Hong Kong proíbe evento anual pelo massacre na Praça da Paz Celestial

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Mulher segura uma vela durante a cerimônia pelas vítimas da Praça da Paz Celestial durante uma vigília em Hong Kong em 4 de junho de 2016 (Foto: Albert Bonsfills/Anadolu).

Mulher empunha uma vela em uma cerimônia pelas vítimas da Praça da Paz Celestial durante uma vigília em Hong Kong em 4 de junho de 2016 (Foto: Albert Bonsfills/Anadolu).

Pelo segundo ano consecutivo, as autoridades de Hong Kong proibiram a cerimônia pelo massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) na região semi-autônoma, informou a mídia local nesta quinta-feira. O evento para lembrar as vítimas do massacre de 1989 em Pequim é realizado todos os anos em 4 de junho.

A mídia estatal RTHK News informou que as autoridades da região semi-autônoma da China proibiram as pessoas de realizar a vigília à luz de velas no Victoria Park no próximo mês. Habitantes de Hong Kong normalmente se reuniam no parque para homenagear as vítimas.

Os protestos de 1989 começaram em 15 de abril e foram reprimidos à força em 4 de junho, quando o governo chinês enviou militares para retomar o controle da Praça Tiananmen. Quase 300 pessoas morreram e 7.000 ficaram feridas, incluindo soldados. Os números são controversos.

No ano passado, a polícia de Hong Kong proibiu o evento pela primeira vez, citando a violenta pandemia de covid-19. No entanto, muitas pessoas desafiaram a proibição e compareceram ao evento, que resultou em ação policial contra várias figuras proeminentes.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

A Aliança de Hong Kong em Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China, que organiza o evento, instou a polícia de Hong Kong a permitir o evento. Os membros da aliança disseram que, se permitido, os participantes seguirão medidas de distanciamento social. Eles se reuniram na terça-feira com os policiais sobre o evento.

A proibição de tais eventos ocorre depois que a China impôs a polêmica lei de segurança nacional na região em julho passado, provocando uma reação maciça das capitais ocidentais.

A lei foi imposta depois que Hong Kong foi abalado por protestos antigovernamentais em 2019 em resposta ao projeto de extradição agora proibido.

Fonte: Anadolu.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também