Voando baixo até o alvo: a Operação Tidal Wave

Banner-ADG

Reis Por Luiz Reis

A Operação Tidal Wave (“Maremoto”) foi um audacioso ataque aéreo de bombardeiros da Força Aérea do Exército dos Estados Unidos (USAAF) baseados na Líbia a nove refinarias de petróleo no entorno da cidade de Ploiești, na Romênia, no dia 1º de agosto de 1943, durante a Segunda Guerra Mundial. Foi uma missão de bombardeio estratégico e parte da “campanha do petróleo” para negar esse vital combustível para os países do Eixo. Apesar dos esforços, a missão não conseguiu reduzir a produção total de petróleo nos campos atingidos.

Esta missão foi uma das que a USAAF sofreu grandes perdas no Teatro Europeu, com 53 aeronaves abatidas e 660 tripulantes perdidos, entre mortos, feridos ou aprisionados. Foi a segunda pior perda de pessoal e material já sofrida pela USAAF em uma única missão e sua data foi posteriormente referida como “Black Sunday” (“Domingo Negro”). Cinco Medalhas de Honra e 56 Distinguished Service Crosses juntamente com vários outras condecorações foram concedidas aos membros da tripulação da Operação Tidal Wave.

PREPARATIVOS PARA A MISSÃO

A Romênia era uma grande potência na indústria do petróleo desde meados do século XIX. Foi um dos maiores produtores da Europa e as refinarias próximas de Ploiești eram uma parte importante dessa produção. As refinarias de petróleo romenas forneceram cerca de 30% de toda a produção de petróleo do Eixo, e era vital para o abastecimento da máquina de guerra alemã, principalmente após o plano do Führer Adolf Hitler de conquistar as refinarias de petróleo russas do Cáucaso, durante a ofensiva alemã de 1942, ter falhado.

As Defesas Aéreas Alemãs

Em junho de 1942, 13 bombardeiros pesados Consolidated B-24 Liberators do “Projeto Halverson” (HALPRO) da USAAF atacaram Ploiești. Embora os danos tivessem sido pequenos, a Alemanha reagiu colocando fortes defesas antiaéreas em torno de Ploiești. O General Alfred Gerstenberg, da Luftwaffe (Força Aérea Alemã), construiu uma das redes de defesa aérea mais pesadas e melhor integradas da Europa. As defesas incluíam várias centenas de canhões de 88mm de grande calibre e canhões antiaéreos de longo alcance FlaK 38 de 10,5cm, e muitas outras armas de menor calibre.


German_88_mm_Artillery_Flak_18

Peça de Artilharia Alemã de 88mm (Foto: Worldwarphotos.info)


Estes últimos estavam escondidos em palheiros, vagões ferroviários e construções falsas. A Luftwaffe tinha três grupos de caças dentro do alcance de voo de Ploiești (52 caças Bf 109 e caças noturnos Bf 110. Além de alguns caças romenos IAR-80). Gerstenberg também contava com alertas da estação de inteligência de sinais da Luftwaffe em Atenas, Grécia, que monitorou as preparações dos Aliados em lugares distantes como o Norte da África, então recém-libertada das forças do Eixo.


IAR_80

Caças romenos IAR-80 (Foto: Wikia.org)


O Plano da Missão

A Nona Força Aérea da USAAF (na época formada pelos 98º e 376º Grupos de Bombardeiros) foi responsável pela condução geral do ataque, e a Oitava Força Aérea, na época ainda parcialmente formada, forneceu mais três grupos de bombardeiros (44º, 93º e 389º). Todos os bombardeiros empregados eram do modelo B-24 Liberator, pois tinha uma maior autonomia para cobrir as grandes distâncias das bases aliadas até a Romênia. Não haveria escolta de caças, até porque os caças mais poderosos da USAAF na época, o Republic P-47B/C e o North American P-51B/C não teriam alcance suficiente para acompanhar os B-24 nem em parte do trajeto, devido a longa distância de suas bases do objetivo.

