O Berço do Projeto de Nação

B-Top-720x75px-V-Unit.jpg

Gen-Rocha-Paiva Por Gen Bda Luiz Eduardo Rocha Paiva*

Baixar-PDF

Capa-PDF.jpg
General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas

Logo-VG-500px.png“O Brasil é uma nação sem consciência da sua própria grandeza e das riquezas presentes em seu território [–] refletindo ainda [a] ausência de um projeto nacional”.

General de Exército Villas Bôas – 22 de junho de 2017


Em 4 de dezembro do corrente, houve o lançamento do Instituto General Villas Bôas (IGVB), em Brasília, em cerimônia com a presença de autoridades dos três Poderes da União, empresários e representantes da sociedade civil.

O Instituto será uma associação civil, de caráter privado e social, apartidário e sem fins econômicos, concebido com base em três pilares – Acervo do General Villas Bôas, Tecnologias Assistivas e Projeto Nacional.

O primeiro pilar será a guarda e conservação do acervo do General Villas Bôas, um rico material sobre geopolítica, estratégia, liderança e doutrina militar. Terá um repositório da vida e da carreira profissional do ilustre chefe militar, que construiu exemplos de autoridade moral, patriotismo, civismo, liderança e senso de responsabilidade política e social para com o Brasil, sendo um dos fiadores da paz interna nos conturbados anos da política nacional, de 2015 a 2018.

O segundo pilar – Tecnologias Assistivas – vai estimular e participar do debate acerca do desenvolvimento, acesso e popularização de novas tecnologias e inovações voltadas para a melhoria da saúde pública no Brasil. Pretende contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com necessidades especiais e visa favorecer o pleno exercício de sua cidadania, por meio da ampliação e manutenção do acesso ao mercado profissional. Promoverá discussões e estudos sobre os direitos, possibilidades e capacidades disponíveis às pessoas com qualquer tipo de deficiência, com o objetivo de universalizar o acesso a todos os atores que contribuam com a plena cidadania.

LIVRO RECOMENDADO:

Debret e o Brasil

  • Julio Bandeira, Pedro Corrêa do Lago (Autores), Antonio Pedro Goulart, Flavio Lara (Tradutores)
  • Em inglês
  • Versões Capa Dura, Capa Comum e Livro Didático

Finalmente, o terceiro pilar contempla um antigo anseio do General Villas Bôas, compartilhado com muitos dos seus pares das Forças Armadas, corroborado, também, por amplos segmentos da sociedade – um Projeto de Nação. Assim se batizou a sonhada Grande Estratégia Brasileira, algo que só existiu em algumas oportunidades, mas sem continuidade, nas três décadas após a Segunda Guerra Mundial. O Projeto terá a finalidade de, por meio de suas propostas, criar condições favoráveis ao Estado para cumprir seu papel de facilitador, e não gestor, do desenvolvimento responsável e contínuo, garantidor de uma segurança efetiva para o Brasil e fiador do bem-estar e da paz social, tudo isso visando proporcionar a justa felicidade ao povo brasileiro.

O Projeto de Nação – a Grande Estratégia Nacional – irá propor:

  • Uma saudável visão de futuro ao país; os objetivos políticos do Estado, decorrentes do constante na Constituição Federal de 1988;
  • Os rumos gerais a serem trilhados nos campos político, econômico, militar, científico-tecnológico e psicossocial, que abarcam os objetivos; e,
  • As diretrizes estratégicas aos setores do Estado, enquadradas nos rumos gerais e orientadas aos objetivos políticos.

Para cumprir tal roteiro e garantir a gestão estratégica, que assegure uma governança efetiva, o Projeto de Nação vai propor modelos gerais, porém flexíveis, de construção de cenários, elaboração de planejamento estratégico e orientações para sua implementação.

Como sempre defendeu o General Villas Bôas, um Projeto de Nação só será possível se a nação se mantiver disposta a superar o quadro de corrupção endêmica, a degradante impunidade e a lógica da predominância do conflito sobre o debate respeitoso de ideias. São desafios que requerem perseverança, firmeza e intolerância cívica na luta pela higienização moral da sociedade e da liderança nacional, em todos os segmentos. Será preciso, ainda, cicatrizar a ferida aberta que compromete a coesão interna, fruto da luta ideológica com suas injustificáveis e ilegítimas intolerâncias ao contraditório nos temas e debates políticos e sociais e na administração de muitos setores da vida nacional.

A virtude está no centro. Os extremos são viciosos, como sempre disseram os filósofos e sábios. O centro político é democrático e liberal na economia, mas assume a responsabilidade social com os mais necessitados. É, também, conservador e evolucionista, mas não imobilista no tocante a costumes e tradições.

Villas Bôas certa vez disse: “Façam o país que vocês desejam, vocês idealizam e vocês merecem”. Como condutor de corações e mentes, que sempre foi, ele se apresenta, com o Instituto que leva o seu nome, para seguir conosco nessa nobre e dignificante empreitada.

Banner-loja-02.jpg


*Luiz Eduardo Rocha Paiva é general-de-brigada , aspirante a oficial pela AMAN em 1973 e promovido a general-de-brigada 2003. Entre seus muitos altos estudos, possui doutorado, mestrado e pós-graduação pela ECEME, ESAO e FGV. Estagiou na 101ª Air Assault Division, do Exército dos EUA, foi Observador Militar da ONU em El Salvador e fez o Curso de Estado-Maior na Escola Superior de Guerra do Exército Argentino. Comandou o 5º Batalhão de Infantaria Leve (Regimento Itororó), em Lorena/SP, quando cumpriu missão de pacificação em conflito entre o MST e fazendeiros no sul do Pará, em 1998. Foi Chefe da Assessoria Especial do Gabinete do Comandante do Exército, comandou a ECEME e foi Secretário-Geral do Exército. É Professor Emérito da ECEME, membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e colaborador do Centro de Estudos Estratégicos do Exército. Recebeu diversas condecorações e medalhas nacionais e estrangeiras e publica artigos sobre temas políticos e estratégicos em jornais e revistas nacionais e estrangeiras.


Apoie o VG e ganhe um PDF sobre a Amazônia!

Ajude a manter o Velho General! O apoio financeiro ajuda a cobrir despesas com hospedagem de site, Internet, passagens e hospedagens na cobertura de matérias, assinaturas, livros, etc. A contribuição é única, não mensal. Contribua com quantas cotas quiser e ganhe um PDF com os artigos sobre a Amazônia, organizado com capa e índice! O Velho General agradece a sua contribuição!

R$5,00


 

5 comentários sobre “O Berço do Projeto de Nação

  1. Bela atitude. Precisamos de mais ações como esta que valorizem o histórico da “persona”, da geopolítica, da história da nação e das ações futuras.

    Esse tipo de ação é corriqueiro em países como EUA.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s