Democratas querem gastar mais do que Biden na aquisição de armas

O contratorpedeiro americano USS John S. McCain com navios da Marinha Real Australiana e da Força de Autodefesa Marítima do Japão no Mar do Sul da China para um exercícios em 19 de outubro de 2020 (Foto: US Navy).

A legislação provavelmente desencadeará debate partidário, como pontos o fechamento de Guantánamo, a exigência de pagamento de salário mínimo pelas empreiteiras de defesa, e a negativa de apoio às operações militares ofensivas no Iêmen.

Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia

Imagem: Military Mortgage Center.

As grandes potências militares enxergam motivos suficientes para ampliarem seus gastos militares, mesmo em meio a uma conjuntura tão adversa advinda da pandemia mundial. Os motivos estão todos os dias nas manchetes dos jornais, com a competição geopolítica sendo travada à luz do dia. O Brasil, mesmo geograficamente distante das principais disputas globais, também não pode escapar dos efeitos dessa realidade.

Japão intensifica suas capacidades de defesa em novos domínios

Aeronave de vigilância da Força de Autodefesa Marítima do Japão sobrevoa as disputadas ilhas que a China chama de Diaoyu e o Japão chama de Senkaku. Tóquio está aprimorando suas capacidades de defesa em novos domínios, com foco na defesa de seu território (Foto: Kyodo).

Analistas dizem que o foco de Tóquio no espaço, ciberespaço e espectro eletromagnético é puramente defensivo; País criou unidade de guerra eletrônica e os planos incluem mais satélites, hackers de combate e uma aeronave projetada para bloquear radares inimigos.

Nota de Esclarecimento (Ministério da Defesa)

Mais uma vez o Ministério da Defesa emite Nota de Esclarecimento a respeito de matérias veiculadas na chamada “grande imprensa”, desta vez por matéria do jornal O Estado de São Paulo.