O coronel Jacob E. Smart planejou a operação com base nas experiências da HALPRO (que foi um projeto voltado para estudar a importância e a letalidade do bombardeio pesado). A HALPRO havia encontrado poucas defesas aéreas em seu ataque, então os planejadores decidiram que a Operação Tidal Wave seria executada durante o dia, e que os bombardeiros atacantes se aproximariam em baixa altitude para evitar a detecção pelo radar alemão. Exaustivos ataques simulados sobre uma maquete do alvo no deserto da Líbia, exercícios práticos sobre um número de alvos secundários e diversos estudos sobre maquetes das refinarias feitas em caixas de areia foram realizados em julho para provar a viabilidade de uma missão utilizando-se de uma altitude de voo tão baixa. Os bombardeiros a serem usados foram reequipados com grandes tanques de combustível para aumentar sua capacidade total para 3.100 galões (cerca de 11.735 litros).

Maxwell_B-24

Bombardeiro pesado Consolidated B-24 Liberator (Foto: USAF/Wikipedia)

A operação consistiria em utilizar 178 bombardeiros com um total de 1.751 tripulantes, uma das maiores quantidades de bombardeiros americanos e tripulantes até aquele momento. Os aviões decolariam em total silêncio rádio de aeródromos perto de Benghazi, na Líbia. Eles deveriam cruzar o Mediterrâneo e o Mar Adriático, passar perto da ilha de Corfu, cruzar as montanhas Pindo na Albânia, atravessar o sul da Iugoslávia, entrar no sudoeste da Romênia e virar para o leste em direção a Ploiești. Chegando a Ploiești, eles deveriam localizar pontos de checagem pré-determinados, aproximar-se de seus alvos do norte e atingir todos os alvos simultaneamente.

Por razões políticas, os planejadores aliados decidiram evitar que os Liberators sobrevoassem a cidade de Ploiești na aproximação para o ataque, para que não fosse bombardeada por acidente, causando danos colaterais (morte de civis).

VOANDO PARA A ROMÊNIA

No início da manhã de 1º de agosto de 1943, os cinco grupos que compunham a força de ataque começaram a decolar de campos aéreos em torno de Benghazi. Grande quantidade de poeira levantadas durante a decolagem causaram uma péssima visibilidade, além dos motores forçados ao limite, que carregavam a carga de várias toneladas de bombas e combustível adicional. Estas condições contribuíram para a perda de uma aeronave durante a decolagem, mas 177 das 178 aeronaves planejadas partiram em segurança.


Assista ao Vídeo 582 do CANAL ARTE DA GUERRA sobre esta missão: O ARRISCADO ATAQUE DE BOMBARDEIROS B-24 À PLOIESTI


A formação alcançou o Mar Adriático sem maiores incidentes; no entanto, a aeronave número 28, Wongo Wongo, pertencente ao 376º Grupo de Bombardeio (o grupo líder, com cerca de 40 B-24) e pilotada pelo tenente Brian Flavelle começou a voar de forma irregular antes de mergulhar no mar devido a causas desconhecidas. O tenente Guy Iovine – um amigo pessoal de Flavelle e pilotando a aeronave número 23, Desert Lilly – desceu da formação a fim de procurar por sobreviventes, quase colidindo com a aeronave Brewery Wagon pilotada pelo tenente John Palm. Nenhum sobrevivente foi visto, e devido ao peso adicional de combustível, Iovine foi incapaz de recuperar a altitude para voltar à formação e retomar o rumo para Ploiești, sendo obrigado a retornar.

A confusão foi agravada pela incapacidade de recuperar a coesão devido a ordens para manter um estrito silêncio de rádio. Dez outras aeronaves retornaram a campos aéreos amigos após o incidente, e as aeronaves restantes enfrentaram a subida de 9.000 pés (2.700 m) sobre as montanhas Pindo, que estavam envoltas em nuvens. Embora todos os cinco grupos tenham subido cerca de 11.000 pés (3.400m), o 376º e o 93º, usando configurações de alta potência, ultrapassaram as formações finais, causando variações de velocidade e tempo que quebraram a cuidadosa sincronização dos ataques dos grupos considerados tão importantes pelo planejamento do coronel Smart.

