Notas históricas sobre o uso do Poder Aéreo como Arma de Interdição (Parte I, Guerra Aérea Contra a Alemanha)

B-Top-720x75px-ADG.jpg

Albert-VF1 Traduzido e adaptado para o português por Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF

Capa-PDF.jpg

A Catedral de Colônia permanece relativamente intacta (embora tenha sido atingida várias vezes), enquanto toda a área ao redor é completamente devastada. Colônia, Alemanha, 24 de abril de 1945 (Foto: US Army).


Este Relatório de Inteligência foi preparado pela CIA com o intuito de avaliar ações de interdição aérea para a Guerra do Vietnã, que estava em curso. O relatório faz uma análise dos resultados da guerra aérea contra a Alemanha e o Japão na Segunda Guerra Mundial e contra a Coréia do Norte na Guerra da Coréia, na década de 1950. Por ser um relatório extenso, dividimos sua publicação em três partes. Neste artigo, publicamos a primeira, a Guerra Aérea contra a Alemanha.


Prefácio*

Antes das operações atuais no Vietnã, os Estados Unidos estiveram envolvidos em três guerras nas quais o poder aéreo desempenhou um papel importante como meio de conduzir uma guerra ofensiva. Este relatório resume o papel do poder aéreo nas guerras aéreas contra a Alemanha, o Japão e a Coréia do Norte.

A análise das guerras aéreas contra a Alemanha e o Japão trata em termos gerais os efeitos econômicos mais abrangentes da campanha, com um tratamento um pouco mais detalhado dos ataques ao sistema de transportes.

A guerra aérea contra a Coréia é mais similar à que está sendo realizada no Vietnã do Norte. Por esse motivo, esta é examinada em mais detalhes para avaliar as tentativas de interditar o sistema de transportes da Coréia do Norte.

*Este relatório foi preparado pelo Escritório de Pesquisa e Relatórios; as estimativas e conclusões representam o melhor julgamento da Diretoria de Inteligência em 15 de abril de 1968.

I. A Guerra Aérea contra a Alemanha

A. A Economia Alemã

A economia de guerra alemã se beneficiou enormemente do aumento da atividade industrial entre 1933 e 1939. Enquanto a Inglaterra e os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial com um nível substancial de desemprego, a força de trabalho alemã estava totalmente empregada em 1939. Seis anos de aumento da produção (1934-39) significaram que foram feitos investimentos significativos na expansão das instalações fabris, tanto na indústria pesada quanto na produção de armamento. Um resultado foi que a indústria de armamento alemã, com poucas exceções, trabalhou em turnos únicos ao longo da guerra e a grande capacidade de reserva disponível em operações de turno duplo ou triplo não apenas proporcionou flexibilidade considerável, mas também amorteceu os efeitos dos ataques aéreos aliados. Em 1938, aproximadamente 30% do produto nacional já era dedicado às despesas de guerra, e esse nível subiu lentamente até que, no final de 1944, aproximadamente 50% do produto nacional era canalizado para os propósitos da guerra.

Untitled-1.jpg LIVRO RECOMENDADO:

A Ofensiva Aérea contra a Alemanha

  • Editora abril (Autor)
  • Em português
  • Capa dura

A produção de bens de consumo civil, após as restrições dos primeiros anos da guerra, foi razoavelmente bem mantida, de modo que os padrões de vida se mantiveram confortavelmente acima dos níveis dos anos de depressão do início da década de 1930.

A dependência da Alemanha de matérias-primas importadas sempre foi vista como uma fraqueza clássica em tempos de guerra. O plano quadrienal de 1938 visava, em parte, a superar as mais graves, principalmente por meio da expansão da produção de óleo sintético, têxteis e borracha. No entanto, a Alemanha importou porcentagens bastante substanciais de minério de ferro, cobre, manganês e outros metais. Em parte como resultado da tomada de fontes de suprimento da Europa Ocidental e em parte como resultado de substituição, a Alemanha conseguiu até 1944 evitar restrições sérias de escassez de material de guerra importado. Os alemães descobriram que o consumo de muitos materiais, como o cobre, tradicionalmente considerado essencial para a produção de armamentos, poderia ser drasticamente cortado sem afetar a qualidade ou a usabilidade do produto final.

