Estados Unidos, China e a transição de poder no Século XXI

Imagem: Theasis/Getty Images.

A geopolítica contemporânea não está reeditando o sistema bipolar vivido durante a Guerra Fria, mas passando por uma crise de transição típica da disputa entre um poder hegemônico e outro ascendente, tal como ocorreu durante as décadas anteriores à Primeira Guerra Mundial. Resta saber como essa dinâmica será processada no século XXI.

Primeiro-ministro australiano Scott Morrison diz que país manterá sua política para Taiwan

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison (Foto: AFP).

Comentário segue-se ao apelo do ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, para que a Austrália intensifique suas relações com a ilha em meio a ameaças da China; relações diplomáticas entre Pequim e Canberra estão numa escalada de tensões.

China fecha canal para diálogo diplomático em disputa com a Austrália

A China suspendeu um acordo econômico com a Austrália, piorando a já conturbada relação entre os países em meio a altercações sobre a pandemia do covid-19 e acusações de abusos de direitos humanos (Foto: Lukas Coch/AFP).

As tensões aumentaram desde que Canberra pediu uma investigação independente sobre as origens da pandemia do covid-19 e proibiu a Huawei de construir a rede 5G da Austrália; a China, maior parceiro comercial da Austrália, impôs tarifas ou interrompeu indústrias importantes.

Japão intensifica suas capacidades de defesa em novos domínios

Aeronave de vigilância da Força de Autodefesa Marítima do Japão sobrevoa as disputadas ilhas que a China chama de Diaoyu e o Japão chama de Senkaku. Tóquio está aprimorando suas capacidades de defesa em novos domínios, com foco na defesa de seu território (Foto: Kyodo).

Analistas dizem que o foco de Tóquio no espaço, ciberespaço e espectro eletromagnético é puramente defensivo; País criou unidade de guerra eletrônica e os planos incluem mais satélites, hackers de combate e uma aeronave projetada para bloquear radares inimigos.

Governo Biden deve prosseguir com política de Trump de proibição de investimentos chineses

O presidente americano, Joe Biden (Foto: Andrew Harrer/EPA-EFE).

Restrições envolvem empresas ligadas aos militares chineses, que incluem três grandes empresas de telecomunicações do país; Wall Street instou Biden a reverter completamente a proibição.

Alemanha, 8 de maio de 1945

O general Alfred Jodl, ao centro, assina a rendição incondicional de todas as forças armadas alemãs em 7 de maio de 1945 (Foto: AP).

Em 8 de maio de 1945, a Alemanha declarou formalmente sua derrota na Segunda Guerra Mundial. Como muitos outros já disseram, houve uma guerra na Europa que começou em 1914 e terminou em 1945, com uma trégua de 20 anos no meio. Ambas as guerras colocaram a Alemanha contra a França, a Rússia e a Grã-Bretanha, com um envolvimento crescente dos Estados Unidos.

Segundo a OTAN, tropas russas seguem próximas da Ucrânia, apesar da redução

Jens Stoltemberg, Secretário-geral da OTAN (Foto: Yves Herman/Reuters).

Apesar da redução, Moscou mantém “dezenas de milhares” de forças, muitas armas e equipamentos na área, diz Jens Stoltenberg.

A OTAN defender a Europa é um sonho impossível

O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em coletiva de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas, na Bélgica (Foto: Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images).

A OTAN hoje não pode defender a Europa, e nem a Europa pode defender a Europa, a menos que grandes mudanças sejam feitas refletindo um compromisso dos EUA com a aliança.

Egito aumenta sua frota de Rafales em mais 30 novas aeronaves

Um Rafale realiza voo de demonstração no Paris Air Show, em 2019 (Foto: Michel Euler/AP).

A nova aquisição eleva a frota Rafale da Força Aérea egípcia para 54 aeronaves, tornando-a a segunda maior do mundo, depois da França.

Ministro filipino “perde a linha” com a China na questão do Scarborough Shoal

Embarcações das Guardas Costeiras filipina e chinesa se cruzam perto do Scarborough Shoal, no Mar do Sul da China (Foto: AFP).

Secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Teodoro Locsin, chama a China de “idiota feio” no Twitter e exige que Pequim retire navios de pesca do Scarborough Shoal. Especialista alerta que a China pode ignorar a guerra de palavras, e “flexionar sua força militar”.