Os líderes da missão consideraram essas preocupações menos importantes do que manter a segurança através do silêncio rádio. Os líderes americanos não sabiam que os alemães sabiam de sua presença, embora não de seu alvo. Embora as ordens dos americanos tivessem permitido que eles quebrassem o silêncio do rádio para reconstruir suas formações, o ataque prosseguiu sem a coesão necessária para o seu êxito, e isso se mostrou bastante caro.


761d643f9af5e414e76ae471a6db1b5c

Cartão postal romeno antigo mostrando campos de petróleo de Câmpina, Romênia (Hippostcard)


Apesar de agora estarem se aproximando de Piteşti, todos os cinco grupos fizeram o ponto de verificação de navegação (“check point”) a 105km de Ploiești. Em Câmpina, o 389º Grupo de Bombardeiros partiu como planejado para sua abordagem separada e sincronizada ao alvo da missão. Continuando a partir de Piteşti, o coronel Keith K. Compton e o major-general Uzal Girard Ent (comandante da Nona Força Aérea e o comandante da missão) cometeram um erro de navegação que custou muito caro.

Em Târgovişte, a meio caminho do próximo ponto de verificação em Floreşti, Compton seguiu a linha férrea incorreta para sua vez em direção a Ploiești, posicionando seu grupo e o 93º Grupo do tenente-coronel Addison Baker num curso para Bucareste. No processo, Ent e Compton foram contra o conselho do navegador de seu avião e do veterano do HALPRO, capitão Harold Wicklund. Agora enfrentando o desastre, muitas equipes optaram por quebrar o silêncio do rádio e chamar a atenção para o erro de navegação. Enquanto isso, ambos os grupos teriam que enfrentar as extensas defesas aéreas de Gerstenberg ao redor da área de Bucareste, além das que estavam esperando por eles em Ploiești.

OS ATAQUES

A aeronave Hell’s Wench, pilotada pelo tenente-coronel Baker e seu copiloto major John L. Jerstad foi atingida pela artilharia antiaérea. Eles lançaram precipitadamente suas bombas para manter a posição de liderança da formação sobre seu alvo na refinaria de Columbia Aquila. Apesar das pesadas perdas do 93º, Baker e Jerstad mantiveram o rumo e, uma vez atacado o alvo, começaram a se afastar. Percebendo que a aeronave não era mais controlável, eles continuaram subindo para permitir que sua tripulação abandonasse a aeronave. Embora ninguém tenha sobrevivido, Baker e Jerstad receberam postumamente a Medalha de Honra por essas ações.


Vídeo: 15ª Força Aérea – Raid nos Campos de Petróleo de Ploiesti – Air Seige 3445


O major Ramsay D. Potts voando o The Duchess e o major George S. Brown a bordo do Queenie, encontrando fumaça pesada sobre Columbia Aquila, liderou aeronaves adicionais do 93º e lançaram suas bombas com sucesso sobre as refinarias Astra Romana, Unirea Orion e Columbia Aquila. Ao todo, o 93º perdeu 11 aeronaves sobre seus alvos em Ploiești. Um dos bombardeiros, Jose Carioca (em homenagem ao famoso papagaio das histórias em quadrinhos), foi abatido por um caça romeno IAR-80, que o crivou com diversos projéteis de 7,62mm e 20 mm. O mortalmente ferido bombardeiro caiu na Prisão Feminina de Ploiești. Dos 100 civis mortos e 200 feridos neste ataque, cerca de metade ocorreu com essa colisão. Quarenta mulheres sobreviveram, mas não houve sobreviventes entre os tripulantes do Jose Carioca.

Concordia Vega e primeiros ataques do Steaua Română

As defesas aéreas eram pesadas sobre o alvo do 376º grupo (Romana Americana), e o major-general Ent instruía Compton a atacar “alvos de oportunidade”. A maior parte dos B-24 bombardeou a refinaria de Steaua Română, em Câmpina, a partir do leste, e cinco dirigiram-se diretamente para a conflagração da refinaria Concordia Vega. Em Câmpina, as defesas aéreas nas colinas foram capazes de disparar na formação, atingindo e derrubando algumas aeronaves.