Embora o suprimento de energia elétrica tenha sido apertado no início da guerra, o racionamento e a restrição de usos não essenciais permitiram que a prioridade fosse atendida até 1944. Durante esse ano, alguns dos principais consumidores industriais, como produtores de alumínio, foram periodicamente privados de energia de forma temporária.

Em resumo, a economia alemã mostrou-se surpreendentemente capaz de suportar ataques significativos e ainda aumentar a produção de munições até o peso do bombardeio aliado aumentar para aproximadamente 300 mil toneladas por trimestre, o que não ocorreu até o final de 1944.

FIGURA-1.jpg

Figura 1 – Efeito do bombardeio aliado na produção de munições alemãs (Imagem: documento original)

B. Efeitos Econômicos Globais dos Bombardeios

Durante 1942 e 1943, os efeitos gerais dos ataques aéreos na economia alemã foram pequenos. A Pesquisa de Bombardeios Estratégicos dos EUA estimou que o total das perdas de produção de armamento alemão resultante de ataques aéreos realizados em 1943 não era superior a 3 a 5 por cento, embora os ataques exigissem que os alemães utilizassem algumas de suas reservas.

Nos primeiros quatro meses de 1944, as forças aéreas dos EUA concentraram seus esforços nas fábricas de aeronaves e de rolamentos anti-fricção. A vulnerabilidade desses alvos se mostrou menor do que o esperado. Em maio e junho de 1944, o peso dos ataques à Alemanha foi reduzido devido ao desvio de grande parte das forças aéreas aliadas para a preparação da invasão de seis de junho. A ofensiva aérea que começou mais tarde, começando com ataques às instalações de petróleo e nitrogênio e continuando contra o sistema de transporte alemão, alcançou resultados mais visíveis. Antes do final de 1944, a produção de gasolina de aviação e nitrogênio haviam caído 90%. O ataque ao sistema de transporte foi um fator importante na redução do volume de carregamentos em 75% em cinco meses. No entanto, o índice de produção de armamento permaneceu alto. Atingiu um pico no terceiro trimestre de 1944; o declínio no quarto trimestre (por causas diferentes das atribuíveis a perdas territoriais) foi de apenas 5%.

The Wild Blue: The Men and Boys Who Flew the B-24s Over Germany 1944-1945 (English Edition) por [Ambrose, Stephen E.] LIVRO RECOMENDADO:

The Wild Blue: The Men and Boys Who Flew the B-24s Over Germany 1944-1945

  • Stephen E. Ambrose (Autor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle, Capa comum e Capa dura

O programa de bombardeio aliado conseguiu vincular uma parcela significativa da força de trabalho até o terceiro trimestre de 1944. Estima-se que 4,5 milhões de trabalhadores, ou quase 20% da força de trabalho não agrícola, estavam envolvidos na remoção e limpeza de detritos, reconstrução e projetos dispersos, a substituição de mercadorias perdidas por ataques aéreos e na produção e manipulação de munições antiaéreas. As baixas resultantes de ataques aéreos reduziram a força de trabalho em não mais que 500 mil a 700 mil, cerca de 2%.

A partir de dezembro de 1944, todos os setores da economia alemã estavam em rápido declínio. Isso ocorreu devido aos resultados do bombardeio em combinação com outras causas, particularmente as reviravoltas militares que levaram à invasão da própria Alemanha. Em fevereiro de 1945, a Silésia e o Saar foram perdidos, os carregamentos eram apenas 11% do normal e continuavam caindo. As ações terrestres finais que levaram os exércitos aliados através dos rios Reno e Oder estavam em andamento no momento em que a economia da Alemanha deixou de ser capaz de apoiar operações militares significativas.

