Lockheed discute a definição das entregas de F-35 para 2022

Uma aeronave Lockheed Martin F-35 é vista no ILA Air Show em Berlim, Alemanha, 25 de abril de 2018 (Foto: Axel Schmidt/Reuters).

O governo americano é o maior cliente da Lockheed, tendo respondido por três quartos de suas vendas no ano passado.

Radar Semanal 04/06/2021

Artigos recentes da internet na China alegam que o bombardeio da OTAN em 1999 contra a embaixada de Pequim na Iugoslávia foi intencional, alegando que a embaixada abrigava secretamente os restos mortais de um caça stealth americano F-117 Nighthawk abatido na região semanas antes (Foto: Reuters).

No Radar desta semana, um artigo questiona se não há interesses escusos por trás das críticas ao F-35; uma análise geopolítica dos interesses no Chifre da África; uma avaliação do recente pedido de desculpas francês pelo genocídio em Ruanda; e uma curiosa história, talvez incrível demais, sobre qual seria a verdadeira razão do bombardeio da embaixada chinesa na Iugoslávia em 1999.

Lockheed pretende produzir 169 caças F-35 em 2022

Lockheed Martin F-35B Lightning II da RAF (Foto: Falcon Photography/Flickr).

Empresa afirmou que espera que a taxa de produção se estabilize em 175 aeronaves por ano após 2022; A estimativa para 2021 é de entregar pelo menos 133 jatos.

Cinco países do sudeste asiático avaliam caça russo de quinta geração Su-57

Caça russo de quinta geração Su-57 (Foto: Alex Beltyukov/Wikimedia Commons/CC BY-SA 3.0).

Negociações estão sendo realizadas com vários países no Sudeste Asiático e há pedidos e interesses, segundo o presidente-executivo da Rosoboronexport.

Caça russo Su-57 de quinta geração pode transportar até quatro drones de ataque

Jato Sukhoi Su-57 e drone de ataque pesado Okhotnik (Foto: Ministério da Defesa Russo/Tass).

O mais recente drone Okhotnik atingirá alvos aéreos e terrestres em interação centrada em rede com um caça Su-57. Em seu emprego conjunto, os drones Okhotnik devem lidar com uma ampla gama de missões, atacando alvos aéreos e terrestres sob o comando do piloto do caça.

Reabastecedor da USAF receberá equipamento que permite compartilhar dados entre F-35 e F-22

Um F-22 Raptor e um F-35A Lightning II da USAF voam em formação com o drone XQ-58A Valkyrie no Arizona em 9 de dezembro de 2020 (Foto: James Cason/USAF).

O F-35 e o F-22 são fabricados pela Lockheed Martin, mas usam datalinks incompatíveis e não compartilham informações ao operar furtivamente. Para resolver esse problema, o KC-46 será equipado com um pod de comunicação que fará a ponte entre ambos.

Força Aérea Italiana envia quatro caças F-35A para a Estônia

Caça furtivo F-35A da Força Aérea da Itália (Fonte: Aeronautica Militare Italiana).

A Força Aérea da Itália implantou quatro jatos F-35A na Estônia em missão de vigilância aérea da OTAN; é interessante notar que os caças estão equipados com refletores Luneburg, para ocultar suas características furtivas.

Porque dois tripulantes seriam melhores do que um no caça J-20 da China

Variante biposto do J-20 em imagem gerada por computador, em vídeo divulgado pela AVIC (Aviation Industry Corp of China) (Imagem: captura de tela do vídeo AVIC/Airrecognition.com).

Caça furtivo mais avançado do país, embora com problemas de motor, o J-20 biposto seria capaz de interromper sistemas eletrônicos e implantar frotas de drones.

Fabricante chinês mostra planos para novo caça Stealth e aeronaves de última geração

Caça a jato chinês Shenyang FC-31 (Foto: Danny Yu/CC BY-SA 4.0).

Uma importante empresa chinesa fabricante de aviões de combate anunciou recentemente planos de fazer avanços tecnológicos para garantir o desenvolvimento bem-sucedido de um novo jato de combate stealth de quarta geração e realizar testes de produção e pesquisa em sua aeronave de próxima geração em 2021.

B-2 Spirit nos Açores, Portugal

Excelentes imagens dos B-2 Spirit nos Açores, em Portugal.