Os ataques a Astra Română e a Columbia Aquila

Com os 93º e 376º ocupados acima da área alvo, o coronel John R. Kane, do 98º Grupo de Bombardeiros, e o coronel Leon W. Johnson, do 44º Grupo de Bombardeiros, deram a sua vez em Floresti (a noroeste de Ploiești) e seguiram para seus respectivos alvos no Astra Romana e refinarias de Columbia Aquila. Ambos os grupos encontrariam as pesadas defesas alemã e romena em alerta máximo e enfrentariam todos os efeitos dos bombardeiros anteriores: grandes labaredas de óleo, fumaça pesada, explosões secundárias e bombas de efeito retardado ainda não detonados, derrubadas pelo 93º Grupo de Bombardeiros de Baker em sua corrida anterior. Tanto a abordagem de Kane quanto a de Johnson, paralelamente à ferrovia de Floresti para Ploiești, tiveram a infeliz distinção de encontrar um trem antiaéreo camuflado de Gerstenberg. No nível ou abaixo do topo das árvores, a cerca de 50 pés (15m) acima do solo, a 98ª encontraria à esquerda e a 44ª à direita. A vantagem, no entanto, seria utilizar os artilheiros dos bombardeiros, que acabaram neutralizando a locomotiva inimiga e matando várias equipes da defesa aérea.


LEAD Technologies Inc. V1.01

B-24D “Sandman”, comandado pelo Tenente Robert Sternfels no ataque à refinaria de Astra Română. Sternfels recebeu uma Estrela de Prata. (Foto: US Army Center of Military History)


Com os efeitos das corridas do 93º e 376º causando dificuldades para localizar e bombardear seus alvos primários, tanto Kane quanto Johnson não se desviaram dos alvos pretendidos, sofrendo grandes perdas no ataque. Sua baixa abordagem até permitiu que os atiradores se envolvessem na contínua supressão de equipes de defesa aérea diretamente acima de seus alvos. Por sua liderança e heroísmo, ambos receberam a Medalha de Honra. O tenente-coronel James T. Posey levou 21 aeronaves da 44ª em uma operação de ataque separada na refinaria da Creditul Minier, ao sul de Ploiești. Embora as baterias de defesa aérea já tivessem atacado o 93º, Posey foi totalmente recebido pelos mesmos atiradores. Manter uma abordagem contínua de baixo nível na área alvo levou algumas das aeronaves serem atingidas por grama e areia de pequenas elevações, além de danos causados por obstruções de baixo nível. Posey e sua aeronave – equipados com bombas de mais de 450 kg – conseguiram encontrar seus alvos na Creditul Minier, sem perder a formação.

Segundo ataque a Steaua Română

O último ataque do Tidal Wave bombardeou a refinaria do Steaua Română (13 km a noroeste de Ploiești) em Câmpana. O ataque foi realizado pelo 389º grupo, liderado pelo coronel Jack Wood. Os danos causados pelos 376º e 389º ataques danificaram a refinaria, que não retomou mais a produção durante a guerra. O 389º perdeu quatro aeronaves na área do alvo, incluindo o B-24 Ole Kickapoo pilotado pelo segundo-tenente Lloyd Herbert Hughes. Depois de posicionar o Ole Kickapoo a apenas 10 metros de altura em direção do alvo, a explosão das bombas lançadas anteriormente danificou severamente o B-24. Hughes manteve o curso para que o bombardeador, o segundo-tenente John A. McLoughlin, pudesse atacar o alvo, e o B-24 danificado aterrissou no leito de um pequeno rio, onde explodiu. Hughes (que recebeu postumamente a Medalha de Honra) e cinco tripulantes foram mortos, quatro sobreviveram ao acidente, mas morreram em decorrência dos ferimentos, e dois artilheiros se tornaram prisioneiros de guerra.


