IDF atinge túneis do Hamas em ataques maciços em Gaza; pressão internacional por cessar-fogo aumenta

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Fogo e fumaça sobem acima de edifícios na Cidade de Gaza durante ataque de aeronaves israelenses no início de 17 de maio de 2021 (Foto: Anas Baba/AFP).

Fogo e fumaça sobem acima de edifícios na Cidade de Gaza durante ataque de aeronaves israelenses no início de 17 de maio de 2021 (Foto: Anas Baba/AFP).

Aeronaves israelenses desencadearam uma nova série de ataques aéreos pesados ​​em vários locais da Faixa de Gaza na manhã desta segunda-feira, quando os EUA disseram que todos os lados na luta Israel-Hamas deveriam desescalar, e a violência “deveria terminar imediatamente”.

Explosões abalaram a cidade de Gaza de norte a sul em um ataque que foi mais pesado, em uma área mais ampla e durou mais do que uma série de ataques aéreos 24 horas antes, nos quais 42 palestinos foram mortos – o ataque mais mortal na última rodada de violência entre Israel e o grupo terrorista Hamas que governa Gaza. Os primeiros ataques aéreos israelenses destruíram três edifícios. Moradores de Gaza descreveram a barragem israelense durante a noite como a mais pesada desde o início dos combates no enclave governado pelo Hamas, há uma semana. Os ataques causaram cortes generalizados de energia e danificaram centenas de edifícios, disseram as autoridades em Gaza. Horas depois dos ataques, o ministério da saúde dirigido pelo Hamas em Gaza relatou outra fatalidade na crise de uma semana.

Um prédio de três andares na Cidade de Gaza foi fortemente danificado, mas os moradores disseram que os militares os avisaram 10 minutos antes do ataque e todos saíram. Eles disseram que muitos dos ataques aéreos atingiram terras agrícolas próximas. Relatos da mídia local disseram que a principal estrada costeira a oeste da Cidade de Gaza, áreas de segurança e espaços abertos foram atingidos nos últimos ataques. A empresa de distribuição de energia disse que os ataques danificaram uma linha que alimenta a eletricidade da única usina elétrica para grandes partes do sul da Cidade de Gaza.

As Forças de Defesa de Israel disseram que os ataques tiveram como alvo o sistema de túneis subterrâneos do Hamas no norte de Gaza. As IDF apelidaram a série de túneis subterrâneos do Hamas de “o metrô”, e descrevem as passagens atingidas durante a noite como a “linha C”.

“Como parte do ataque, cerca de 35 alvos terroristas foram atacados em um período de cerca de 20 minutos”, disse um comunicado dos militares. Eles também disseram que o ataque incluiu 54 aeronaves de combate que lançaram cerca de 110 munições de precisão, atingindo 15 quilômetros de túneis.

“Este ataque foi parte de uma ampla operação do IDF para danificar significativamente o sistema subterrâneo de organizações terroristas em Gaza”, disse o IDF, acrescentando que também atingiu um túnel cavado pelo Hamas localizado perto de um jardim de infância e uma mesquita no sul de Gaza.

A localização do local “prova mais uma vez como a organização terrorista Hamas deliberadamente coloca seus recursos militares no coração das populações civis”, disseram os militares, acrescentando: “As IDF tomam tantas medidas de precaução quanto possível para reduzir possíveis danos a civis durante suas atividades militares.”

Inicialmente, os militares disseram que estavam realizando “ataques generalizados”. Entre os outros alvos que relatou ter atingido durante a noite estavam as casas de nove comandantes do Hamas em toda a Faixa de Gaza. “As casas atacadas foram utilizadas como infra-estrutura terrorista e em algumas das casas, até depósitos de armas foram encontrados”, disse a IDF.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

As casas visadas incluíam as residências do comandante da brigada Beit Hanoun do Hamas, o comandante da companhia Beit Hanoun, o comandante da companhia da Cidade de Gaza e o comandante da companhia da brigada al-Shati, disse a IDF. Uma casa em Shejaiya usada pela inteligência militar do Hamas também foi alvo.

Durante a noite, vários disparos de foguetes atingiram cidades israelenses. Pelo menos nove foguetes atingiram Beersheba, com vários interceptados pelo Iron Dome. O resto caiu em áreas abertas. Ashkelon e as comunidades vizinhas também foram visadas. Não houve relatos imediatos de feridos.

Após uma pausa de três horas em que nenhum alarme soou, as sirenes soaram por volta das 07h00 no kibutz Kerem Shalom, perto da fronteira com Gaza.

O IDF disse que cerca de 60 foguetes foram disparados contra Israel entre as 19h00 Domingo à noite e 07h00 da manhã de segunda-feira, cerca de 10 dos quais não conseguiram passar a fronteira e pousaram na Faixa de Gaza. Os militares também disseram que muitos dos foguetes foram interceptados, sem especificar o número.

A violência noturna veio quando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pediu o fim da luta, marcando uma mudança no tom dos EUA, com o governo Biden intensificando os esforços diplomáticos na região e mantendo uma série de conversas com líderes regionais.

Blinken manteve conversações com o chanceler egípcio Shoukry, o vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores do Catar Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, o chanceler saudita Faisal bin Farhan Al Saud e o chanceler francês Jean-Yves Le Drian.

