Marinha da Rússia aposta em novos navios de guerra menores carregados com mísseis

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa-Admiral-Gorshkov-Zircon

Fragata Almirante Gorshkov lança míssil de cruzeiro hipersônico Zircon no Mar Branco em 7 de outubro de 2020 (Foto: Serviço de Imprensa do MD russo via AP).

A Marinha russa está intensificando as operações no Ártico, expandindo sua presença na África e no Oriente Médio e mantendo um olhar atento sobre a OTAN em toda a Europa.

Também está progredindo em uma série de projetos de construção naval de alto nível. Ela planeja comissionar ou receber seis novos submarinos – três deles com propulsão nuclear – até o final deste ano e espera receber um cruzador de batalha nuclear da classe Kirov totalmente modernizado e iniciar testes de mar para seu único porta-aviões até o final de 2022.

Esses são avanços impressionantes para uma força que, em grande parte, caiu em ruínas após a Guerra Fria. Embora a Marinha russa não seja tão grande quanto sua antepassada soviética, o trabalho mostra que o Kremlin está se comprometendo com sua modernização.

Dilapidação pós-guerra fria

A Marinha Soviética era uma força de águas azuis considerável no final da Guerra Fria, totalizando cerca de 650 navios em 1990. A Marinha dos Estados Unidos tinha 570 navios em serviço naquela época.

Essa frota soviética incluía sete porta-aviões, 73 cruzadores de mísseis guiados e destróieres e até 260 submarinos, embora alguns desses navios não tivessem capacidade de combate e foram contados para aumentar o número da frota.

A Rússia herdou o grosso da frota soviética após a dissolução da URSS, mas não podia se dar ao luxo de operar a maior parte dela. Moscou manteve alguns dos navios maiores e mais sofisticados, mas acabou descartando 70% dos navios soviéticos.

A Marinha da Rússia entrou em um período de abandono e dilapidação após a Guerra Fria, com acidentes mortais manchando ainda mais seu prestígio. Em 2000, o submarino nuclear Kursk explodiu e afundou, matando todos os 118 tripulantes. Em 2016, avarias a bordo de seu único porta-aviões, o Almirante Kuznetsov, causaram a perda de dois jatos e forçaram toda a sua ala aérea a operar em terra. O porta-aviões continua a enfrentar problemas durante sua remontagem, com vários acidentes resultando em mortes e mais danos.

Esses incidentes sublinham outro problema crítico para a Marinha da Rússia: a falta de experiência e estaleiros adequados após quase duas décadas de abandono. A perda de acesso aos estaleiros navais ucranianos e aos conhecimentos especializados, especialmente após as incursões da Rússia na Ucrânia em 2014, causou mais problemas.

Novos navios, novos recursos

Hoje, a Marinha Russa opera cerca de 360 ​​navios de todos os tipos. Grandes cruzadores e destróieres com mísseis guiados foram amplamente substituídos por navios de guerra menores, como corvetas e fragatas.

“Basicamente, eles estão construindo submarinos e pequenos combatentes de superfície”, disse Mark Cancian, consultor sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais e ex-coronel do Corpo de Fuzileiros Navais. “Isso representa principalmente uma força de defesa doméstica, embora eles mantenham alguma capacidade de enviar forças para o exterior.”

Corvetas como as das classes Karakurt e Stereguschiy destinam-se a apoiar fragatas de mísseis guiados maiores, a saber, a classe Almirante Gorshkov e a classe Almirante Grigorovich.

Muitos desses navios são menores em tamanho e armamento do que seus homólogos da OTAN, mas novas tecnologias e armamentos, especialmente o míssil de cruzeiro Kalibr, que foi introduzido em 2015, lhes dão uma vantagem.

Comparável ao Tomahawk dos EUA, o Kalibr pode carregar uma ogiva de 450 kg para alvos de 1.500 a 2.500 km de distância. O Kalibr provou repetidamente seu valor nos navios e submarinos da Rússia, principalmente contra alvos terrestres na Síria. Também pode ser usado contra alvos navais.

