O Urso do Norte: como o Kremlin se relaciona com seus vizinhos?

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Imagem: Rustico/Shutterstock.

Imagem: Rustico/Shutterstock.

A China continua sendo o maior comprador de armas russas no Sudeste Asiático, mas Moscou está aumentando seus laços militares com outros países. Laos, Vietnã e Mianmar estão entre as nações que buscam uma cooperação militar mais estreita com a Rússia. Isso inclui a compra de jatos, radares e drones, bem como a cooperação em exercícios militares bilaterais. Aqui apresentamos uma visão mais detalhada de como esses relacionamentos estão evoluindo.

Exercícios conjuntos

O Laos, que durante anos teve um relacionamento próximo com a União Soviética, recentemente tomou medidas para melhorar ainda mais os laços militares com a Federação Russa. Os dois países planejam realizar exercícios militares bilaterais na Rússia, chamados de Laros-2021. Os primeiros exercícios militares Rússia-Laos foram realizados em 2019 no Laos.

Um porta-voz do Distrito Militar Oriental da Rússia, Alexander Gordeyev, disse à agência de notícias Tass em meados de abril que o próximo exercício conjunto envolverá tanques e se concentrará na missão de contraterrorismo. As negociações para o agendamento do exercício foram conduzidas entre autoridades dos dois países no Distrito Militar Oriental, com sede em Khabarovsk.

Os militares russos estão atualmente ajudando o Laos a remover minas e munições não detonadas de seu território. O Laos foi fortemente bombardeado pelos EUA como parte de uma campanha anticomunista. A Rússia construiu anteriormente um centro de desminagem no país para educar o pessoal local.

Como mais uma prova do forte relacionamento, o Ministro de Palavras Públicas e Transportes do Laos, Sommad Pholsena, em 2017, atuando na função na época, visitou a Crimeia – território confiscado da Ucrânia pela Rússia e anexado em março de 2014.

Citando fontes chinesas, a mídia russa também noticiou que Moscou está construindo um campo de aviação militar no Laos, mas o Defense News não foi capaz de verificar essa afirmação de forma independente.

Mikhail Barabanov, especialista militar do think tank russo Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias, disse que o relatório foi “exagerado” pela mídia. De acordo com suas estimativas, os russos estão simplesmente participando da reconstrução de um campo de aviação no Laos.


LIVRO RECOMENDADO:

Todos os homens do Kremlin: Os bastidores do poder na Rússia de Vladimir Putin

  • Mikhail Zygar (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O relacionamento da Rússia no Laos é crítico para Moscou “porque a influência chinesa está crescendo e a Rússia não quer ficar longe dessa corrida”, disse um analista ligado ao Kremlin ao Defense News. Ele falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar publicamente sobre o assunto.

O mercado vietnamita

O Vietnã é outro país que desempenha um papel importante na cooperação militar russa na região. Em 2019, Hanói comprou 12 jatos russos Yak-130 por US$ 350 milhões. O país continua entre os maiores compradores de armas russas, e o então vice-diretor da Rosoboronexport, Alexander Mikhyev, que agora é o diretor-geral, disse na época que “apesar da competição crescente, nossos modelos ainda são uma prioridade”.

Mas especialistas do Valdai Discussion Club, um think tank de política externa ligado ao governo, descobriram em 2019 que a Rússia “está gradualmente perdendo sua posição de quase monopólio no mercado de armas vietnamita” devido à concorrência de países da União Europeia e Israel. Os especialistas recomendaram que a Rússia fornecesse uma “política de preços mais flexível” e aumentasse a qualidade do serviço pós-venda.

Sinais de cooperação

Enquanto isso, em Mianmar, onde os militares recentemente depuseram o governo civil e centenas de pessoas foram mortas em meio aos protestos, há sinais de cooperação militar com a Rússia; isso, apesar do Ministério das Relações Exteriores da Rússia expressar “preocupação” com a situação.

O vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, visitou o país em fevereiro e participou de um desfile militar organizado pelos líderes da junta. Fomin supervisiona a cooperação técnico-militar no ministério. Anteriormente, ele liderou o Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar.

Em janeiro, um mês antes do golpe militar, o governo de Mianmar assinou um contrato com a Rússia para a compra de drones Orlan-10, sistemas antiaéreos Pantsir e sistemas de radar. Os dois países não assinaram contratos adicionais desde então.

Malásia e Indonésia

Na Malásia, as relações russas continuam a sofrer desde 2018, quando autoridades malaias reclamaram à Rússia de que estavam enfrentando problemas técnicos com 18 jatos Su-30MKM comprados em meados de 2000. Por enquanto, Kuala Lumpur não planeja comprar jatos militares adicionais da Rússia até 2030.

Barabanov, do think tank CAST, disse ao Defense News que a Malásia provavelmente teme fazer grandes compras de aeronaves da Rússia devido aos problemas do Su-35 com a Indonésia. Por sua vez, a Indonésia estava considerando comprar os jatos russos, mas a mídia ocidental informou que a ilha-nação está recuando devido à pressão americana.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Barabanov descreveu a Malásia e a Indonésia como parceiros “instáveis” para a Rússia devido à sua “mudança constante de orientações e extrema variação do equipamento militar”.

Jacarta e Moscou haviam planejado assinar uma declaração para uma parceria estratégica, o que teria aumentado os laços militares, o plano foi cancelado como consequência da pandemia covid-19.

De acordo com estatísticas do Serviço Federal de Alfândega da Rússia, citadas pela organização de mídia russa RBC, as vendas de armas russas caíram 15,6% em 2020 em relação ao ano anterior.

União desnecessária

Em comparação com outras relações regionais, a cooperação militar sino-russa parece descomplicada. A China é o segundo maior cliente estrangeiro de armas russas, depois da Argélia. Mas a pandemia afetou as vendas militares a Pequim, disse Fomin à agência de notícias governamental Rossiyskaya Gazeta.

Ambos os países “realizam intercâmbios tecnológicos” na esfera militar, disse o presidente russo Vladimir Putin em outubro de 2020. Mas, embora tenha dito que poderia “teoricamente” imaginar uma união militar entre China e Rússia, os dois países “não precisam disso”.

Andrei Bezrukov, da Universidade MGIMO, professor e ex-oficial da inteligência russa, disse em março em um programa de televisão local que algumas elites russas não querem ver uma união estreita com a China. Dmitry Kosyrev, um especialista independente em China, disse que o professor provavelmente estava se referindo a russos pró-ocidentais.

Ecoando os comentários de Bezrukov, Kosyrev chamou as relações militares sino-russas de “aliança sem obrigações”. Ele observou que a natureza de sua cooperação militar bilateral mudou drasticamente ao longo dos anos.

“Na década de 1990, nosso complexo militar-industrial estava usando a China para sobreviver”, disse ele. “Mas hoje estamos cooperando em coisas estratégicas. Não temos medo de que as armas que vendemos para a China possam ser usadas contra nós”.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também