EUA bloqueiam pela 3ª vez declaração conjunta do Conselho de Segurança pedindo cessar-fogo

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
A Embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, participa de uma reunião de Gabinete com o Presidente Joe Biden na Sala Leste da Casa Branca em 1º de abril de 2021, em Washington (Foto: Evan Vucci/AP).

A Embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, em reunião de Gabinete com o Presidente Joe Biden na Sala Leste da Casa Branca em 1º de abril de 2021, em Washington (Foto: Evan Vucci/AP).

Pela terceira vez em uma semana, os EUA estão bloqueando uma declaração conjunta do Conselho de Segurança da ONU pedindo um cessar-fogo imediato entre Israel e o Hamas, disseram no domingo dois diplomatas envolvidos no assunto.

A declaração foi apresentada pela Noruega, Tunísia e China após uma sessão de emergência no início do dia sobre os combates em Gaza e critica genericamente ambos os lados pela violência em curso, mas não faz menção aos disparos de foguetes do Hamas.

A missão dos Estados Unidos não respondeu imediatamente a um pedido de comentários sobre o assunto. Os Estados-membros têm até esta segunda-feira ao meio-dia para refletir sobre uma declaração e as negociações sobre o assunto estão em andamento, disseram dois diplomatas do Conselho de Segurança ao The Times of Israel.

O Times of Israel obteve uma cópia do esboço da declaração na manhã de segunda-feira. Ele expressou a “grave preocupação [do conselho] em relação à crise relacionada a Gaza e à perda de vidas e vítimas civis, e pediu a desescalada da situação, o fim da violência e o respeito pelo direito internacional humanitário, incluindo a proteção de civis, especialmente crianças.”

“Os membros do Conselho de Segurança enfatizaram que as instalações civis e humanitárias, incluindo as da ONU, devem ser respeitadas e protegidas, exortaram todas as partes a agirem consistentemente com este princípio e enfatizaram a necessidade de fornecimento imediato de assistência humanitária aos civis palestinos população em Gaza”, diz o comunicado.

“Os membros do Conselho de Segurança saudaram todos os esforços para diminuir a escalada e chegar a um acordo de cessar-fogo, inclusive dos estados regionais e do Quarteto do Oriente Médio, e instaram todos os atores a apoiarem esses esforços”, continua.


LIVRO RECOMENDADO

Filho do Hamas

  • Mosab Hassan Yousef (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Os membros expressam preocupação com a violência recente em Jerusalém, pedindo a manutenção do status quo em locais sagrados e “o direito dos adoradores muçulmanos de orar em paz na mesquita de Al Aqsa”.

Eles também expressam séria preocupação em relação ao despejo iminente de famílias palestinas nos bairros de Sheikh Jarrah e Silwan em Jerusalém Oriental e expressaram “oposição a ações unilaterais, o que só piorará o ambiente já tenso”.

O rascunho da declaração termina com os membros reiterando seu apoio a uma solução de dois Estados para o conflito israelense-palestino e “urgindo pela intensificação e aceleração dos esforços diplomáticos e apoio para esse objetivo”.

A falta de menção ao lançamento de foguetes do Hamas de Gaza pode oferecer um dos motivos pelos quais os EUA – que têm sido fortemente críticos do assunto – inicialmente se recusaram a apoiá-lo.

Durante a reunião aberta de domingo, a embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, disse que os EUA estavam “trabalhando incansavelmente por meio dos canais diplomáticos para tentar pôr fim a este conflito”.

O subsecretário adjunto dos EUA para Assuntos Israelense-Palestinos, Hady Amr, chegou sexta-feira a Tel Aviv e tem mantido reuniões com autoridades israelenses e palestinas com o objetivo de chegar a um cessar-fogo.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Falando ao conselho, Thomas-Greenfield pediu ao Hamas que pare imediatamente de disparar foguetes contra Israel. Notavelmente, ela não mencionou o direito de Israel de se defender, como as autoridades americanas enfatizaram em suas respectivas declarações sobre a violência na semana passada.

