Piloto da FAB realiza treinamento intenso para voar o Gripen Brasileiro

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O novo caça da FAB, F-39 Saab Gripen E (Foto: Saab).

O novo caça da FAB, F-39 Saab Gripen E (Foto: Saab).

Enquanto o Gripen Brasileiro realiza testes no Centro de Ensaios em Voo do Gripen na Embraer (GFTC, do inglês Gripen Flight Test Centre), em Gavião Peixoto (SP), os pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB) seguem a preparação na Suécia para pilotar o novo vetor da Aeronáutica. A primeira fase do curso, chamada de Conversion Training, é realizada em Linköping e tem como foco ajustes dos equipamentos de voo do piloto e exercícios de exigência física extrema.

Em 2020, o major-aviador Abdon de Rezende Vasconcelos, piloto de provas da FAB, foi o primeiro a receber o treinamento do Gripen C/D e o de conversão para o Gripen E. A capacitação começou em agosto do ano passado, e o treinamento prático com o caça seguirá, ao menos, até o fim do primeiro semestre de 2021.

Antes de subir no cockpit da aeronave, o piloto passou por uma série de exercícios teóricos e recebeu preparação do equipamento necessário. Para se ter uma ideia, o primeiro dia do curso foi dedicado a ajustes no equipamento pessoal, como macacão de voo, equipamento anti-G, botas, máscara de oxigênio e capacete. Foi um processo meticuloso para garantir que tudo se encaixasse perfeitamente no piloto.

No dia seguinte, o cenário da preparação foi o Centro Fisiológico de Voo da Qinetics, localizado em Malmslätt, Linköping. Lá, ele passou por treinamento na centrífuga 9G, um dos requisitos fundamentais para a pilotagem do Gripen. Antes da prática, o capitão Johan Ekblad ensinou ao aviador como respirar e se preparar para suportar as enormes forças que colocariam seu corpo e mente em teste.

Após a aula teórica, o major Abdon foi direcionado à centrífuga, acompanhado por especialistas e um médico. Nela, as forças G foram aumentadas aos poucos para que ele praticasse suas novas habilidades. Quando atingiu 8G, o major optou por aguentar até 30 segundos – um longo tempo para esse tipo de força –, e após alguns minutos de descanso, retomou para a última sessão, a de 9G. Nessa etapa ele permaneceu por 15 segundos, sem qualquer problema, sendo aprovado ao final do período – e aliviado por ter vivenciado esse teste.

“Foi a primeira vez que eu fiz esse tipo de treinamento. Foi muito importante porque aprendi e apliquei técnica correta para a manutenção dos 9G. Eu tenho certeza que isso será necessário durante a operação da aeronave”, disse o aviador.

O major recebeu ainda uma instrução sobre os procedimentos de aterragem após uma ejeção. “Pude relembrar alguns procedimentos e aprender outros utilizados aqui na Suécia no caso de uma ejeção para um pouso seguro”, afirmou o piloto.

O segundo dia de curso foi concluído com um treinamento teórico e prático de sobrevivência no mar. Houve um simulado dentro de uma piscina, com ondas, tempestade e tempo noturno. Ele recebeu orientações diversas sobre todos os procedimentos necessários caso ocorra uma aterragem dentro da água.

O treinamento sobre hipóxia, ou seja, a falta de oxigênio, ocorreu no terceiro dia, com uma aula teórica de preparação para que o piloto pudesse aprender como seu corpo é afetado pela falta de oxigênio.

“A redução do oxigênio para o cérebro resulta em perda da realidade e deterioração da capacidade mental. Algumas tarefas muito fáceis devem ser realizadas durante um fornecimento decrescente de oxigênio. As tarefas tornam-se cada vez mais difíceis de executar. Neste exercício o objetivo é aprender sobre você e os sinais que seu corpo pode dar em caso de falta de oxigênio para que se tome as medidas necessárias a tempo”, explicou.

Após os três dias de intenso treinamento, o major Abdon foi aprovado. “Todos os instrutores me receberam muito bem e transmitiram muito conhecimento sobre como operar a aeronave no dia a dia. A experiência é extremamente valiosa para mim como piloto e representante da Força Aérea Brasileira”, afirmou.

Confira no vídeo abaixo como foi na prática o período inicial de treinamentos do major Abdon.



Fonte: Saab.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também