Israel notifica EUA que atacou navio iraniano no Mar Vermelho

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O navio de contêineres de bandeira iraniana Shahr e Kord no porto de Haydarpasa em Istambul, Turquia, 13 de dezembro de 2019 (Foto: Yoruk Isik/Reuters).

O navio de contêineres de bandeira iraniana Shahr e Kord no porto de Haydarpasa em Istambul, Turquia, 13 de dezembro de 2019 (Foto: Yoruk Isik/Reuters).

Israel notificou os EUA de que é responsável pelo ataque de terça-feira a um navio de carga iraniano afiliado ao Corpo de Guardas Revolucionários Iranianos, disse um funcionário americano ao The New York Times.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano confirmou na quarta-feira que o Saviz foi levemente danificado no Mar Vermelho, na costa de Djibouti, por volta das 06h00 da terça-feira devido a uma explosão, acrescentando que a causa da explosão está sob investigação.

“O navio civil Saviz estava estacionado na região do Mar Vermelho e no Golfo de Aden para estabelecer a segurança marítima ao longo das rotas marítimas e para combater a pirataria”, disse o porta-voz. “Este navio praticamente funcionava como uma estação de logística (suporte técnico e logística) do Irã no Mar Vermelho e, portanto, as especificações e missão deste navio já haviam sido oficialmente anunciadas.”

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, não houve registro de vítimas.

Quando questionado sobre o suposto ataque, o Ministro da Defesa e Primeiro Ministro Suplente Benny Gantz disse ao Canal 12 Notícias que não iria discutir “nenhuma das operações que estão ocorrendo no Oriente Médio e estão associadas a Israel”.

“O Estado de Israel deve continuar a se defender”, disse Gantz. “Sempre que encontrarmos um desafio operacional e uma necessidade operacional, continuaremos atuando.”

“Estamos aqui agora em um lugar que em sua base é uma operação defensiva, mas essa defesa por si só não é suficiente e também devemos realizar operações ofensivas e faremos o melhor que pudermos”, acrescentou Gantz ao Canal 12.

O jornal Tasnim, afiliado ao IRGC, informou na terça-feira que o navio foi danificado em uma explosão causada por minas magnéticas no casco do navio. A mídia saudita mais tarde especulou que a explosão foi causada por “comandos israelenses”.

O Instituto Naval dos EUA (USNI) informou no ano passado que o Saviz, embora oficialmente listado como um navio mercante, era provavelmente uma base avançada secreta do IRGC. A Tasnim confirmou isso na terça-feira, dizendo que o navio esteve estacionado no Mar Vermelho nos últimos anos para apoiar comandos iranianos que escoltam navios comerciais.

De acordo com o USNI, em outubro de 2020, o navio mal havia se movido de sua localização na costa do Iêmen por três anos. O relatório afirmou que o Saviz pode ter sido usado para alimentar inteligência para o Irã e para os Houthis apoiados pelo Irã no Iêmen para uma série de fins, incluindo ajudá-los a realizar ataques a navios na área, com uma série de ataques recentes anos atribuídos ao Irã e aos Houthis.

O navio supostamente apareceu no site de rastreamento de navios independente MarineTraffic por volta das 04h45 da manhã na terça-feira, antes de sair do mapa novamente às 09h44 da manhã, de acordo com postagens nas mídias sociais.

O incidente ocorre após dois ataques a navios israelenses na região e relatos de dezenas de ataques anteriores realizados por Israel e pelo Irã em navios um do outro em locais que vão do Mar Mediterrâneo ao Golfo Pérsico.

No final do mês passado, um míssil iraniano teria sido disparado contra um navio israelense entre a Índia e o Omã, atingindo e danificando o navio. Em fevereiro, o Irã supostamente atacou o navio cargueiro de propriedade israelense MV Helios Ray, que foi danificado por uma explosão no Golfo de Omã.

Além disso, em março, o Maariv relatou que dezenas de navios iranianos foram atacados por Israel em todo o Oriente Médio, depois que o The Wall Street Journal informou que uma dúzia de petroleiros iranianos com destino à Síria foram atacados por Israel.

Além disso, na terça-feira, o TankerTrackers.com, um serviço online que rastreia e relata embarques e armazenamento de petróleo bruto, informou que quatro petroleiros iranianos estavam a caminho do Canal de Suez para a Síria carregando 3,5 milhões de barris de petróleo combinados e rompendo embargos comerciais nos dois países.

O relatório também vem no momento em que o Irã se reúne com autoridades europeias e americanas para discutir um possível retorno ao acordo nuclear do JCPOA.

Os EUA negaram qualquer envolvimento no incidente na noite de terça-feira, disseram autoridades americanas à Reuters. Após uma consulta do Jerusalem Post, o IDF disse que não responde a relatórios estrangeiros.

No início da terça-feira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu alertou que Israel se defenderia contra as ameaças iranianas no cenário das negociações indiretas entre o Irã e as potências mundiais.

“Não podemos apoiar o perigoso plano nuclear, porque um Irã nuclear é uma ameaça existencial e uma grande ameaça à segurança de todo o mundo”, disse Netanyahu em uma reunião do Likud no Knesset. “Devemos agir contra o regime fanático do Irã que está simplesmente ameaçando nos extinguir da terra… Sempre saberemos nos defender por nós mesmos daqueles que procuram nos matar.”

Fonte: The Jerusalem Post.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também