Quatorze dos 15 membros do Conselho de Segurança buscaram emitir uma declaração conjunta, que requer aprovação unânime, após reuniões fechadas de emergência na segunda e quarta-feira. Eles foram rejeitados pelos EUA, que disseram querer mais tempo para seus próprios esforços diplomáticos se concretizarem, de acordo com vários diplomatas do Conselho de Segurança. Essa declaração também teria exigido um cessar-fogo imediato, enquanto condenava ambos os lados pela violência.

Quando os membros do conselho decidiram realizar outra reunião na semana passada, a missão dos EUA recuou pelo mesmo motivo, dizendo que preferia esperar até terça-feira. Após a pressão de várias missões, os EUA concordaram em adiar a reunião para domingo.

Questionado após a reunião de domingo se os EUA planejam apoiar a declaração conjunta que está sendo redigida, um oficial da missão dos EUA disse ao The Times of Israel que “agora estamos focados nos intensos esforços diplomáticos em andamento, incluindo aqueles da embaixadora Thomas-Greenfield discutidos na reunião de segurança hoje.”

Falando a repórteres após a sessão de emergência, Mona Juul, do Ministério das Relações Exteriores da Noruega, disse que seu governo “acredita fortemente que o Conselho de Segurança deve falar a uma só voz e enviar uma mensagem clara pedindo o fim imediato da violência e reconfirmando nosso apoio à solução dos dois Estados. A Noruega continuará nossos esforços dedicados para buscar a ação do conselho.”

Durante a sessão, enviados de outros 14 países membros do Conselho de Segurança – além dos EUA – bem como oradores convidados da Jordânia e do Egito, também pediram um cessar-fogo imediato, com a maioria dos diplomatas criticando os ataques israelenses em Gaza que resultaram nas mortes de crianças palestinas, bem como a destruição de um prédio de escritórios de organizações de mídia, que as IDF disseram ter sido usado pelo Hamas. Muitos membros também criticaram os disparos de foguetes do Hamas em Gaza. Todos eles se manifestaram contra as expulsões do Sheikh Jarrah e pediram uma solução de dois estados para o conflito.


LIVRO RECOMENDADO

Israel: Uma história

  • Anita Shapira (Autora)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi – cujo país está travando batalhas em separado com Washington – atacou os EUA por duas vezes bloquear uma declaração conjunta do Conselho de Segurança na semana passada.

“A China tem trabalhado com países relevantes em uma declaração à imprensa do conselho de segurança. Lamentavelmente, devido à obstrução de um país, o Conselho de Segurança não conseguiu falar como uma só voz ”, disse Wang.

“Pedimos aos EUA que assumam suas responsabilidades duplas, assumam uma posição justa e, junto com a comunidade internacional, apoiem o Conselho de Segurança para amenizar a situação e construir um acordo político”, acrescentou.

Mais tarde no domingo, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se tornou a primeira autoridade dos EUA a pedir um cessar-fogo imediato, de acordo com uma leitura de sua ligação com o ministro das Relações Exteriores egípcio Sameh Shoukry. O comunicado à imprensa não destacou Israel, em vez disso instou “ambos os lados” a conterem o fogo.

Em seus comentários ao conselho, o embaixador israelense Gilad Erdan instou os Estados membros a condenarem “inequivocamente” o Hamas por disparar foguetes indiscriminadamente contra civis israelenses, alegando que seu ataque foi premeditado para melhorar sua posição política às custas da Autoridade Palestina.

Erdan advertiu que se a ONU não o fizesse e continuasse a instar ambos os lados a exercerem moderação, isso encorajaria ainda mais o grupo terrorista e “minaria” a Autoridade Palestina – um ponto de discussão comum da esquerda israelense sobre a política relacionada a Gaza.

Fonte: The Times of Israel.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também