O resultado é uma força naval de águas verdes com dezenas de pequenos navios carregados de mísseis com capacidade de ataque de longo alcance em seu núcleo. Os navios legados de alta tecnologia da Rússia também continuam a exibir a bandeira ao redor do mundo, um lembrete de que Moscou ainda é uma grande potência naval.

“O fato de os russos estarem construindo muitos navios menores, mas ainda com essas munições guiadas de precisão de longo alcance, realmente beneficia essa abordagem”, disse Jeffrey Edmonds, um cientista pesquisador do Center for Naval Analysis. “Você pode ter navios no Mar Cáspio capazes de atingir alvos na Europa, e muitos deles são bastante pequenos, portanto não são difíceis de produzir e não são caros.”

Submarinos

Como seu predecessor soviético, a verdadeira força da Marinha russa está debaixo d’água. A força de submarinos da Rússia é agora de 59 embarcações, incluindo 12 submarinos de mísseis balísticos movidos a energia nuclear (SSBN) e nove submarinos de mísseis de cruzeiro movidos a energia nuclear (SSGN).

A Rússia não adotou alternativas menores e mais baratas para sua frota de submarinos – em grande parte por causa da importância das armas nucleares para a doutrina de defesa russa e o papel que os submarinos têm em seu lançamento.

Os estrategistas militares russos também consideram os submarinos uma das melhores armas para derrotar a Marinha dos EUA. Por sua vez, os oficiais da US Navy tomaram conhecimento da capacidade de expansão da frota de submarinos russos.

A frota de submarinos do futuro será baseada em SSBN classe Borei e SSGN classe Yasen, que estão substituindo lentamente seus antecessores. Construídos após a Guerra Fria, eles são considerados os melhores submarinos que a Rússia já fez e navios de primeira classe par a par com seus homólogos da OTAN.

Os submarinos da classe Borei possuem seis tubos de torpedo e carregam 16 novos mísseis balísticos lançados por submarino Bulava RSM-56. Cada míssil carrega de seis a 10 ogivas nucleares de 150 quilotons e pode viajar cerca de 8.000 km.

Os submarinos da classe Yasen têm 10 tubos de torpedo e oito lançadores de mísseis verticais, permitindo o lançamento de 32 mísseis anti-navio Kalibr ou 24 P-800 Oniks. A classe Yasen já provou que é capaz de escapar da detecção da OTAN por longos períodos.

A Rússia tem quatro SSBN Borei e um SSGN Yasen em serviço. Espera ter 10 Borei e pelo menos nove Yasen até 2030.

Um novo exército russo

A Marinha russa está equipando todos os seus navios com mísseis Kalibr e planeja colocar o míssil hipersônico Zircon, que ainda está sendo testado, em submarinos e navios de superfície. O Zircon, capaz de atingir velocidades de até Mach 8, aumentará ainda mais a frota.

Os novos investimentos e desenvolvimentos são apenas uma parte de um esforço mais amplo para modernizar as forças armadas russas. “Houve um tremendo ajuste de contas após a decepcionante exibição dos militares russos contra a Geórgia em 2008, e eles passaram por uma grande reorganização”, disse Cancian.

Os russos reduziram sua força com a intenção de torná-la uma força de maior qualidade e mais profissional, com equipamentos mais modernos.

Para a Marinha, isso significou reestruturar a frota, priorizando a qualidade em vez da quantidade, na medida do orçamento e da capacidade de construção naval. Com o novo armamento, a frota agora tem um papel maior e mais importante na estratégia de defesa da Rússia.

“Em certo sentido, a Marinha está agora mais integrada à estrutura estratégica da Rússia, que eles chamam de ‘dissuasão estratégica'”, disse Edmonds, observando que a ameaça de navios de guerra equipados com Kalibr permite à Rússia ameaçar infraestruturas críticas em praticamente toda a Europa .

Existem sérios obstáculos – a falta de experiência e infraestrutura são os maiores desafios para a construção naval – mas a Rússia está empenhada em superá-los. É improvável que sua Marinha alcance o tamanho da frota soviética, mas desenvolvimentos recentes mostram que ela não é mais a força dilapidada que era na década de 1990.

“As engrenagens podem estar girando lentamente, mas estão girando de novo”, disse Edmonds no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em 2019. “Eles estão chegando lá.”

Fonte: Business Insider.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também