US Navy divulga plano de construção naval que descarta os 355 navios e redefine prioridades

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O navio de assalto anfíbio USS America navega com o navio de combate litorâneo USS Gabrielle Giffords em 13 de março de 2020, no Mar do Sul da China (Foto: US Navy).

O navio de assalto anfíbio USS America navega com o navio de combate litorâneo USS Gabrielle Giffords em 13 de março de 2020, no Mar do Sul da China (Foto: US Navy).

A US Navy submeteu ao congresso americano uma atualização de seus planos anuais de construção naval de longo prazo, um passo atrás do muito discutido padrão de uma frota de 355 navios e, em vez disso, estabelece prioridades para uma futura força naval distribuída.

O novo documento apresenta uma frota de até 321 navios tripulados e potencialmente tão grande quanto 372 navios tripulados.

Uma frota de 321 navios tripulados seria um desvio da modelagem, jogos de guerra e análises anteriores que apontavam para uma frota de 355 ou mais navios tripulados para enfrentar as ameaças da China e da Rússia em uma guerra futura. O número mais baixo, porém, está mais de acordo com as atuais restrições fiscais e capacidade da indústria. O Chefe de Operações Navais, almirante Mike Gilday, disse esta semana que, “com base na receita que temos, podemos pagar por uma Marinha de cerca de 300 navios” – e não há muita esperança de que os orçamentos de construção naval aumentem drasticamente no próximos anos.



Esses 321 a 372 navios tripulados seriam complementados por um número ainda a ser determinado de navios de superfície não tripulados e submarinos – entre 77 e 140, de acordo com o documento. Ele observa que novos tipos de plataformas, como as embarcações não tripuladas, “trazem grande potencial, mas também apresentam maior risco de desenvolvimento. Isso é representado por uma gama de objetivos mais ampla. À medida que a prototipagem e experimentação diminuem a incerteza técnica [conceito de operações] e o risco, juntamente com uma compreensão mais clara dos custos associados, esperamos que as faixas de força objetiva se estreitem.

Como resultado, a frota total da US Navy pode variar de 398 a 512 navios tripulados e não tripulados. O documento, obtido pelo Defense News em 17 de junho, afirma que a US Navy lançará um plano de longo alcance mais detalhado com a solicitação de orçamento para o Ano Fiscal 2023 no próximo ano.

“Nesse ínterim, o Departamento [da Marinha] continuará a desenvolver análises, experimentação, testes, prototipagem e os resultados analíticos de avaliações de estrutura de força, arquiteturas de frota futuras e atualizações de inteligência para refinar os recursos necessários e caracterizar o risco técnico e operacional de um força de batalha objetiva na competição militar. Este trabalho informará o conteúdo e o ritmo de transição para a força futura e será refletido no plano de construção naval do AF2023”.


Tabela do plano de construção naval de longo prazo da US Navy AF22.

O secretário de Defesa Lloyd Austin, em uma audiência em 17 de junho, classificou os 355 navios como “um bom objetivo para se almejar”, ​​mas disse que estava trabalhando para colocar “a combinação certa de capacidades. O tamanho é importante, mas as capacidades também são importantes”.

A US Navy é obrigada a apresentar um plano de construção naval de 30 anos ao Congresso a cada ano, juntamente com sua solicitação de orçamento, mas o documento costuma ser omitido no primeiro ano de uma nova administração presidencial. A antiga administração Trump apresentou um documento em dezembro de 2020 que foi rotulado como um plano fiscal de longo prazo de 2022 e apresentou uma frota que aumentaria para 347 navios tripulados até o final da década e acima de 400 navios tripulados até 2050. A administração de Biden acompanhou sua solicitação de orçamento para o EF22 com um documento mais curto que inclui mais temas e prioridades do que a construção naval de longo prazo e as projeções de estoque de navios.

O documento mantém o foco da US Navy na guerra submarina, que a liderança disse repetidamente ser uma vantagem que precisa proteger e expandir. Ainda assim, ele observa que a US Navy e a indústria não expandiriam drasticamente o tamanho da frota de submarinos de ataque antes do final dos anos 2030, quando termina a aquisição de submarinos de mísseis balísticos classe Columbia.

