Suécia parece pronta para aderir à OTAN como parte da mobilização ocidental contra a Rússia

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Ilustração com bandeiras da Suécia e da OTAN (Dado Ruvic/Reuters).

Por Andi Olluri*

Ilustração com bandeiras da Suécia e da OTAN (Dado Ruvic/Reuters).

Os debates no país seguem as linhas estreitas definidas pelo governo, à medida que as vozes dissidentes são silenciadas.


Com grande alarde, a Suécia anunciou oficialmente (em 15 de maio) que pretende solicitar sua adesão formal à OTAN. A Guerra da Ucrânia forneceu o pretexto para este anúncio, que vem sendo feito há muito tempo e tem sido amplamente apoiado no mainstream sueco.

O tipo de retórica associada à decisão foi sintetizado por um importante comentarista político e um ex-ministro do governo que disse que é “milagroso como as democracias do mundo se reúnem magneticamente em torno dos valores do mundo livre”, ou seja, “a democracia e o respeito pela soberania nacional” – claramente, iemenitas e palestinos não foram incluídos. Finalmente, podemos nos alegrar com a “aliança das democracias mundiais” com “gigantes como os EUA” levando-nos em direção à “liberdade, democracia e paz”[1].

“Na Suécia, a unanimidade é tão compacta que quase emociona”, foi como uma das figuras literárias mais respeitadas, Alex Schulman, aplaudiu em transe[2].

O jornal liberal mais respeitado do país explicou que “a democracia ocidental se opõe ao neostalinismo de Putin” e que “não há meio termo, nenhum compromisso entre essas duas visões de mundo”[3]. O principal analista de negócios, Peter Nilsson, reverenciado por todos, disse: “A produção nas indústrias de armas americana, britânica, francesa e sueca precisa continuar crescendo”, já que “agora não há meio-termo. O mundo é… preto e branco” – apenas para citar alguns dos mais moderados[4].

Cerca de duas semanas depois, após uma campanha de propaganda que provavelmente teria envergonhado até Stalin, o momento de levantar a questão da adesão à OTAN estava maduro; afinal, a OTAN “não busca mais território… não busca disputas territoriais [e] não ameaça a soberania territorial de outros estados… e é extremamente engenhosa ao tentar evitar conflitos”, como um dos principais comentaristas liberais ensinou ao “mais útil dos idiotas úteis para a paz” – ou seja, a maior parte da população em geral antes da guerra, e metade dela agora. “O Ocidente e a OTAN estão dispostos a desistir três vezes para evitar lutar por qualquer território, exceto o seu próprio”, explicou ele, o que é “um fato tão óbvio que não precisa de provas” – como Líbia, Iêmen, Afeganistão, Iraque e assim por diante[5].

Ou para citar a que talvez seja a principal voz da “esquerda” social-democrata, Anders Lindberg, que é constantemente criticado por ser extremista de esquerda: Como Putin é “um Hitler contemporâneo” – assim como os russos odeiam “nossas ideias sobre liberdade” – é inquestionável que nós imediatamente “precisamos nos juntar à OTAN”[6]. Novamente: estou citando a parte “pacifista”, e assim segue a cantilena, virtualmente sem exceção.

Afunilar armas para o setor de “defesa” e ingressar formalmente na OTAN tornou-se um evangelho indiscutível, não necessitando de nenhum argumento crível, e tornando psicologicamente impossível qualquer crítica independente (especialmente para os críticos – que de fato aceitam por unanimidade as linhas de propaganda do governo, como explicarei abaixo). Esses “requisitos são enormes”. “É importante que este processo não se prolongue por vãs tentativas de estimar seus custos”, e que “Governo e Parlamento [devem] aceitar o julgamento sem objeções”, como observaram dois dos mais respeitados analistas de segurança do país, sabendo que esse seria de fato mais ou menos o caso[7].

Com pelo menos 70% das corporações apoiando a adesão à OTAN, e apenas 50% da população (DI, 19 de abril), era tão indiscutível quanto uma prova matemática que a adesão sueca à OTAN era “de natureza existencial para a liberdade de nosso país e nossa soberania”[8].