Após sua ligação com Shoukry, Blinken twittou que “todas as partes precisam diminuir as tensões – a violência deve terminar imediatamente”. Os comentários de Blinken parecem ser a primeira vez que um alto funcionário dos EUA pede o fim imediato da violência.

Também no domingo, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que seu governo está trabalhando “para manter a calma” entre Israel e os palestinos.


LIVRO RECOMENDADO

Hamas: Um guia para iniciantes

  • Khaled Hroub (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Em comentários virtuais sobre um vídeo gravado reproduzido em uma cerimônia na Casa Branca para marcar o Eid al-Fitr no final do mês sagrado muçulmano do Ramadã, Biden disse: “Meu governo vai continuar a envolver palestinos e israelenses e outros membros da região parceiros para trabalhar para manter a calma.”

“Também acreditamos que palestinos e israelenses merecem igualmente viver em segurança e desfrutar de igual medida de liberdade, prosperidade e democracia.” Nos dias anteriores, os EUA enfatizaram que Israel tem o direito de se defender e sugeriu que Israel teria tempo para concluir as operações contra o Hamas.

Enquanto isso, a mídia hebraica relatou que o enviado das Nações Unidas, Tor Wennesland, conduziu conversas “intensivas” com autoridades israelenses, do Hamas e do Egito no último dia em uma tentativa de intermediar um cessar-fogo.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse no domingo que os combates na Faixa de Gaza – agora em seu sétimo dia – “levariam mais tempo” e elogiou o apoio dos Estados Unidos e de outros países.

Uma fonte diplomática disse que um possível cessar-fogo não foi discutido em uma reunião do gabinete de segurança de alto nível no domingo.

A fonte também foi citada pelo jornal Ynet prevendo que os combates terminariam nesta semana. No entanto, as notícias do Canal 12 relataram em uma fonte de segurança dizendo que a atual rodada de hostilidades estava chegando ao fim e que Israel estava “entrando em um período crítico de 24 horas”.

Não houve comentários oficiais das autoridades sobre a reunião.

Falando após a reunião e após consultas com chefes de segurança, Netanyahu disse que a Operação Guardião das Muralhas estava “continuando com força total”. Ele disse que mais de 1.000 alvos foram atingidos em Gaza, cobrando um sério tributo ao Hamas, incluindo seus ativos clandestinos, que ele descreveu como tendo sofrido um golpe sério, mas não completo.

“Nenhum terrorista está imune”, ameaçou ele durante um comunicado televisionado na sede militar de Kirya, observando que as IDF também destruíram “torres terroristas”, referindo-se a prédios altos destruídos por ataques aéreos israelenses. Ele acrescentou que os militares estão fazendo o que podem para reduzir ao mínimo as vítimas civis.


LIVRO RECOMENDADO

Israel x Palestina: 100 anos de guerra

  • James L. Gelvin (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“Isso vai levar tempo. Há pressão, mas estamos recebendo forte apoio, principalmente dos EUA ”, disse ele. “Temos apoio internacional e o estamos usando”.

Apesar de Netanyahu sugerir que a luta não estava diminuindo e apregoar o apoio dos EUA, autoridades israelenses de alto escalão disseram ao site de notícias Walla no domingo que os apelos de Biden e outras figuras americanas importantes estavam sendo ouvidos e que Israel começaria a se mover em direção a um cessar-fogo agora que uma série de objetivos militares foram alcançados contra o Hamas, bem como em resposta à crescente pressão internacional.

As autoridades anônimas disseram que, assim como os acordos anteriores entre Israel e os grupos terroristas de Gaza, o cessar-fogo seria mediado pelo Egito.

O subsecretário adjunto dos EUA para Assuntos Israelense-Palestinos, Hady Amr, chegou a Tel Aviv na sexta-feira e tem mantido reuniões com autoridades israelenses e palestinas com o objetivo de chegar a um cessar-fogo.

Os Estados-membros no Conselho de Segurança da ONU no domingo também pediram a suspensão imediata dos combates em Gaza entre as Forças de Defesa de Israel e os governantes do Hamas no enclave.

De acordo com as IDF, Israel enfrentou a maior taxa de ataques de foguetes em seu território durante seu último confronto com o Hamas. Desde segunda-feira, grupos armados em Gaza dispararam cerca de 3.000 foguetes contra Israel, ultrapassando o ritmo durante a escalada da violência em 2019 e durante a guerra de 2006 com o Hezbollah do Líbano, disse o major-general Ori Gordin.

Dez israelenses, incluindo um menino de 5 anos e uma menina de 16, morreram no fogo do foguete e centenas ficaram feridos. O número de palestinos com os combates chegou a 198 na segunda-feira, incluindo dezenas de menores, com cerca de 1.300 feridos, de acordo com o Ministério da Saúde dirigido pelo Hamas.

Os grupos terroristas Hamas e Jihad Islâmica confirmaram 20 mortes em suas fileiras, embora Israel diga que esse número é muito maior e que dezenas dos mortos eram terroristas. Além disso, as IDF afirmam que algumas mortes foram causadas por foguetes disparados contra Israel, que ficaram aquém de seus alvos e caíram na Faixa.

Fonte: The Times of Israel.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também