“Manter a vantagem submarina é uma prioridade para a Marinha. Como nossas plataformas de ataque com maior capacidade de sobrevivência, os SSN e os SSBN são essenciais para a dissuasão e para vencer o conflito contra uma potência rival. Para atender à demanda por submarinos adicionais, a capacidade da base industrial deve ser expandida. O plano além do Programa de Defesa do Anos Futuros (FYDP, Future years Defense Plan) reflete um aumento na produção de SSN que será totalmente realizado com a conclusão da aquisição e entrega da classe Columbia. Continuamos avaliando o aumento da capacidade da base industrial necessária para uma entrega mais consistente de dois SSN por ano durante a produção em série de Columbia e aumentos potenciais subsequentes para a aquisição de SSN.”


LIVRO RECOMENDADO

The world’s greatest aircraft carriers: An illustrated history

  • David Ross (Autor)
  • Em inglês
  • Capa dura

O documento mantém o compromisso da força em colocar em campo pequenos combatentes de superfície em maior número, liberando uma frota menor de grandes combatentes de superfície para conduzir apenas as missões mais complexas com seus sensores e armas maiores. Ele também continua a apoiar os porta-aviões com propulsão nuclear, mas observa que “novos conceitos de capacidade, como um porta-aviões leve, continuam a ser estudados e analisados ​​para iluminar totalmente seu potencial para executar elementos-chave da missão de maneira mais distribuída e informar a melhor combinação uma força futura”.

E reconhece que o esforço do Projeto 2030 da Força do Corpo de Fuzileiros Navais que está revisando a Força de Fuzileiros Navais da Frota tem implicações para a construção naval também. “Esta abordagem requer uma nova combinação de navios anfíbios (LHA/LPD) e inclui o navio de guerra anfíbio leve (LAW, Light Amphibious Warship), que é um facilitador da mobilidade e sustentabilidade [do Regimento Litorâneo de Marines]. O número total de navios anfíbios cresce para apoiar o projeto de força expedicionária mais distribuída, com os LAW complementando um número menor de navios de guerra anfíbios tradicionais.”

Geralmente, observa ele, “os conceitos de Operações Marítimas Distribuídas (DMO) e Operações Litorâneas em Ambiente Contestado (LOCE) / Operações de Base Avançada Expedicionária (EABO) requerem uma mistura equilibrada e diferente de navios de força de batalha tradicionais e novos navios anfíbios e logísticos. Isso resultará em maior poder de combate do que as estruturas de força anteriores, além de papéis novos e importantes desempenhados por plataformas não tripuladas. Esses conceitos e capacidades estão sendo analisados, testados, experimentados e exercitados para definir melhor uma futura força de batalha objetiva”.


Tabela do plano de construção naval de longo prazo da US Navy AF22.

O documento também descreve as lacunas de navios de transporte e auxiliares. A US Navy tem dois navios de pesquisa oceanográfica – e planeja comprar dois no AF22 – e um navio de reparo de cabeamento.

No transporte marítimo estratégico orgânico, a US Navy tem um déficit de navios de veículos de carga roll-on/roll-off (RORO), com apenas 35 hoje, em comparação com a necessidade de 53.

O documento declara que a solicitação de gastos do AF22 da US Navy “continua o compromisso da Marinha com os requisitos de elevação de carga por meio da aquisição de embarcações usadas para substituir a capacidade de elevação de carga e conversão/atualização de todas as embarcações RORO usadas recentemente adquiridas a serem realizadas em estaleiros dos EUA em um perfil estreitamente alinhado ao cronograma de aquisições. O plano de recapitalização também inclui ajustes na frota existente com extensão da vida útil das dez plataformas mais viáveis, aposentadoria das sete embarcações roll-on/roll-off de menor prontidão, aposentadoria de quatro navios de missão especial, investimento contínuo na manutenção da plataforma, e consolidação do Surge Sealift e Ready Reserve Force.”


Tabela do plano de construção naval de longo prazo da US Navy AF22.

A US Navy está buscando US$ 369 milhões para comprar cinco navios RORO usados. O documento também descreve o descomissionamento planejado de navios no AF22, que já foi um ponto de discórdia com os legisladores.

O serviço desativaria sete cruzadores – cinco que já estavam planejados para deixar a frota e mais dois que estão em meio a um programa de modernização que está se tornando mais caro e mais demorado; quatro navios de combate litorâneo, dois dos quais o Congresso negou o descomissionamento no AF21; um navio de desembarque anfíbio, dois submarinos de ataque e um rebocador.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também