Tudo isso, escusado será dizer, suprime sistematicamente o fato de que há anos há propostas diplomáticas apresentadas pela Rússia, rejeitadas unilateralmente pelos governos ocidentais, e que isso, esmagadoramente, causou esse conflito. Ou que as provocações e incursões da OTAN em território russo ocorrem constantemente, superando de longe qualquer coisa realizada pelos russos em relação a nós (estas duas últimas frases podem surpreender. E se assim for, basta ver a enxurrada de estudos detalhados constantemente apresentados na imprensa diplomática especializada, que fornece amplas evidências atingindo um ônus de prova esperado apenas em química ou física, porém, nunca apresentados ao público em geral por razões óbvias)[9].

Ou o fato de que mesmo aqueles mais leais à linha do Partido, incluindo o admirado e constantemente citado tenente-coronel Joakim Paasikivi – que praticamente define toda a agenda analítica militar no país – regularmente admitem que a “capacidade militar russa não é de todo impressionante”, deixando de assumir o controle sobre as cidades do outro lado de sua própria fronteira[10].

Isso não é surpreendente, já que estamos lidando com um país cujo PIB está muito abaixo de países como a Itália. Ou o fato de que a ministra das Relações Exteriores da Estônia, Eva-Maria Liimets, declarou abertamente que os [países] bálticos “não veem nenhuma ameaça militar direta [russa]”[11].

Mas de algum modo a muito mais poderosa Suécia e sua “natureza existencial” estão sob ameaça russa. Essa é uma conquista impressionante, mesmo para a imprensa “livre”. A razão pela qual a Rússia invadiria a Suécia, e porque nós precisamos nos juntar formalmente à OTAN, não foi nem uma única vez discutido (exceto através da constante referência ao “ambiente de segurança em mudança no mundo”, uma frase repetida com o mesmo fervor e falta de significado que “Deus é grande”). Não é apresentada nenhuma prova que alcance um nível mínimo de credibilidade ou honestidade, nem é necessária, o que é padrão quando você se especializa em regurgitar o dogma oficial do Partido.

No entanto, não quero dizer que todos na mídia e na academia estejam satisfeitos com o consenso próximo de 100% e não o critiquem. Um dos jornalistas mais conhecidos e respeitados reclamou que aqueles que “se opõem” à OTAN – mantendo-se ainda dentro do quadro ideológico estabelecido pela propaganda do governo – e que agora estão “se atrasando” em se juntar ao coro da aliança ofensiva, “não parecem ser punidos por isso.” No típico estilo do Partido Comunista, ele lamentou que o lado pró-OTAN está, infelizmente, aplaudindo “sem entusiasmo” – uma mentira total, mas uma boa mentira ao impor a disciplina necessária do Partido[12].

Revisar os literalmente milhares de artigos que obedecem estritamente à verdade doutrinária exigida não é tão interessante. O comentário é mais ou menos previsível e esperado. Em vez disso, ao olhar para o que dizem os extremos “pacifistas” da dissidência (eles são tão pequenos em número que podem ser praticamente contados nos dedos), descobriremos para onde vão os limites mais externos do pensamento aceitável e, assim, veremos a façanha espetacular do sistema de propaganda.

Em primeiro lugar, o crítico argumentará que a adesão à OTAN poderia comprometer nossas perspectivas de “política externa autônoma”, e que discussão e “pensamento sério” suficientes não fizeram parte disso tudo, tornando esta uma decisão muito precipitada, para citar o “extremista” Mattias Gardell, que foi acusado de ser escravo do Hamas e dos jihadistas, hater extremo do Ocidente e assim por diante[13].


LIVRO RECOMENDADO:

A nova Guerra Fria e o prisma de um desastre: Ucrânia e o voo MH17

  • Kees Van Der Pijl (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Talvez a OTAN não seja uma ideia tão boa, já que “37 soldados dinamarqueses da OTAN morreram no Afeganistão nos primeiros anos da década de 2000”, escreveu Arne Larsson, que foi tão longe quanto possível para criticar a falta de contra-argumentos apresentados pela imprensa[14].

