China apoiará mediação da ASEAN na crise de Mianmar

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (Foto: Anadolu).

Foto: Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (Foto: Anadolu).

A China disse na quinta-feira que apóia a ideia de que os líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) realizem uma “reunião especial o mais rápido possível para mediar” em Mianmar, que está testemunhando manifestações em massa contra o golpe militar lançado no último dia 1º de fevereiro.

“Mianmar é membro da família ASEAN e vizinho próximo da China. Todos nós esperamos que diferentes forças em Mianmar possam iniciar um diálogo o mais rápido … para resolver divergências sob a estrutura da lei e da constituição e promover a democratização conquistada a duras penas”, disse Wang Yi, Ministro das Relações Exteriores da China, em entrevista coletiva ao lado do Ministro das Relações Exteriores da Malásia, Hishammuddin Hussein, na cidade chinesa de Nanping.

A China apóia os líderes da ASEAN a esse respeito, segundo o jornal chinês Global Times, citando Wang Yi. Mianmar faz parte da ASEAN, um grupo regional de 10 nações, incluindo a Malásia, no sudeste da Ásia que promove cooperação econômica, política e de segurança.

“Todos nós acreditamos que a comunidade internacional deve criar um bom ambiente para a política interna de Mianmar com base no princípio da não interferência, em vez de interferir nos assuntos internos de Mianmar”, acrescentou Wang.

Pelo menos 536 pessoas foram mortas na repressão contra os manifestantes pró-regime civil pelas forças da junta desde a tomada militar de 1º de fevereiro em Mianmar, de acordo com os últimos dados de um órgão de defesa dos direitos humanos na quinta-feira.

O Tatmadaw – nome oficial dos militares birmaneses – logo após o golpe anunciou um estado de emergência de um ano, além de estabelecer um conselho para administrar os assuntos do país de maioria budista.

A China foi acusada de apoiar a junta militar de Mianmar. No entanto, Pequim rejeitou a reclamação. “A China ficou muito decepcionada com a ação militar em Mianmar, mas não pode interferir. Eles [chineses] tinham relações muito boas com a autoridade civil e estavam muito felizes com o avanço da estabilidade e da prosperidade econômica lá”, disse Einar Tangen, analista político e político de Pequim, à Agência Anadolu em uma entrevista virtual.

Ele acrescentou que a China “não está feliz com o que aconteceu com os Rohingya” – a minoria muçulmana perseguida em Mianmar. Einar disse que é política da China não interferir nos assuntos internos de países soberanos. “Mas você pode ver isso claramente, a China não está feliz”, acrescentou.

Ele disse que apesar de toda a “enxurrada de acusações”, incluindo sobre Covid-19, “todo o dinheiro está se movendo para a China, os investimentos estão subindo e as pessoas estão comprando títulos chineses por causa da estabilidade da moeda e por ser um governo previsível. Os EUA estão sofrendo em termos de comparação”.

Fonte: Agência Anadolu.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também