C. Alvos

O maior peso do ataque aéreo aliado, aproximadamente 56%, foi realizado contra dois alvos – transporte terrestre e áreas industriais (Tabela 1). Os alvos no sistema de transporte são discutidas em (D), abaixo.

Os ataques contra áreas industriais, geralmente identificados como incursões em área urbanas, foram trabalho principalmente da Real Força Aérea. Ela iniciou seus famosos ataques às áreas urbanas alemãs em 1942, com o primeiro ataque de mil aviões contra Colônia. Isso foi seguido por fortes ataques a outras cidades industriais, os mais notáveis ​sendo os de julho e agosto contra Hamburgo. O ataque a Hamburgo destruiu cerca de um terço das residências e matou entre 60 mil e 100 mil pessoas. Embora esse ataque tenha tido um efeito de choque imediato, os ataques à cidade antes do outono de 1944 não afetaram substancialmente a produção de guerra alemã. A recuperação foi essencialmente alcançada em poucas semanas e, como as plantas industriais estavam geralmente localizadas em torno do perímetro das cidades alemãs, elas estavam caracteristicamente intactas.

TABELA-1.png

A pesada tonelagem de bombas lançada em áreas urbanas como resultado dos ataques ao sistema de transportes a partir de setembro de 1944 produziu efeitos mais significativos. No entanto, como havia tantas forças contribuindo para o colapso da produção nos últimos seis meses da guerra, não foi possível avaliar separadamente o efeito desses ataques de área na produção de guerra.

1. Moral da População Civil

As conclusões da Pesquisa de Bombardeios Estratégicos dos EUA com relação ao efeito dos ataques aéreos aliados no moral alemão são as seguintes:

A Pesquisa fez extensos estudos sobre a reação do povo alemão ao ataque aéreo e, especialmente, às incursões nas cidades. Esses estudos foram cuidadosamente planejados para abranger uma seção completa do povo alemão no oeste e no sul da Alemanha e refletir com um mínimo de viés sua atitude e comportamento durante os ataques. Esses estudos mostram que o moral do povo alemão deteriorou-se sob ataques aéreos. Os ataques noturnos eram muito mais temidos do que os diurnos. O povo perdeu a fé na perspectiva de vitória, em seus líderes e nas promessas e propaganda às quais foram submetidos. Acima de tudo, eles queriam que a guerra terminasse. Recorriam cada vez mais à escuta de “rádios piratas”, à circulação de boatos e fatos em oposição ao regime; e houve um aumento na dissidência política ativa – em 1944, um em cada mil alemães foi preso por crimes políticos. Se eles tivessem a liberdade de votar pelo fim da guerra, teriam saído bem antes da rendição final. Em um estado policial determinado, no entanto, há uma grande diferença entre insatisfação e oposição expressa. Embora o exame dos registros oficiais e das fábricas mostram que o absenteísmo aumentou e a produtividade diminuiu um pouco nos estágios finais da guerra, em geral os operários continuaram a trabalhar. Por mais insatisfeitos que estivesse com a guerra, o povo alemão não possuía vontade nem meios para expressar sua insatisfação.

Os ataques urbanos deixaram uma marca no povo alemão e em suas cidades. Muito mais do que qualquer outra ação militar que precedeu a própria ocupação da Alemanha, esses ataques deixaram no povo alemão uma sólida lição sobre as desvantagens da guerra. Foi uma lição terrível.

2. O Ataque à Indústria de Rolamentos de Esferas

O exemplo clássico de ataque à chamada “indústria de gargalos” foi o da indústria alemã de rolamentos de esferas. A produção de rolamentos de esferas não apenas era concentrada, com aproximadamente metade da produção proveniente de fábricas na área de Schweinfurt, mas também a Alemanha precisava de um suprimento contínuo de rolamentos de esferas para continuar a produção de guerra.

Guardiões do Céu FILME RECOMENDADO:

Guardiões do Céu

  • Assine a Amazon Prime e assista no Prime Video!