Sven-Eric Liedman, o historiador e intelectual mais respeitado do país, repete os reverenciados anti-argumentos, citando a possibilidade de uma presidência de Trump e os membros antidemocráticos da OTAN – que, é claro, nunca causam problemas à nossa sensibilidade. “Um dos membros mais poderosos da OTAN é a Turquia”, e o próximo “Donald Trump como presidente” acredita “que a OTAN é inútil” – o que é um total absurdo quando você olha para coisas irrelevantes, tais como os fatos, mas vale tudo desde que você defenda o Santo Estado das críticas sérias[15]. Ou: nos tornaremos “menos seguros”, como disse nosso partido de esquerda “dissidente”.

Nosso próprio radical nacional, Göran Greider, observou: “A adesão da Suécia à OTAN significaria maiores investimentos nas forças armadas, enquanto o clima e o setor público” precisam desse dinheiro[16]. É totalmente uniforme entre os “dissidentes” se ater a isso, já que esses pontos são considerados os “argumentos mais poderosos”, para usar a frase de um jornalista que tem sido alvo de constantes ataques por suas posturas “pró-Rússia”[17].

Tudo isso poderia ser perfeitamente verdade, e na verdade, na maioria das vezes é. Mas nada disso vem ao caso. Ninguém na imprensa poderia pensar em algo diferente, o que é dez vezes mais óbvio. Ou seja, que a OTAN vem realizando uma agressão contra a Rússia (constantemente, até os dias de hoje), e tem rejeitado unilateralmente um acordo de paz[18].

E no mesmo sentido, um verdadeiro dissidente bielorrusso não usaria o contra-argumento de que seria caro, perigoso ou desviaria recursos da Bielorrússia, ao argumentar contra a adesão bielorrussa a um pacto militar com a Rússia; em vez disso, isso significaria ingressar em uma organização criminosa agressiva – esse é o problema. Mas, naturalmente, afirmar isso provocaria uma torrente de ataques e acusações no Ocidente, e o próprio argumento causa apenas um curto-circuito mental; é psicologicamente impossível de compreender, razão pela qual o truísmo banal não pode ser pronunciado nem mesmo pelos críticos mais radicais. Esta é a conquista final do controle do pensamento. Acho que alguns também ficam quietos, o que faz muito sentido. Quando o Partido sequer insinua, todos devem obedecer e seguir, ou ficar em silêncio. Qualquer outra coisa não vale a pena, ou é simplesmente muito perigoso.

Outros têm outras coisas a dizer, no entanto. O CEO da maior empresa de pesquisa da Suécia disse triunfalmente que “a discussão sobre prós e contras da adesão tem sido animada”. É verdade que houve um debate animado, mas tudo dentro da doutrina do Partido.

Também é óbvio que toda a questão da adesão formal à OTAN é mais ou menos uma farsa de relações públicas, mas é zelosamente debatida, dando a necessária roupagem democrática de discussão apaixonada e aberta. A relação do mundo real entre a neutralidade sueca e os EUA/OTAN foi eloquentemente descrita por um de nossos diplomatas mais influentes, Östen Undén, apenas dois meses antes da criação da OTAN em 1949: ou seja, ele descreveu a “neutralidade como uma política falha e ultrapassada”. Além disso, em uma reunião confidencial em setembro de 1949, ele descreveu que essa relação secreta entre a Suécia e a OTAN “não pode ser expressa em público”[19].

Esses “contatos diretos… com o coração do Pentágono” (como disse um dos principais chefes militares) eram altamente desenvolvidos e sistemáticos, e era, “portanto, importante que o conhecimento sobre essa parceria fosse mantido conhecido apenas por pelo menor grupo possível”, para citar um dos chefes do Estado-Maior[20]. Naturalmente, tudo isso teve que ser escondido e distraído por uma “religião” de neutralidade, como o ex-primeiro-ministro Ola Ullsten colocou – o que, obviamente, equivale a “uma catástrofe democrática”, para usar as palavras do cientista político Kjell Goldmann[21].

Isso continua até o presente, em que “a neutralidade da Suécia é mais uma ficção do que um fato”, como disse recentemente o professor emérito de história Harald Gustafsson. O fato de que a Suécia “é mais OTAN do que a maioria dos membros da OTAN” (The Economist, 2007), e que os laços da Suécia com a OTAN “em áreas de defesa e segurança nunca foram mais fortes”, bem como que “a Suécia é um parceiro mais próximo da OTAN do que alguns de nossos membros” (como disse o embaixador dos EUA Ken Howery há mais de um ano), todos tiveram algumas implicações óbvias[22]: Nomeadamente, que servimos como um posto avançado da OTAN, um “porta-aviões inafundável”, como disse uma vez um general americano[23].

Assim, a Suécia há anos é parte entusiasmada do campo ocidental rejeicionista, participando explicitamente do bloqueio de um acordo diplomático com a Rússia. Isso vale para a constante participação em jogos de guerra da OTAN próximos ao território da Rússia, que recebem pouca atenção da mídia no Ocidente – o que é esperado, já que manter um mínimo de honestidade entregaria o jogo.

Não insinuo, no entanto, que não ocorram incursões em grande escala – ao contrário das constantes pequenas incursões realizadas com aviões de ataque e espionagem ou navios militares da OTAN, que “superam” as realizadas pela Rússia em direção ao Ocidente, para citar as conclusões de um relatório detalhado da ABC News[24]. Apenas para citar um exemplo: durante o verão do ano passado, a Suécia participou da Operação Sea Breeze (um dos inúmeros jogos de guerra da OTAN em 2021) junto com outros 35 países de cinco continentes diferentes.

Os navios de guerra estavam a alguns quilômetros das águas russas, e sabemos por documentos internos britânicos vazados que tudo foi planejado e que eles de fato esperavam uma “festa de boas-vindas” russa, como franca e orgulhosamente colocaram – tudo enquanto aviões militares americanos estavam “operando e vigiando tudo na região do Mar Negro, como sempre fazemos”, do que se gabou a capitã da Marinha Wendy Snyder[25]. Em suma, estávamos nos comportando como um satélite obediente diante de qualquer formalismo da OTAN.

Esta é a verdadeira questão: estamos – e já há algum tempo – atuando dentro de uma organização antidiplomática agressiva, e isso simplesmente nunca pode ser discutido. Agora, porém, o desvio de simplesmente formalizar e ratificar a política anterior, está sendo usado como uma notável ferramenta de distração e engano, ignorando o próprio problema central, mesmo por aqueles que deveriam ter melhor conhecimento.

No entanto, temos uma visão mais honesta do motivo pelo qual estamos formalizando o papel de “porta-aviões inafundável” na imprensa de negócios de elite – como é bastante típico. Manchetes eufóricas diziam: “CEO vê oportunidades na adesão à OTAN”; a indústria militar “Agora está crescendo”; “Fazer parte da OTAN abre absolutamente um mercado maior para os países da OTAN… onde podemos trabalhar juntos em coisas sensíveis”, apontou o principal CEO militar do país. Devemos aderir formalmente à OTAN “com entusiasmo”, “chega de conversa”, pois teremos “a maior economia, indústria de defesa”, etc., no norte da Europa, como aplaude o principal guru empresarial nacional[26]. “É hora da vitória” para a indústria após a adesão formal, diz outra manchete em êxtase[27].

