EUA e Irã realizam primeiras negociações indiretas na tentativa de salvar acordo nuclear

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Instalações nucleares de água pesada de Arak, perto de Teerã (Foto: Hamid Foroutan/AP).

Instalações nucleares de água pesada de Arak, perto de Teerã (Foto: Hamid Foroutan/AP).

Os EUA e o Irã estão mantendo negociações indiretas nesta terça-feira no que poderia ser o primeiro passo para reviver o acordo de 2015 que restringe as instalações nucleares de Teerã em troca de sanções.

As reuniões, sediadas na União Europeia, trabalharão em direção a dois acordos separados sobre como os EUA e o Irã podem voltar a cumprir os termos do acordo.

O ex-presidente Donald Trump retirou-se do acordo em 2018, impondo sanções rígidas dos EUA à economia e ao governo do Irã. Em resposta, o governo iraniano começou a violar as restrições ao seu programa nuclear, agora enriquecendo mais urânio, em níveis mais elevados e com mais – e mais avançadas – centrífugas.

Embora ambos os lados tenham minimizado as reuniões de terça-feira, isso pode marcar o início de um rápido retorno ao acordo, que viu o Irã concordar com inspeções internacionais e certas restrições em seu programa nuclear. Em troca, as sanções foram levantadas pelas Nações Unidas, pelos EUA e as outras potências mundiais que o assinaram – Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China.

Mas, especialmente em meio à forte pressão em Washington e de aliados regionais como Israel, um acordo nuclear renovado ainda deixaria um longo caminho pela frente para o governo Biden, que busca “alongar e fortalecer” o acordo original, inclusive abordando o apoio do Irã às forças “de procuração” em toda a região e seu programa de mísseis balísticos.

“Não subestimamos a escala dos desafios que temos pela frente. Estes são os primeiros dias. Não prevemos um avanço precoce ou imediato”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, na segunda-feira – antes de chamar as negociações indiretas de “um saudável passo à frente”.

O enviado especial dos EUA para o Irã, Rob Malley, chefiará a delegação, que se reunirá com homólogos europeus, chineses e russos. A delegação do Irã terá suas próprias reuniões em separado com essas equipes, que juntas constituem os membros restantes do acordo.

Embora não haja um encontro face a face planejado com o Irã, os EUA ainda “permanecem abertos” para isso, de acordo com Price. Os EUA se ofereceram para se encontrar com os iranianos em fevereiro, mas as tentativas por meio de aliados europeus foram rejeitadas pelo governo iraniano.

Na semana passada, o Ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, tuitou que uma reunião presencial era “desnecessária”. O Irã pediu que os EUA ajam primeiro no retorno ao acordo, já que Trump foi o primeiro a violá-lo, recusando-se a se encontrar com os americanos até que o governo dos EUA comece a suspender as sanções – enquanto Biden prometeu manter as sanções até o retorno do Irã ao cumprimento.

“O que é promissor sobre as negociações de Viena é que parece haver um entendimento agora por parte do governo Biden e dos iranianos de que nenhum dos lados cederá primeiro. Pode parecer semântico, e talvez seja. Mas acho que o que temos é pelo menos o germe de um processo pelo qual ambos os lados podem dizer que estamos nos movendo simultaneamente, ambos os lados podem evitar conversações diretas e montar um roteiro para o futuro”, disse Suzanne DiMaggio, pesquisadora sênior do Carnegie Endowment for International Peace, um think tank com sede em Washington.

As negociações começam na terça-feira em Viena, capital da Áustria, onde grande parte da diplomacia em torno do acordo original aconteceu. Embora estejam programados para durar um dia, isso pode se estender, especialmente se os “grupos de trabalho” separados fizerem progresso e trouxerem especialistas técnicos para finalizar os detalhes sobre a conformidade entre o Irã e os EUA.

Não será uma tarefa fácil. Restam questões críticas, incluindo a rapidez com que o Irã pode desmontar as centrífugas avançadas que agora estão operando, como reduzirá seu estoque de urânio enriquecido e o que fazer a respeito de seus ganhos em pesquisa e desenvolvimento, uma vez que violou os termos do acordo.

Do lado dos EUA, há questões em torno de quais sanções o governo Biden vai suspender, depois que o governo Trump sancionou centenas de companhias, autoridades, setores econômicos e empresas e agências estatais iranianas.

O Irã pediu que todas as sanções da era Trump sejam removidas, dizendo que eles violaram o acordo. Mas o Departamento de Estado indicou na segunda-feira que só retirará aquelas relacionados ao programa nuclear iraniano.

“Certamente não aceitaremos gestos unilaterais ou concessões para trazer o Irã – para induzir o Irã a uma posição melhor”, disse Price durante a coletiva de imprensa diária do departamento. “Continuaremos a ser guiados pelo que o JCPOA original exigia, que são as sanções nucleares.”

Mas a Press TV, uma mídia estatal iraniana, informou que Malley e a delegação dos EUA “deixarão Viena de mãos vazias se a reunião de terça-feira resultar em qualquer coisa que não seja a remoção de todas as sanções dos EUA”, citando “uma fonte próxima a equipe de negociação iraniana”.

Fonte: ABC News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também