 

Os ataques aéreos a Schweinfurt ocorreram em 17 de agosto e 14 de outubro de 1943. As perdas para os caças alemães (as fábricas estavam fora do alcance das escoltas) foram de tal ordem que os ataques não puderam ser mantidos. Durante os próximos quatro meses, quando houve uma pausa nos bombardeios, os alemães tomaram medidas enérgicas para dispersar a indústria. Essa dispersão foi auxiliada pelo fato das máquinas-ferramentas estarem relativamente intactas. Além disso, foi possível eliminar porcentagens muito altas do número total de rolamentos de esferas usados ​​em alguns equipamentos sem prejudicar materialmente sua operação para fins civis ou militares. Os alemães também tomaram a precaução de acumular estoques significativos. Do exame dos registros na indústria de rolamentos de esferas e do depoimento de funcionários da produção de guerra, não há evidências de que os ataques à indústria de rolamentos de esferas tenham tido algum efeito mensurável na produção essencial de guerra.

3. As Fábricas de Aeronaves como Alvo

A abortada experiência com a indústria de rolamentos de esferas foi seguida por novos ataques à indústria aeronáutica alemã. Os ataques anteriores tiveram o efeito de reduzir a vulnerabilidade das fábricas de montagem de aeronaves, porque os alemães seguiam uma política de subdividir e dispersar as instalações de produção de aeronaves. Os novos ataques começaram em fevereiro de 1944, com a proteção de caças de longo alcance, e voltaram a ser direcionados às fábricas de montagem de aeronaves, em oposição às fábricas de motores de aeronaves. Esses ataques não conseguiram reduzir a produção de aeronaves, provavelmente porque havia considerável excesso de capacidade na fase de montagem da indústria aeronáutica e porque, mais uma vez, medidas de proteção relativamente simples impediram a perda séria de máquinas-ferramentas. Portanto, o ataque à indústria de rolamentos de esferas e o ataque às instalações de montagem de aeronaves provaram ser erros na seleção de alvos. A Força Aérea Alemã foi derrotada, mas sua derrota ocorreu em grande parte como resultado de operações de combate das forças Aliadas. Mais tarde na guerra, a indústria siderúrgica do Ruhr foi apontada como alvo, mas como o aço está num nível tão básico do processo industrial, não há evidências de que esses ataques afetaram a produção de munições antes do final da guerra.

4. O ataque à Indústria do Petróleo

O ataque à indústria petrolífera alemã começou de maneira preliminar com duas incursões em maio de 1944. Esses ataques não tiveram continuidade, devido ao desvio quase completo do poder aéreo no ataque a alvos táticos na preparação e apoio à invasão do Dia D.

A situação do petróleo alemão foi restrita ao longo da guerra e a produção concentrou-se amplamente em treze usinas de combustível sintético. Embora tenha havido ataques iniciais à indústria petrolífera romena, em agosto de 1944 essa fonte de suprimento foi invadida pela URSS, e a dependência alemã das plantas sintéticas tornou-se quase completa.

Em julho de 1944, todas as principais fábricas haviam sido atingidas. Após o início dos ataques em maio, a produção, que tinha sido em média 316 mil toneladas por mês, caiu para 17 mil toneladas em setembro. Embora tenha havido uma recuperação modesta em novembro e dezembro, a produção depois dos ataques foi de apenas uma fração do nível anterior. Ao contrário das fábricas de rolamentos de esferas, as usinas de óleo sintético foram atacadas novamente quando foram entraram novamente em operação. Por exemplo, a maior fábrica, Leuna, foi atacada 22 vezes no início de 1945, e sua produção depois do primeiro ataque foi em média de apenas 9% da capacidade.

