De olho na OTAN, a Rússia realiza exercícios no Mar Negro, no Pacífico e no Mediterrâneo

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O Varyag, cruzador de mísseis da Marinha da Rússia (Foto: Vadim Savitsky/Gabinete de Imprensa do Ministério da Defesa Russo/Tass).

O Varyag, cruzador de mísseis da Marinha da Rússia (Foto: Vadim Savitsky/Ministério da Defesa da Rússia).

As manobras navais do Sea Breeze 2021 estão sendo realizadas no Mar Negro de 28 de junho a 10 de julho, envolvendo Ucrânia, Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, Holanda, Romênia, Bulgária, Grécia, Turquia, Letônia e outros países. Espera-se a participação de cerca de 4.000 tropas, 40 navios de combate e embarcações auxiliares, 30 aeronaves e mais de 100 veículos motorizados e blindados.

Enquanto isso, o submarino Kolpino, da Frota da Rússia do Mar Negro, realiza exercícios na costa da Crimeia, informou a assessoria de imprensa da frota na quarta-feira. De acordo com o comunicado, ontem o submarino praticou o controle de emersão e submersão nos modos de rotina e de emergência e mergulho a várias profundidades, atingindo um máximo de mais de 200 metros”.

A tripulação do submarino também realizou um exercício de controle de avarias, sendo praticadas medidas no fundo do mar para eliminar um vazamento e preparação para a evacuação por meio de um tubo de torpedo. “Como próximo estágio, o submarino irá praticar mergulho profundo e aterramento como elemento de treinamento de combate”, continuou o comunicado da assessoria de imprensa.

Ao mesmo tempo, helicópteros Kamov Ka-27PL e Ka-27PS da Frota do Mar Negro praticaram voos noturnos e diurnos com decolagens e pousos no convés do navio-patrulha Pavel Derzhavin. Em paralelo, as equipes de bordo encarregadas dos voos realizaram exercícios para verificar o bom funcionamento de todos os sistemas, informou a nota da assessoria de imprensa.

Segurança de Hmeimim e Tartus

A Rússia iniciou manobras no Mediterrâneo em 25 de junho com cinco navios, incluindo o cruzador de mísseis Moskva, as fragatas Almirante Essen e Almirante Makarov e os submarinos Stary Oskol e Rostov-on-Don. Dois caças MiG-31K e um avião Il-38 de guerra antissubmarina foram implantados na base aérea russa de Hmeimim.


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O foco dos exercícios é aprimorar a segurança das instalações russas em Hmeimim e Tartus, na Síria. Os navios e aeronaves praticaram métodos táticos de reconhecimento de superfície e da situação subaquática, informou o Ministério da Defesa da Rússia em comunicado na terça-feira.

Também foram praticadas as habilidades necessárias para repelir ataques aéreos, especialmente por veículos aéreos não tripulados, disse o comunicado. Os navios manobraram em interação com a aeronave Il-38, com apoio de caças Su-35 e Su-34. As operações envolveram um helicóptero Ka-27 de guerra antissubmarina baseado no convés da fragata Almirante Makarov. Além disso, caças MiG-31K com mísseis hipersônicos Kinzhal e bombardeiros de longo alcance Tu-22M3 realizaram voos de treinamento na área.

Operação de “armas embarcadas em clima quente”

Um grupo de navios da Frota Russa do Pacífico realizou disparos de mísseis e artilharia no Pacífico, repelindo um ataque aéreo inimigo simulado e atingindo um alvo marítimo em exercícios, informou a assessoria de imprensa da Frota na quarta-feira.

O grupo, compreendendo o cruzador de mísseis Varyag e a fragata Marechal Shaposhnikov, realizou disparos de mísseis e artilharia. Os navios também repeliram conjuntamente um ataque aéreo inimigo simulado. “O exercício teve como objetivo verificar a operação confiável de armas embarcadas em clima quente”, disse a assessoria de imprensa em um comunicado.

O Varyag operou sistemas de mísseis Osa embarcados em ataques a alvos aéreos simulados. O navio também conduziu fogo do canhão de artilharia AK-130 de 130 mm, do sistema de artilharia multifuncional A-190 de 100 mm e dos lançadores automáticos de seis canos AK-630 de 30 mm. Além disso, a tripulação executou medidas de guerra eletrônica.

O grupo também conduziu fogo contra um alvo marítimo, quando a tripulação do Varyag, nau capitânia da Frota do Pacífico, disparou o sistema Osa contra um alvo que simulava um navio de pequeno porte, informou a assessoria de imprensa.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também