Vídeo: O 98º Grupo de Bombardeio: B-24 Liberators do Norte da África – 1943

 


A ATUAÇÃO DA FORÇA AÉREA DA BULGÁRIA

Ao passarem pela Bulgária (país que também integrava o Eixo), os B-24 foram interceptados por três grupos de combate: 10 Bf 109 de Karlovo, quatro Avia B-534 de Bozhurishte e 10 Avia B-534 do aeroporto de Vrashdebna (Sofia). Os pilotos subtenente Peter Bochev (cinco vitórias), o capitão Tschudomir Toplodolski (quatro vitórias), o tenente Stoyan Stoyanov (cinco vitórias) e o Subtenente Hristo Krastev (uma vitória) ganharam suas primeiras vitórias pela Força Aérea Búlgara da guerra. Os novos ases de caça foram condecorados depois pelo Czar Boris III da Bulgária pessoalmente com a Ordem da Bravura, a primeira vez em 25 anos. Cruzes de Ferro alemãs foram concedidas um mês depois através da embaixada alemã.

RESULTADO DO ATAQUE

Apenas 88 B-24 retornaram à Líbia, dos quais 55 danificados (muitos não voltaram mais a voar). As perdas incluíram 44 para a defesas aéreas e B-24 adicionais que abortaram ainda no Mediterrâneo ou pousaram na Turquia neutra e foram internados. Alguns foram desviados para a base da Real Força Aérea Inglesa (RAF) na ilha do Chipre. Um B-24 com 365 buracos de bala pousou na Líbia 14 horas após a partida; sua sobrevivência foi devido ao armamento leve do caça búlgaro Avia B-534 (apenas quatro metralhadoras leves de calibre 7,92 mm).

Para os norte-americanos, 310 tripulantes morreram, 108 foram capturados pelo Eixo, 78 foram internados na Turquia e quatro foram escondidos por partidários de Tito na Iugoslávia. Três das cinco Medalhas de Honra (o maior número de medalhas concedidas em qualquer ação aérea dos Estados Unidos na História) foram concedidas postumamente. Os Aliados estimaram uma perda de 40% da capacidade de refino nas refinarias de Ploesti, embora algumas refinarias tenham sido praticamente intocadas. A maior parte dos danos foram reparadas em algumas semanas, após o que a produção de combustível líquido inclusive tornou-se maior do que antes do ataque!

As perdas da Luftwaffe foram quatro aeronaves sobre Ploiești e duas sobre a Grécia. Cerca de 100 civis foram mortos e 200 feridos. Os romenos perderam dois combatentes e reivindicaram 20 dos bombardeiros abatidos.


Vídeo: Entrevista com Robert Sternfels, piloto do B-24 “Sandman” no ataque a Ploesti


Através de bombas lançadas em alvos secundários, houve baixas em Drenta, Elena, Byala, Ruse, Boychinovtsi, Veliko Tarnovo, Plovdiv, Lom e Oak-Tulovo.

Devido às grandes perdas de aeronaves e os poucos danos inflingidos aos alvos, a Operação Tidal Wave foi considerada um fracasso estratégico do lado norte-americano e uma “vitória de Pirro” por parte das forças do Eixo.

CONCLUSÕES

A Operação Tidal Wave foi o primeiro ataque aéreo dos aliados ocidentais em território romeno. Até agosto de 1944, quando o país saiu da guerra, a Força Aérea Real Romena e os soldados romenos abateram 223 bombardeiros americanos e britânicos, além de 36 caças. As perdas romenas totalizaram 80 aeronaves. Os pilotos da Luftwaffe derrubaram mais 66 aeronaves aliadas ocidentais. As baixas ocidentais totais dos aliados somaram 1.706 mortos e 1.123 capturados.

ORDEM DE BATALHA DA NONA E DA OITAVA FORÇAS AÉREAS PARA A OPERAÇÃO TIDAL WAVE

Nona Força Aérea

98º Grupo de Bombardeio (Pesado) (“Pyramiders”), coronel John R. Kane*

376º Grupo de Bombardeio (Pesado) (“Liberandos“), coronel. Keith K. Compton**

Oitava Força Aérea

44º Grupo de Bombardeio (Pesado) (“Flying Eight Balls”), coronel. Leon W. Johnson*

93º Grupo de Bombardeio (Pesado) (“Ted Timberlake’s Traveling Circus”), tenente-coronel. Addison E. Baker*, major John L. Jerstad*

389º Grupo de Bombardeio (Pesado) (Sky Scorpions”), coronel Jack W. Wood**, segundo-tenente Lloyd Herbert Hughes*

*Condecorado com a Medalha de Honra

**Condecorado com a Cruz de Serviços Distintos


*Imagem de capa: pintura de Robert Taylor, “Ploesti – A Missão Vital”, comemorativa do 50º aniversário do histórico ataque. A imagem mostra o B-24 “Suzy Q”, do 44º Grupo de Bombardeio, comandado pelo coronel Leon W. Johnson, emergindo do turbilhão.


RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-04-27 às 15.38.40

Tidal Wave: From Leyte Gulf to Tokyo Bay

    • Thomas McKelvey Cleaver (Autor), Rear Admiral Doniphan P. Shelton USN (Ret) (Prólogo)
    • Em inglês
    • Versões eBook Kindle e Capa Comum
Captura de Tela 2019-04-27 às 15.38.45

Into the Fire: Ploesti, the Most Fateful Mission of World War II

    • Duane Schultz (Autor)
    • Em inglês
    • Versões eBook Kindle e Capa Comum
Captura de Tela 2019-04-27 às 15.39.01

American Bombers at War, Vol. I: Consolidated B-24: 001

    • John M Campbell, Donna Campbell (Autores)
    • Em Inglês
    • Capa dura
Captura de Tela 2019-04-27 às 15.39.51

Consolidated B-24 Liberator Manual: 1939 onwards (all Marks)

    • Graeme Douglas (Autor)
    • Em inglês
    • Capa comum

Anúncios

  16 comments for “Voando baixo até o alvo: a Operação Tidal Wave

  1. robinsonfarinazzo
    29/04/2019 às 13:26

    Foi um dos melhores textos que já vi sobre o tema. Parabéns Luiz !

    Curtido por 3 pessoas

    • Luiz Reis
      29/04/2019 às 17:18

      Obrigado Comandante. Um elogio vindo do senhor me engrandece. Um forte abraço!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Augusto César Gomes Galvão
    29/04/2019 às 14:09

    Faltou dizer que um dos esquadrões, aquele do B-24 com o Zé Carioca no nariz da aeronave, era baseado em Natal RN. E foi deslocado para esta missão especialmente.

    Curtido por 2 pessoas

    • Luiz Reis
      29/04/2019 às 14:20

      Ele não era baseado em Natal, ele só passou pela cidade em translado dos Estados Unidos para a África do Norte. Provavelmente durante a estadia a tripulação deve ter batizado a sua aeronave com o nome do famoso papagaio da Disney. Eu tenho um artigo aqui que fala das bases do Nordeste que eram usadas para patrulhamento do Atlântico Sul e o translado de homens, suprimentos e equipamentos para o TO da Europa e África do Norte. Obrigado pela observação.

      Curtido por 2 pessoas

  3. Paulo S Rodrigues
    29/04/2019 às 17:17

    Essa pintura do Robert Taylor resume bem o TO da ação.
    Os B-24 eram magníficos à época.
    Excelente texto, e excelente trabalho em resumir tamanha quantidade de informação.

    Curtido por 2 pessoas

  4. Marcelo Hoffmann
    30/04/2019 às 00:49

    Excelente matéria, a coincidência é que acabei de comprar na Estante Virtual o livro da coleção Blitzkrieg: PLOESTI, a história de uma batalha decisiva.

    Curtido por 2 pessoas

  5. Marcelo Bangoim Fernandes
    30/04/2019 às 07:33

    Matéria muito didática

    Curtido por 2 pessoas

    • Luiz Reis
      30/04/2019 às 07:35

      Esse é o objetivo. Muito obrigado!

      Curtir

  6. Sinclair iyama
    30/04/2019 às 18:41

    A dobradinha vencedora: texto no VG, vídeo no ADG. O passeio de B-24 pela “Aerolíneas Farinazzo” ilustra bem as inúmeras dificuldades pelas quais as tripulações passaram para cumprir tal missão.

    Curtido por 1 pessoa

  7. JEIMES BEZERRA DE QUEIROZ
    02/05/2019 às 18:20

    Parabéns Luiz. Mais uma ótima contribuição para o melhor entendimento do Contexto da 2° guerra e outras.
    Interessante ver como e necessário aprender com os erros no campo de batalha.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: