Rússia alerta Grã-Bretanha para não provocá-la novamente no Mar Negro

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Captura de vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Rússia mostra o destroier HMS Defender filmado de uma aeronave militar russa no Mar Negro, em 23 de junho de 2021 (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa via Reuters).

Captura de vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Rússia mostra o destroier HMS Defender filmado de uma aeronave militar russa no Mar Negro, em 23 de junho de 2021 (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa via Reuters).

A Rússia acusou na quinta-feira a Grã-Bretanha de espalhar mentiras sobre um confronto entre navios de guerra no Mar Negro e alertou Londres de que responderia resolutamente a quaisquer novas ações provocativas da marinha britânica na costa da Crimeia.

A Rússia convocou o embaixador britânico em Moscou para uma repreensão diplomática formal depois que o destroier britânico violou o que o Kremlin afirma serem suas águas territoriais, mas que a Grã-Bretanha diz pertencerem à Ucrânia.

A Grã-Bretanha disse que a Rússia está semeando imprecisões e contestou o relato da Rússia, dizendo que nenhum tiro de advertência foi disparado e nenhuma bomba foi lançada no caminho do destróier Defender da Marinha Real.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia convocou a embaixadora Deborah Bronnert para fazer uma “diligência dura” – jargão diplomático para repreensão – e a porta-voz Maria Zakharova acusou Londres de “mentiras descaradas”.

“Acreditamos que foi uma provocação deliberada e premeditada”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, sobre o incidente, no qual Moscou disse ter disparado tiros de advertência e lançado bombas no caminho do contratorpedeiro britânico.

“No caso de repetição de uma ação provocativa inaceitável – se essas ações forem longe demais, nenhuma opção poderá ser descartada em termos de defesa legal das fronteiras da Rússia”, disse Peskov a repórteres.

O ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, acusou os pilotos russos de realizar manobras inseguras de aeronaves a 500 pés (152 m) acima do navio de guerra britânico.


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O Mar Negro, que a Rússia usa para projetar poder no Mediterrâneo, foi durante séculos um ponto de conflito entre a Rússia e seus concorrentes como Turquia, França, Grã-Bretanha e Estados Unidos.

A Rússia apreendeu e anexou a península da Crimeia da Ucrânia em 2014 e considera as áreas ao redor de sua costa como águas russas. Os países ocidentais consideram a Crimeia parte da Ucrânia e rejeitam a reivindicação russa dos mares ao seu redor.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que o navio estava agindo de acordo com a lei e estava em águas internacionais. “O importante é que não reconhecemos a anexação russa da Crimeia”, disse ele a repórteres. “Estas são águas ucranianas e foi totalmente correto usá-las para ir de A a B.”

A Grã-Bretanha contestou a versão russa dos eventos, com o secretário de Relações Exteriores, Dominic Raab, chamando-a de “previsivelmente imprecisa”. “Nenhum tiro foi disparado contra o HMS Defender”, disse ele a repórteres durante uma visita a Singapura.

Wallace disse: “A Marinha Real sempre respeitará a lei internacional e não aceitará interferências ilegais em passagens inocentes.”

De acordo com o direito internacional do mar, a passagem inocente permite que um navio passe pelas águas territoriais de outro estado, desde que isso não afete sua segurança.

DISPUTA DO MAR NEGRO

Durante a guerra de 2008 com a Geórgia, a Rússia se irritou com navios de guerra dos EUA operando no Mar Negro e, em abril, os Estados Unidos cancelaram o envio de dois navios de guerra para a área.

Os presidente russo, Vladimir Putin, e americano, Joe Biden, disseram que as relações entre os dois ex-inimigos da Guerra Fria estão em um ponto baixo após disputas sobre espionagem, invasão de hackers, interferência eleitoral, Ucrânia, Bielorrússia e direitos humanos.


LIVRO RECOMENDADO

Crimeia: A história da guerra que redesenhou o mapa da Europa no século XIX

  • Orlando Figes (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Os laços entre Londres e Moscou estão congelados desde o envenenamento, em 2018, com um agente nervoso desenvolvido pela União Soviética conhecido como Novichok, do ex-agente duplo Sergei Skripal, que traiu centenas de agentes russos para o serviço de inteligência estrangeira MI6 da Grã-Bretanha.

O contratorpedeiro britânico visitou o porto ucraniano de Odessa nesta semana, onde foi assinado um acordo com a Grã-Bretanha para atualizar a marinha ucraniana.

A Rússia disse que o navio britânico se aventurou a até 3 km em águas russas perto do Cabo Fiolent, um marco na costa sul da Crimeia perto do porto de Sebastopol, quartel-general da frota da Marinha Russa no Mar Negro.

A BBC britânica divulgou imagens do navio mostrando um alerta da guarda costeira russa de que ele atiraria se o navio britânico não mudasse de curso.

“Se você não mudar o curso, eu atiro”, disse uma voz em inglês com forte sotaque russo ao navio britânico. A BBC disse que tiros foram disparados e que cerca de 20 aeronaves russas estavam “zunindo” perto do navio britânico.

A Grã-Bretanha disse que os tiros foram parte de um exercício de artilharia russa. A Rússia divulgou imagens filmadas de um bombardeiro Su-24 russo voando perto do navio britânico.

“Essas aeronaves não representavam uma ameaça imediata ao HMS Defender, mas algumas dessas manobras não eram seguras e nem profissionais”, disse Wallace, da Grã-Bretanha.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também