difícil prever quais poderão ser os resultados efetivos, mas, como sempre pode acontecer, ainda que uma política pareça virtuosa seus resultados podem se distanciar muito das intenções.