AUSA 2021: MD de Israel seleciona IAI para desenvolver tecnologia do Carmel, futuro carro de combate

Imagem: IAI.

O conceito do Carmel se baseia em uma pequena tripulação e amplo uso de recursos autônomos baseados em inteligência artificial, minimizando riscos e otimizando o gerenciamento da batalha.

O acordo Estados Unidos–Austrália e os limites da estratégia anti-China dos EUA

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o então primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, no convés do HMAS Waller, um submarino classe Collins da Marinha Real da Austrália, em Sydney, maio de 2018 (Foto: Brendan Esposito/AFP).

A União Europeia quer um caminho intermediário entre China e EUA, e o anúncio AUKUS, com o cancelamento do acordo australiano com a França, mostra que isso será difícil. A UE geralmente considera os EUA seu aliado mais próximo, mas o bloco tem laços econômicos profundos com a China, tanto como mercado de exportação quanto como fornecedor.

Radar Semanal 01/10/21

Submarino de mísseis balísticos (SSBN) Vladimir Monomakh, da classe Borei (Foto: Marinha Russa).

Hoje no Radar: artigo mostra que o Facebook age como uma potência hostil; Visando a Rússia, a US Navy cria um grupo-tarefa para guerra antissubmarina no Atlântico; A China critica o AUKUS e quer aderir ao CPTPP; Iniciativa dos EUA será capaz de fazer frente à China na América Latina?

A nova aliança militar entre EUA, Reino Unido e Austrália

Joe Biden (Jim Watson/AFP); Scott Morrison (Rohan Thomson/AFP); Boris Johnson (Christopher Furlong/Reuters).

Anúncio enfatiza que o sistema internacional está se reacomodando, e os movimentos das grandes potências exigem atenção dos demais países, para não verem comprometidos seus próprios interesses estratégicos.

As alianças americanas no Indo-Pacífico

Embarcações das marinhas da Índia, EUA, Japão e Austrália participando do exercício Malabar 2020. O porta-aviões USS Nimitz, da Marinha americana, o submarino INS Khanderi e o porta-aviões INS Vikramaditya, da Marinha indiana, podem ser vistos na imagem (Foto: Marinha da Índia).

As alianças dos Estados Unidos na região do Indo-Pacífico vão além do recém anunciado pacto AUKUS, e incluem também o diálogo Quad e o mais antigo Five Eyes.

O “AUKUS” e as reações na França e na China

Um helicóptero MH-60R conduz um exercício antissubmarino com o HMAS Rankin (classe Collins) da Marinha australiana, na área de exercícios da Austrália Oriental (Foto: Royal Australian Navy).

Novo pacto militar com os EUA e o Reino Unido desfaz programa de compra de submarinos franceses pela Austrália; a França classifica a decisão de “lamentável”, e a China diz que o acordo “prejudica a paz regional”.

Vinte anos dos ataques de Onze de Setembro de 2001 aos Estados Unidos da América

A Torre Sul sendo atingida durante os ataques de 11 de setembro (Foto: NIST SIPA/Wikicommons).

Ao se retirar completamente do Afeganistão, os EUA viram uma página dolorosa de sua história e podem se concentrar em desafios que não existiam 20 anos atrás, mas que hoje conformam o tabuleiro geopolítico mundial.

Como os EUA erraram com o 11 de setembro

Carros de combate do Exército dos EUA ocupam posições ao longo de uma estrada na zona desmilitarizada entre o Kuwait e o Iraque em 19 de março de 2003, antes da invasão do Iraque (Foto: Scott Nelson/Getty).

A guerra no Afeganistão durou 20 anos e custou aos americanos quase 2.500 mortos, mais de vinte mil feridos a um orçamento estimado entre um e mais de dois trilhões de dólares. Os EUA venceram a fase inicial da guerra desalojando o Talibã, mas abandonaram o Afeganistão em condições discutíveis e humilhantes. Onde eles erraram? Esta análise vai além do Afeganistão, como mostra este artigo.

O acordo econômico China-Irã e suas consequências no campo militar

Aeronaves militares revisadas entregues à Força Aérea do Irã em 20 de fevereiro de 2020 (Foto: MEHR).

O acordo bilionário firmado entre a China e o Irã, e o consequente estreitamento dos laços entre os países, deverá abrir caminho para contratos de exportação de aeronaves chinesas ao país persa, além de oportunidades nos mercados de aviação militar do Oriente Médio.

A China e o elemento surpresa

Imagem: Shutterstock.

Não obstante a retórica e as ações que remetem ao incremento das possibilidades de uma guerra iminente entre a China e os Estados Unidos, o autor deste artigo aponta que existe uma opção política, depois de analisar diversas alternativas.