China lança módulo chave da estação espacial planejada para 2022

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Visitantes perto de tela gigante com imagens da estação espacial Tianhe em exposição que mostra o desenvolvimento da exploração espacial chinesa no Museu de Ciência e Tecnologia da China em Pequim (Foto: Tingshu Wang/Reuters).

Visitantes perto de tela gigante com imagens da estação espacial Tianhe em exposição que mostra o desenvolvimento da exploração espacial chinesa no Museu de Ciência e Tecnologia da China em Pequim (Foto: Tingshu Wang/Reuters).

A China lançou um módulo não tripulado na quinta-feira contendo o que se tornará o alojamento de três tripulantes em uma estação espacial permanente que planeja concluir até o final de 2022, informou a mídia estatal.

O módulo, denominado “Tianhe” (“Harmonia dos Céus”), foi lançado no Longa Marcha 5B, o maior foguete da China, às 11h23 (0323 GMT) do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang, na ilha de Hainan.

Tianhe é um dos três principais componentes do que seria a primeira estação espacial autodesenvolvida da China, rivalizando com a única outra estação em serviço – a Estação Espacial Internacional (ISS).

A ISS é apoiada pelos Estados Unidos, Rússia, Europa, Japão e Canadá. A China foi impedida de participar pelos Estados Unidos.

“(Tianhe) é um projeto piloto importante na construção de uma nação poderosa tanto em tecnologia quanto no espaço”, disse a mídia estatal citando o presidente Xi Jinping em um discurso de congratulações.


LIVRO RECOMENDADO:

Crônicas espaciais: Rumo à última fronteira

  • Neil deGrasse Tyson (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Tianhe é o principal alojamento de três membros da tripulação na estação espacial chinesa, que terá uma vida útil de pelo menos 10 anos. O lançamento do Tianhe foi a primeira das 11 missões necessárias para completar a estação espacial, que orbitará a Terra a uma altitude de 340 a 450 km (211-280 milhas).

Nas missões posteriores, a China lançará os outros dois módulos principais, quatro naves espaciais tripuladas e quatro naves espaciais de carga. O trabalho no programa da estação espacial começou há uma década com o lançamento de um laboratório espacial Tiangong-1 em 2011 e, posteriormente, Tiangong-2 em 2016. Ambos ajudaram a China a testar as capacidades de encontro espacial e acoplamento do programa.

A China pretende se tornar uma grande potência espacial até 2030. Ela intensificou seu programa espacial com visitas à Lua, o lançamento de uma sonda não tripulada para Marte e a construção de sua própria estação espacial. Em contraste, o destino do envelhecimento da ISS – em órbita há mais de duas décadas – permanece incerto.

O projeto está previsto para expirar em 2024, impedindo o financiamento de seus parceiros. A Rússia disse neste mês que abandonaria o projeto a partir de 2025.

A Rússia está aprofundando seus laços com a China no espaço, à medida que aumentam as tensões com Washington. Moscou rejeitou o programa de exploração lunar de Artemis liderado pelos EUA e, em vez disso, escolheu se juntar a Pequim na criação de um posto avançado de pesquisa lunar nos próximos anos.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também