A Rússia testou um míssil hipersônico na Síria? Talvez Israel saiba

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Um MiG-31 russo com um míssil hipersônico Kinzahl (Foto: Ministério da Defesa da Rússia).

Um MiG-31 russo com um míssil hipersônico Kinzhal (Foto: Ministério da Defesa da Rússia).

Os israelenses parecem ter monitorado a força aérea da Rússia testando um míssil hipersônico Kinzhal sobre o Mar Mediterrâneo na semana passada.

Sensores israelenses monitoram a área constantemente e os seus dados estão sendo verificados. O teste foi provavelmente realizado depois que uma aeronave russa decolou da base aérea de Khmeimim, localizada a sudeste de Latakia, uma cidade no noroeste da Síria, disseram fontes israelenses.

O KH-47M2 Kinzhal é um míssil russo com capacidade nuclear lançado do ar com alcance de 2.000 km. Pode atingir uma velocidade de Mach 10 e é capaz de realizar manobras evasivas.

A mídia russa informou que o míssil Kinzhal foi disparado de uma aeronave MiG-31K contra um alvo virtual no Mediterrâneo. Os aviões decolaram da base aérea de Khmeimim, na Síria.

“Um par de aeronaves MiG-31K com a capacidade de usar os mais recentes mísseis hipersônicos do complexo Kinzhal voou de aeródromos russos para a base aérea russa de Khmeimim na Síria para exercícios”, disse o Ministério da Defesa da Rússia. De acordo com o Moscow Times, os MiG-31K se juntaram a outras aeronaves de guerra e submarinos russos no Mediterrâneo oriental. De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os exercícios incluíram aeronaves antissubmarino Il-38 e Tu-142MK, bem como bombardeiros supersônicos Tu-22M3.


LIVRO RECOMENDADO

Os últimos dias de John F. Kennedy

  • Martin Dugard e Bill Reilly (Autores)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Um dos principais centros de controle de vôo de Israel está localizado no Monte Miron, no norte de Israel. É operado pela força aérea israelense e monitora grandes porções do espaço aéreo, incluindo o Mediterrâneo. Israel tem mais sensores monitorando a vizinhança. Nenhum oficial israelense se dispôs a comentar o teste.

Alguns observadores israelenses dizem que o teste do míssil faz parte do esforço de Moscou para ganhar uma presença muito forte no Mediterrâneo. Por exemplo, eles dizem que nos últimos dias a Força Aérea Russa e a Marinha Russa realizaram um exercício de combate conjunto a apenas 30 km do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth, operando atualmente no leste do Mediterrâneo, dentro de uma área fechada ao sul de Chipre.

Os exercícios aéreos e navais russos estão ocorrendo no contexto de relações problemáticas entre Moscou e Londres, após as forças russas dispararem tiros de advertência e lançando bombas durante exercícios quando um contratorpedeiro da Marinha Real britânica estava nas proximidades. A Rússia alegou que o navio entrou em suas águas no Mar Negro na última quarta-feira.

O ministério da defesa russo emitiu um comunicado alegando que o HMS Defender “recebeu um aviso preliminar de que armas seriam usadas se as fronteiras do estado da Federação Russa fossem violadas. Não reagiu ao aviso”. O comunicado do Ministério da Defesa britânico disse que nenhum tiro foi disparado contra o HMS Defender: “O navio da Marinha Real está realizando uma passagem inocente por águas territoriais ucranianas de acordo com a lei internacional”.

Fonte: Breaking Defense.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também