Principal general da OTAN pede “alinhamento” entre planos dos caças de sexta geração de EUA e Europa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Bombardeiros B-1B Lancer em formação com caças F-35 noruegueses durante treinamento para a Força-Tarefa de Bombardeiros na Europa, em 20 de maio de 2020 (Foto: Força Aérea Norueguesa).

Bombardeiros B-1B Lancer em formação com caças F-35 noruegueses durante treinamento para a Força-Tarefa de Bombardeiros na Europa, em 20 de maio de 2020 (Foto: Força Aérea Norueguesa).

O principal general da OTAN na Europa diz que os membros da Aliança desenvolvendo aeronaves militares de sexta geração devem garantir que seus planos estejam em sincronia para evitar duplicação.

Os países membros precisam comparar anotações sobre os recursos necessários para realizar os respectivos planos, explicou o general Tod Wolters da USAF em um evento em 9 de junho organizado pelo Atlantic Council. Ele enfatizou o objetivo de “transparência e alinhamento estratégico” à medida que as nações elaboram seus planos de defesa futuros, incluindo o desenvolvimento de armas aéreas futurísticas nos Estados Unidos e na Europa.

“Essas atividades estão em andamento e estou muito animado com o que está acontecendo nessa dimensão”, disse Wolters.

Existem três iniciativas principais em andamento dentro da OTAN para desenvolver aeronaves de sexta geração, embora ainda seja uma questão em aberto até que ponto essas armas se assemelharão, em última análise, aos aviões tradicionais. O programa norte-americano atende pelo nome de Next Generation Air Dominance (NGAD); os britânicos estão trabalhando no Tempest; e França, Alemanha e Espanha têm o Future Combat Air System, ou FCAS, em planos. Todos esses esforços incluem atividades separadas destinadas a colocar em campo novos drones, armas, sensores e arquiteturas de comando e controle.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Os comentários de Wolters ecoam um senso de propósito comum na defesa entre os aliados ocidentais que às vezes se perde em disputas internas da indústria de defesa. Na Europa, os principais líderes políticos da França e da Alemanha tiveram que mascarar sérios desacordos do FCAS no nível de trabalho com conversas otimistas sobre a parceria de defesa franco-alemã. Enquanto isso, o programa britânico Tempest avança em paralelo, apesar do reconhecimento generalizado de que a Europa não pode apoiar dois desses desenvolvimentos no longo prazo.

Embora as armas aéreas de sexta geração ainda estejam a anos de distância, Wolters disse que os jatos F-35 americanos de quinta geração ainda não atingiram seu potencial total na fusão das capacidades militares das nações clientes. Notavelmente, ele descreveu os recursos de suporte de batalha da aeronave – como alerta antecipado e comando e controle – em vez do anunciado combate ou destreza furtiva dos jatos como o multiplicador de força decisivo entre as forças aéreas nacionais. Wolters previu que os usuários europeus teriam 450 F-35 combinados em 2030.

“A cada dia que passa, encontramos melhores maneiras de unir as nações que possuem F-35 para melhorar nossa velocidade e postura no domínio aéreo”, disse ele.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também