Respeito mútuo, mas sem amizade no encontro entre Biden e Putin em Genebra

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontra-se com seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Villa la Grange, Genebra, em 16 de junho de 2021 (Foto: Denis Balibouse/AFP).

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontra-se com seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Villa la Grange, Genebra, em 16 de junho de 2021 (Foto: Denis Balibouse/AFP).

A primeira cúpula de Putin com o quinto presidente dos Estados Unidos em seu mandato, Joe Biden, foi sobre respeito mútuo – e a reunião em Genebra poderia, disseram os dois, levar a um relacionamento mais previsível, embora ainda tenso.

Em contraste com seus antecessores, Biden não fez nenhuma sugestão de que esperava reiniciar o relacionamento e já pressionou a Rússia por causa de preocupações, incluindo suposta intromissão eleitoral, ataques de cibernéticos contra o Oleoduto Colonial e outras infraestruturas dos Estados Unidos e sobre o envenenamento e prisão do dissidente Alexei Navalny.

Mas depois de comentários anteriores que incluiram chamar Putin de “assassino”, Biden, na véspera da cúpula, descreveu o líder russo como “um adversário digno” e em uma entrevista coletiva depois disso disse que veria onde eles tinham interesses comuns.

Putin, que em sua cúpula de 2018 com Donald Trump em Helsinque foi citado como dominador do presidente americano, chamou Biden de “um político muito experiente” que foi capaz de falar com raros detalhes nas conversas “muito construtivas” de mais de três horas.

“Biden geralmente é alguém que deseja relações construtivas. Ele não considera Putin um amigo”, disse Ian Bremmer, presidente da empresa de risco político Eurasia Group.

Semelhante à sua visão do presidente chinês Xi Jinping, Biden “não confia nele, mas espera que a Rússia aja em seu próprio interesse e que os dois países têm alguns interesses que se sobrepõem nos quais devem trabalhar juntos”, disse Bremmer.

Bremmer disse que o teste do relacionamento virá depois.

“Quero ver se nos próximos três meses teremos menos incidentes de ransomware e nada na escala que tivemos contra a Colonial Pipeline vindo da Rússia. Isso é absolutamente crítico.”


LIVRO RECOMENDADO

Joe Biden: A vida, as ideias e os desafios do presidente da nação mais poderosa do mundo

  • Evan Osnos (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Base para o futuro

Putin não fez promessas em sua entrevista coletiva sobre crimes cibernéticos, parecendo negar o envolvimento da Rússia, mas Biden, sinalizando que enviou um alerta, disse que Putin “sabe que há consequências” para as ações russas.

Os líderes disseram que devolveriam os embaixadores às capitais uns dos outros e que os diplomatas trabalhariam na libertação de prisioneiros.

“Não tenho certeza se poderia ter sido muito melhor, mas poderia ter sido muito pior. Isso poderia ter resultado em xingamentos, posturas, palestras, conversas entre si”, disse Yuval Weber, um especialista em Rússia do Instituto Kennan do Wilson Center e professor da Texas A&M’s Bush School of Government and Public Service de Washington.

Ao contrário da Guerra Fria, quando os líderes americanos e soviéticos se reuniam para assinar acordos sobre grandes questões como armas nucleares, Biden e Putin nunca esperaram avanços em Genebra, disse Weber. “O que eles estavam procurando era se podem se dar bem o suficiente pessoalmente para manter uma conversa”, disse Weber.

Weber disse que Putin era “notoriamente uma pessoa muito sensível”, que provavelmente ficou incomodado com os comentários iniciais de Biden sobre ele.

Ao chamar Putin de “adversário digno” e falar da Rússia como uma nação poderosa, Biden está seguindo uma estratégia de “dizer coisas às quais Putin pode se agarrar”, disse Weber.


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Divisão partidária dos EUA

O ex-presidente Barack Obama enfureceu Putin ao chamar a Rússia, que apóia os separatistas na Ucrânia, de “potência regional” agindo “não por força, mas por fraqueza”.

Mas Obama, como presidentes anteriores, assumiu o cargo na esperança de restaurar as relações com a Rússia. George W. Bush disse, depois de se encontrar com Putin em 2001, que ele poderia “ter uma noção de sua alma”.

Trump quebrou o molde ao expressar admiração por Putin. Depois de sua cúpula de 2018 em Helsinque, Trump atraiu críticas até mesmo dentro de seu próprio Partido Republicano, quando pareceu aceitar a negação de Putin de interferência eleitoral – mesmo quando Putin também disse abertamente que queria que Trump fosse presidente.

Os republicanos rapidamente atacaram Biden durante a cúpula de Genebra, dizendo que ele deveria ter sido mais agressivo.

“As cúpulas são para entregar resultados”, disse Jim Risch, o principal republicano do Comitê de Relações Exteriores do Senado. “Saber que não houve progresso tangível com a Rússia em qualquer assunto é lamentável e decepcionante.”

Mas o senador Bob Menendez, o democrata que chefia o comitê, elogiou Biden por “dizer a verdade sem rodeios” a Putin.

“Esta foi uma verificação de realidade necessária para Putin e uma saída bem-vinda dos últimos quatro anos de Trump mimando o Kremlin”, disse Menendez.

Fontes: France 24 / AFP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também