Decisão de US$ 6,5 bi sobre novo caça da Suíça está próxima

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Dois caças F/A-18 Hornet da Força Aérea Suíça decolam na base de Payerne, Suíça, em 25 de agosto de 2020 (Foto: Denis Balibouse/Reuters).

Dois caças F/A-18 Hornet da Força Aérea Suíça decolam na base de Payerne, Suíça, em 25 de agosto de 2020 (Foto: Denis Balibouse/Reuters).

Autoridades do governo da Suíça se reunem na quarta-feira para escolher o próximo caça do país depois de cerca de dez anos de disputas políticas envolvendo empresas europeias e americanas.

Os finalistas da concorrência de seis bilhões de francos suíços (US$ 6,5 bilhões) são o francês Dassault Rafale, o europeu Eurofighter Typhoon, e os americanos Boeing F/A-18 Super Hornet e Lockheed Martin F35-A Lightning II.

Na semana passada, a TV suíça noticiou que o F-35 oferecia os melhores recursos técnicos e financeiros, mas que a decisão final ainda estava aberta.

Analistas acreditam que um possível acordo com um fabricante europeu poderia ser visto como uma tentativa da Suíça de reparar suas relações com a União Europeia depois do fracasso das negociações no início deste ano.


RECOMENDADO

Canivete de bolso

  • Modelo clássico SD Swiss Army
  • Marca: Victorinox

No ano passado, a Suíça aprovou o financiamento para novos caças em um referendo nacional com margem apertada. Pesquisas de opinião mostravam que o plano seria facilmente aprovado, mas apenas 50,2% dos eleitores aprovaram o financiamento em setembro.

O resultado está sendo observado de perto como o primeiro de três confrontos antes das decisões de aquisição na Finlândia e no Canadá.

A Suíça precisa substituir seus Northrop F-5E/F Tiger II e Boeing F/A-18 Hornet, que saem de serviço em 2030. Segundo Gareth Jennings, da Jane’s, ambos os tipos estão sofrendo de fadiga e problemas de manutenção.

Alguns anos atrás os suíços rejeitaram a compra de jatos Saab Gripen da Suécia. Ativistas anti-armamento argumentaram que a Suíça lutou sua última guerra no estrangeiro há mais de 200 anos, não tem inimigos discerníveis, e portanto não precisaria de caças de ponta; mas os apoiadores de Defesa dizem que o país precisa ser capaz de se proteger sem depender de terceiros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também