LIVRO RECOMENDADO:

Guerra Aérea e Literatura

  • W. G. Sebald (Autor)
  • Em português
  • Capa Comum

Os efeitos de privar a Alemanha de suas principais fontes de combustível foram quase imediatos em termos de operações militares. Por falta de combustível, o treinamento dos pilotos foi drasticamente reduzido, tornando as aeronaves alemãs cada vez mais vulneráveis ​​a pilotos de caças aliados experientes. À medida que o verão de 1944 avançava, as divisões panzer alemãs eram cada vez mais seriamente prejudicadas pela diminuição da produção de combustível. Os estoques militares alemães de petróleo eram tão baixos que, quando a famosa ofensiva das Ardenas (a chamada Batalha do Bulge) foi lançada, as reservas alemãs de combustível eram insuficientes para apoiar a operação. O alto comando alemão contava com a captura de estoques aliados para mantê-la em andamento. Finalmente, em fevereiro e março de 1945, os alemães reuniram 1.200 tanques no Vístula para conter o avanço russo. Em pouco tempo, foram sobrepujados porque não tinham combustível suficiente para operar.

Houve outros dividendos do ataque à indústria do petróleo, porque 60% do nitrogênio e 40% da produção de metanol vinham das plantas de óleo sintético. A escassez desses produtos químicos se refletiu na escassez de munição depois de alguns meses.

D. O ataque ao Sistema de Transportes

O sistema de transporte alemão era dominado pelas ferrovias. Em conjunto, as ferrovias estatais e privadas eram responsáveis por três quartos de todo o tráfego de mercadorias e cerca de 70% do tráfego de passageiros. A maior parte do tráfego de mercadorias restante era creditada a vias navegáveis ​​(em grande parte no interior) e menos de 3% por veículos rodoviários. A rígida regulamentação governamental de caminhões foi projetada para impedir o desenvolvimento de um sistema de caminhões que competisse com as ferrovias estatais de longo curso. Portanto, o transporte a motor era quase inteiramente limitado ao serviço local e suburbano.

O sistema ferroviário era bem conservado e apresentava sobre-capacidade geral de maneira permanente, tanto em relação às linhas quanto aos pátios. O sistema de vias navegáveis ​​interiores ligava os importantes rios do norte da Alemanha, atravessava a área de carvão do Ruhr e de lá a Berlim. A expansão moderada do sistema ferroviário durante a guerra concentrou-se nos poucos lugares onde era preciso construir novos pátios em pontos críticos como Munique ou criar alternativas a viadutos vulneráveis ​​com linhas de desvio.

Durante a maior parte da guerra aérea contra a Alemanha, o bombardeio do transporte ferroviário não recebeu alta prioridade. Embora as grandes operações terrestres tenham sido precedidas ou acompanhadas por ataques concentrados nas instalações ferroviárias locais da área de batalha ou nas proximidades, o sistema não foi selecionado como alvo prioritário devido ao seu tamanho e complexidade. Como consequência, as ferrovias na Alemanha e os portos do sistema de vias navegáveis ​​interiores estavam sujeitos apenas a ataques esporádicos até meados de 1944. Pesados ​​ataques ao sistema de transporte na Alemanha propriamente dita não começaram até setembro de 1944. O poder de recuperação era tal que, enquanto o peso dos bombardeios não excedeu 12 mil toneladas por mês, o sistema de reparos era capaz de lidar com os danos.

Ao mesmo tempo em que pesados ​​ataques começaram nas ferrovias, ataques bem-sucedidos a quatro alvos hidroviários reduziram significativamente o tráfego nos canais do Reno e do norte da Alemanha.

The Anglo-American Combined Bomber Offensive in Europe During World War II, 1942-1945 - CBO Heavy Bombers Against Nazi German Industrial Capability and ... D-Day Invasion of Normandy (English Edition) por [Government, U.S., Military, U.S., Defense (DoD), Department of, Le, Son ] LIVRO RECOMENDADO:

The Anglo-American Combined Bomber Offensive in Europe During World War II, 1942-1945

  • US Government, US Military, Department of Defense, Son Le (Autores)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum

Em 14 de outubro, o Reno foi interditado de maneira semelhante em Colônia e, como consequência, o tráfego econômico do importante distrito do Ruhr caiu para cerca de 12% do nível de outubro de 1943 a março de 1944. No final de dezembro, os carregamentos haviam diminuído em cerca de 40% e na primeira semana de março de 1945 em quase 80%. O índice de produção de munições se manteve consideravelmente melhor do que esses números indicariam, em grande parte por causa dos estoques de componentes e subconjuntos.

