Macron busca perdão pelo genocídio de Ruanda

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O presidente francês Emmanuel Macron em coletiva de imprensa durante cúpula da UE em Bruxelas, Bélgica, em 25 de maio de 2021 (Foto: John Thys/Reuters).

O presidente francês, Emmanuel Macron, em coletiva de imprensa durante cúpula da UE em Bruxelas, Bélgica, em 25 de maio de 2021 (Foto: John Thys/Reuters).

O presidente francês Emmanuel Macron disse reconhecer o papel de seu país no genocídio de Ruanda e espera por perdão em um memorial em Kigali nesta quinta-feira, buscando restabelecer as relações após anos de acusações ruandesas de que a França foi cúmplice das atrocidades de 1994.

“Apenas aqueles que passaram aquela noite podem perdoar e, ao fazê-lo, dar o presente do perdão”, disse Macron no memorial do genocídio de Gisozi em Kigali, onde mais de 250.000 vítimas estão enterradas.

“Venho por aqui humildemente e com respeito estar ao seu lado hoje, venho a reconhecer a extensão de nossas responsabilidades.”

A visita segue o lançamento em março do relatório de um painel de inquérito francês que disse que uma atitude colonial cegou as autoridades francesas e que o governo tem uma responsabilidade “séria e avassaladora” por não prever a matança.

No entanto, o relatório absolveu a França da cumplicidade direta na matança de mais de 800.000 tutsis e hutus moderados – um ponto que Macron também destacou em seu discurso. “Os assassinos que perseguiam nos pântanos, nas colinas, nas igrejas não tinham a face da França. A França não era cúmplice”, disse ele.


LIVRO RECOMENDADO

Genocídio e o Tribunal Penal Internacional para Ruanda

  • Luiz Augusto Módolo de Paula (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“Eu acho que aquele discurso foi um discurso muito forte porque ele pediu perdão de forma sutil, mas de maneira forte. Foi sutil, mas substancialmente forte”, disse Jean Paul Kimonyo, ex-assessor do presidente de Ruanda, Paul Kagame.

Kagame, que já havia dito que a França participou do genocídio, disse na semana passada que o relatório “significava muito” para os ruandeses.

Os ruandeses poderiam “talvez não esquecer, mas perdoar” a França por seu papel, disse Kagame, um tutsi e principal nome na política ruandesa desde que seu exército rebelde acabou com as mortes por esquadrões da morte leais ao governo hutu.

Macron, que intencionalmente tentou distanciar a França de seu passado colonial, concordou em abril em abrir os arquivos de Ruanda do ex-presidente François Mitterrand, que estava no comando durante o genocídio.

Pouco depois, Ruanda divulgou seu próprio relatório em que constatou que a França estava ciente de que um genocídio estava sendo preparado e tinha a responsabilidade de evita-lo, continuando com seu apoio inabalável ao então presidente de Ruanda, Juvenal Habyarimana.


FILME RECOMENDADO

Hotel Ruanda

  • Formato: DVD
  • Direção: Terry George
  • Elenco: Don Cheadle, Nick Nolte e outros.

Foi o abate do avião de Habyarimana, matando o presidente, que desencadeou o frenesi de 100 dias de assassinatos.

“Oficiais franceses armaram, aconselharam, treinaram, equiparam e protegeram o governo de Ruanda”, concluiu o relatório, acrescentando que a França encobriu seu papel por anos.

Na sexta-feira, o Palácio do Eliseu disse que Macron nomearia um novo embaixador em Ruanda, o primeiro enviado francês credenciado desde 2015.

As ruas de Kigali estavam calmas nesta quinta-feira, sem nenhum dos estandartes ou bandeiras que costumam acompanhar uma visita de alto nível. A última visita de um líder francês a Ruanda foi em 2010.

De Ruanda, Macron viajará para a África do Sul, onde se encontrará com o presidente Cyril Ramaphosa para discutir o covid-19 e as crises regionais, incluindo uma em Moçambique.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também