Biden procura minimizar Rússia e estimular aliados na tentativa de encurralar Putin

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Os presidentes dos EUA, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, chegam para a cúpula EUA-Rússia em Villa La Grange, em Genebra, Suíça, em 16 de junho de 2021 (Foto: Saul Loeb/Reuters).

Os presidentes dos EUA, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, chegam para a cúpula EUA-Rússia em Villa La Grange, em Genebra, Suíça, em 16 de junho de 2021 (Foto: Saul Loeb/Reuters).

O presidente Joe Biden, em sua primeira viagem ao exterior, buscou lançar a Rússia não como um competidor direto dos Estados Unidos, mas como um pequeno ator em um mundo onde Washington está cada vez mais preocupado com a China.

Assessores disseram que Biden queria enviar uma mensagem de que Putin está se isolando no cenário internacional com suas ações, que vão desde interferência eleitoral e ataques cibernéticos contra nações ocidentais até o tratamento que dispensa aos críticos domésticos.

Mas Biden pode fazer em uma tentativa paralela de interromper a deterioração das relações EUA-Rússia e deter a ameaça de conflito nuclear ao mesmo tempo em que reprova a Rússia, disseram alguns observadores.

“O governo quer diminuir as tensões. Não está claro para mim que Putin queira”, disse Tim Morrison, conselheiro de segurança nacional durante o governo Trump. “As únicas cartas que ele tem que jogar são as do desestabilizador.”

As autoridades de ambos os lados que minimizaram as chances de grandes avanços nas negociações estavam corretas. Nenhum se materializou.

Mas os dois líderes se comprometeram a retomar o trabalho no controle de armas, bem como na segurança cibernética, e a procurar áreas de possível cooperação, sinais de alguma esperança de um relacionamento entre dois países com poucos pontos em comum.


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

As relações já estavam em um nível baixo quando Biden, no início de seu governo, repetiu sua descrição de Putin como “um assassino”. Isso aprofundou uma cisão diplomática que viu os dois países retirarem seus embaixadores da capital um do outro.

Ecoando uma abordagem do ex-presidente Barack Obama, que chamou a Rússia de “potência regional” depois de anexar a Crimeia em 2014, Biden procurou não colocar a Rússia como um competidor direto dos Estados Unidos. Falando após a reunião, Biden disse que a Rússia deseja “desesperadamente permanecer uma grande potência”.

“A Rússia está em uma situação muito, muito difícil agora. Eles estão sendo espremidos pela China”, disse Biden antes de embarcar no avião em Genebra, zombando que os russos “não querem ser conhecidos como, como alguns críticos disseram, você sabe, o Alto Volta com armas nucleares”. Biden se referiu à ex-colônia francesa da África Ocidental, que mudou seu nome para Burkina Faso.

Biden também apontou para os problemas da economia da Rússia e questionou Putin sobre a detenção de dois americanos pela Rússia e ameaças contra a Radio Free Europe e a Radio Liberty, financiadas pelo governo dos EUA.

Os empresários americanos “não querem ficar em Moscou”, disse ele.

Matthew Schmidt, professor associado da Universidade de New Haven e especialista em assuntos russos e eurasianos, disse que Biden estava tentando minar a importância de Putin no cenário global.

“A estratégia é simplesmente apertar os botões de Putin, mas com alguns fatos reais”, disse Schmidt. “A reação vai acontecer de qualquer maneira, independentemente.”


LIVRO RECOMENDADO

Joe Biden: A vida, as ideias e os desafios do presidente da nação mais poderosa do mundo

  • Evan Osnos (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Putin, um ex-agente da agência de segurança KGB, viveu a queda da União Soviética, uma humilhação para a nação que ele tem procurado corrigir com uma política externa cada vez mais agressiva, como visto na ação da Crimeia e no apoio russo aos separatistas no leste Ucrânia.

Um alto funcionário do governo disse que a abordagem de Biden para a Rússia era mais provável de ser bem-sucedida porque Biden se encontrou com Putin logo depois de reunir aliados em torno do princípio de defender uma “ordem internacional baseada em regras” em uma reunião do G7 na Grã-Bretanha e em conversações com membros da OTAN em Bruxelas.

“Houve um forte alinhamento com a proposição básica de que todos nós precisamos defender … essa ordem, porque a alternativa é a lei da selva e do caos, que não interessa a ninguém”, disse o funcionário.

Em casa, os oponentes republicanos de Biden rapidamente o criticaram por não conseguir bloquear o grande duto de gás natural apoiado pela Rússia que está sendo construído na Europa.

O senador norte-americano Lindsay Graham, um freqüente crítico republicano de Biden, disse que ficou perturbado ao ouvir o presidente sugerir que Putin ficaria preocupado com a forma como é visto por outros países.

“Está claro para mim que Putin se importaria menos com a forma como é visto pelos outros e, francamente, ele apreciaria a reputação de ser capaz de interferir com sucesso nos assuntos internos de outros países”, disse o senador da Carolina do Sul.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. As tentativas de Biden de demonizar a Russia não a está afastando dos europeus. Desmilitarizados, os europeus não esperam uma agressão russa, mas abem que Putin não deixará de prevenir próximo às suas fronteiras, o que aos EUA queriam enfraquecer. A verdadeira briga está em Taiwan…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também