1. Vias Navegáveis Interiores

A experiência geral com o ataque às hidrovias foi que eles foram relativamente bem-sucedidos na interrupção do tráfego – geralmente por períodos de tempo consideráveis. Além disso, houve efeitos colaterais frequentes, como o resultante da minagem do rio Danúbio.

O período de intensificação da minagem no Danúbio foi de abril a dezembro de 1944. A minagem (e outros ataques aéreos) resultaram no afundamento de mais de 40% da frota de carga do Danúbio. Além disso, houve uma queda vertiginosa no moral porque as explosões de minas frequentemente resultavam na perda da tripulação. Consequentemente, as deserções e atrasos devido à escassez de mão-de-obra foram numerosos. A tonelagem movimentada no rio caiu cerca de 60% em dois meses e continuou a cair durante o verão. Estatísticas completas não estão disponíveis, mas a operação no Danúbio foi claramente bem-sucedida.

2. Ferrovias

A tonelagem de bombas lançadas em alvos de transporte terrestre na Alemanha foram as seguintes, por trimestre:

TABELA-2.png

Pode-se observar pelos números acima que até setembro de 1944 as tonelagens não eram suficientes para sobrecarregar a capacidade do sistema de reparos. Após essa data, o peso dos ataques aumentou acentuadamente e, no primeiro trimestre de 1945, foi 64 vezes maior do que no primeiro trimestre de 1944. O resultado foi uma obstrução progressiva do tráfego.

Embora o tráfego de carvão (cerca de 40% do tráfego total das ferrovias alemãs) tenha se sustentado melhor do que o tráfego comercial mais diversificado, seu declínio foi mais facilmente rastreável e mais dramático. Os ataques de setembro reduziram as entregas de carvão para a divisão Essen do Reichsbahn (origem da maior parte do tráfego de carvão do Ruhr) a uma média de 12 mil vagões por dia, em comparação com 21.400 no início do ano. A maior parte foi para consumo do próprio Ruhr. Em janeiro, as entregas no Ruhr foram reduzidas a 9 mil vagões por dia e, em fevereiro de 1945, foi alcançada uma interdição praticamente completa do distrito. A economia alemã era movida a carvão, e exceto em áreas limitadas, o suprimento havia sido eliminado.

O tráfego militar (Wehrmacht) tinha prioridade sobre todos os outros. Durante o período do ataque, esse tráfego passou a ser responsável por uma proporção cada vez maior do declínio. Até 1944, os ataques aéreos não impediram o exército de originar esses movimentos, embora o tempo de chegada ou mesmo a chegada de unidades e equipamentos se tornasse cada vez mais incerta. Os correios acompanharam destacamentos e até remessas de tanques e outras armas; a tarefa deles era descer do trem quando estava atrasado e informar onde ele poderia ser encontrado. Após a virada do ano, até a movimentação militar se tornou cada vez mais difícil. A contraofensiva das Ardenas, cujas tropas e equipamentos foram montados sobre as ferrovias, foi provavelmente o último esforço importante de que o Reichsbahn foi capaz no Ocidente.

 


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing, é fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Atua na cobertura de eventos de porte como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida. É colaborador do Canal Arte da Guerra e da revista Tecnologia & Defesa. E-mail caballe@gmail.com.


Apoie o VG e ganhe um PDF sobre a Amazônia!

Ajude a manter o Velho General! O apoio financeiro ajuda a cobrir despesas com hospedagem de site, Internet, passagens e hospedagens na cobertura de matérias, assinaturas, livros, etc. A contribuição é única, não mensal. Contribua com quantas cotas quiser e ganhe um PDF com os artigos sobre a Amazônia, organizado com capa e índice! O Velho General agradece a sua contribuição!

R$5,00


 

Anúncios

  2 comments for “Notas históricas sobre o uso do Poder Aéreo como Arma de Interdição (Parte I, Guerra Aérea Contra a Alemanha)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: