A Operação Guardião das Muralhas em números

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto tirada de Sderot, no sul de Israel, na fronteira com Gaza, mostra foguetes disparados pelo sistema de defesa anti-mísseis Iron Dome de Israel, em 13 de maio de 2021 (Foto: Emmanuel Dunand/AFP).

O sistema de defesa israelense Iron Dome, à esquerda, intercepta foguetes, à direita, disparados pelo Hamas em direção ao sul de Israel a partir de Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021 (Foto: Anas Baba/AFP).

Durante os 11 dias da Operação “Guardian of the Walls” (“Guardião das Muralhas”) das IDF, algo como 4.360 foguetes foram disparados em direção a Israel, dos quais cerca de 3.400 cruzaram a fronteira, 680 caíram na Faixa de Gaza e 280 caíram no mar.

De acordo com as IDF, cerca de 90% dos foguetes que cruzaram para Israel foram interceptados pelo sistema Iron Dome. Doze israelenses foram mortos. As IDF atacaram cerca de 1.500 alvos terroristas do Hamas e da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza.

Os alvos incluíram o projeto estratégico de cidade subterrânea do “metrô” do Hamas. Cerca de 100 km de túneis foram destruídos. Por volta de 200 terroristas e 25 altos comandantes do Hamas e da Jihad Islâmica foram mortos. Aproximadamente 340 poços de lançamento foram bombardeados, bem como 70 lançadores múltiplos e 35 lançadores de morteiros.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

A Força Aérea Israelense (IAF) também atingiu cinco bancos que negociam com fundos terroristas e nove edifícios usados ​​como infraestrutura dos terroristas. As IDF frustraram as tentativas do Hamas de lançar ataques transfronteiriços, atingiu dezenas de esquadrões antitanque e impediu um ataque de paragliders.

A IDF classificou suas realizações nesta operação como “significativas” e “algumas das quais sem precedentes”.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou na sexta-feira após a entrada em vigor do cessar-fogo que “Israel não iniciou este conflito. Fomos atacados de forma não provocada pela organização terrorista Hamas, que disparou quatro mil foguetes contra nossa capital e cidades. Nenhum país ficará inerte quando for atacado de forma tão criminosa. Israel não é diferente.”

Fonte: TPS.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também