O proeminente empresário finlandês, Mika Ihamuotila, disse ao nosso jornal de negócios que “haveria enormes custos para investidores e corporações suecas se a Suécia não se juntasse à OTAN agora”, e que perderíamos “centenas de negócios” se formalmente “ficarmos fora da OTAN”. Ele não quis deixar óbvio demais o motivo de tanto alvoroço, porque, como medida de segurança, acrescentou no final que Putin “é como Hitler” e assim por diante[28]. Para ser claro: “Existe um antes e um depois de 24 de fevereiro para os negócios suecos”. “A adesão da Suécia à OTAN é atraente para os negócios”, e não ingressar significaria que “a Suécia corre o risco de perder investimentos e negócios diretos” – então vamos aproveitar a oportunidade que temos agora[29].

Daí a enorme propaganda.


Publicado no CovertAction Magazine.


*Andi Olluri é estudante e vive na Suécia.


Notas

[1] Dagens Industri, Maria Borelius, 3 de março.

[2] Dagens Nyheter, Alex Schulman, 14 de março.

[3] Ibid, artigo de opinião, 17 de março.

[4] Dagens Industri, P M Nilsson, 25 de março.

[5] Fokus, Johan Hakelius, 7 de março.

[6] Aftonbladet, Anders Lindberg, 20 e 30 de abril.

[7] Dagens Industri, 22 de março. Citando o ex-embaixador Daine Janse e o ex-diretor do Colégio de Defesa, major-general Karlis Neretnieks.

[8] Affärsvärlden, nº 15–16, p. 19.

[9] Até onde sei, fui o único a cobrir isso em detalhes na imprensa sueca e, até certo ponto, mesmo em comparação com a imprensa de língua inglesa – Consortium News, Antiwar, QIRS, Counterpunch, Mint Press News etc. A avassaladora agressão realizada pela OTAN (para um breve resumo, ver, por exemplo, o texto de T. G. Carpenter em Responsible Statecraft, 14 de dezembro de 2020), a rejeição total de várias ofertas de paz russas, até o presente, que se referem explicitamente à adesão à “carta da ONU”, bem como a apelação ao “CSNU” e pedido ao Ocidente e à Rússia que “não se considerem oponentes” (proposta de 17 de dezembro do ano passado) – tudo isso e outros assuntos é discutido em detalhes nos textos que publiquei no Globalpolitics.se, entre dezembro do ano passado e fevereiro deste ano. Também será na minha próxima revisão da crise atual. Estão todos escritos em sueco, mas eu extraí de fontes em inglês.

[10] Svenska Dagbladet, 13 de maio.

[11] Dagens Industri, 29 de março.

[12] Dagens Nyheter, Niklas Ekdal, 21 de abril.

[13] ETC, 6 de maio.

[14] Svenska Dagbladet, Arne Larsson, 14 de abril.

[15] Dagens Nyheter, S-E Liedman, 20 de abril. Para discussão, ver nota 9.

[16] Dala-Demokraten, Göran Greider, 5 de março.

[17] Dagens Nyheter, Björn Wiman, 4 de março.

[18] Mais uma vez, ver nota 9.

[19] Mikael Holmström, Den Dolda Alliansen, Atlantis (2011), p. 70f, 100. Este livro de 600 páginas é o trabalho acadêmico de maior autoridade sobre o assunto.

[20] Ibid, p. 220, 226.

[21] Ibid, p. 424, 432f.

[22] Svenska Dagbladet, Harald Gustafsson, 4 de maio; Dagens Nyheter, 23 de dezembro de 2020.

[23] Holmström op. cit., p. 447.

[24] Carpenter op.cit.

[25] Veja, por exemplo, a BBC, 27 de junho de 2021; Antiwar, 30 de junho de 2021 e Responsible Statecraft, Kellet Beaucar, 27 de junho de 2021.

[26] Dagens Industri, 25 de abril (P M Nilsson).

[27] Ibid, Torun Nilsson, 6 de maio.

[28] Ibid, 9 de maio.

[29] Ibid, Henrik Westman, 13 de maio.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. Excelente texto, mas atacar a fé em Deus, das pessoas, também foi exagerado. Ateus,tais como Trofim Lysenko, também acreditavam em coisas, com fé cega. Este rapaz, precisa tomar cuidado: está se tornando um obscurantista tal como,os que ele odeia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também