Japão intensifica suas capacidades de defesa em novos domínios

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Aeronave de vigilância da Força de Autodefesa Marítima do Japão sobrevoa as disputadas ilhas que a China chama de Diaoyu e o Japão chama de Senkaku. Tóquio está aprimorando suas capacidades de defesa em novos domínios, com foco na defesa de seu território (Foto: Kyodo).

Aeronave de vigilância da Força de Autodefesa Marítima do Japão sobrevoa as disputadas ilhas que a China chama de Diaoyu e o Japão chama de Senkaku. Tóquio está aprimorando suas capacidades de defesa em novos domínios, com foco na defesa de seu território (Foto: Kyodo).

O Japão está intensificando seu compromisso de desenvolver novos recursos de ponta no espaço, ciberespaço e no domínio eletromagnético – que inclui comunicações, coleta e análise de dados – como resultado de desafios de segurança que mudaram drasticamente na última década, de acordo com analistas.

Houve uma mudança gradual na postura de defesa do Japão desde o final da Guerra Fria, durante a qual os planejadores militares foram encarregados de se preparar para repelir uma invasão de Hokkaido pelas forças da União Soviética e conduzir uma guerra convencional envolvendo tanques e outras unidades terrestres apoiadas por forças aéreas e, em menor grau, forças navais.

Isso mudou para um foco muito maior nas capacidades marítimas e aéreas nas ilhas que compõem o extremo sudoeste do Japão, onde a ameaça é hoje percebida como vindo de uma China agressivamente expansionista, embora um olhar atento também seja mantido na ameaça à segurança apresentado pela Coreia do Norte.

Essas mudanças se aceleraram nos últimos anos, conforme refletido nos livros anuais de defesa do Japão, e Tóquio está explicitamente olhando para os domínios em rápida evolução do espaço, ciberespaço e do espectro eletromagnético para conter movimentos semelhantes da China e da Rússia.

O governo japonês aprovou no final de dezembro um orçamento de defesa de um recorde de 5,34 trilhões de ienes (US$ 51,7 bilhões), um aumento de 1,1% em relação ao ano anterior. O Ministério da Defesa reservou 119,1 bilhões de ienes para medidas de segurança do espaço, com 30,1 bilhões de ienes reservados para desenvolvimentos no setor do ciberespaço. Com os gastos com espectro eletromagnético, cerca de 2,8 bilhões de ienes serão investidos na pesquisa de um novo sistema de laser projetado para eliminar ameaças aéreas, tais como drones, com mais 400 milhões de ienes para desenvolver a tecnologia de comunicação 5G de próxima geração.

“A principal preocupação do Japão hoje é a China e a disputa territorial em que estamos envolvidos pelas Ilhas Senkaku”, disse Toshimitsu Shigemura, professor de relações internacionais da Universidade Waseda de Tóquio, referindo-se ao arquipélago disputado no Mar do Leste da China, ao qual Pequim se refere como Ilhas Diaoyu e sobre as quais reivindica soberania.

“Mas é importante observar que as melhorias que estão sendo feitas para a segurança nacional são puramente defensivas e o Japão não tem intenções de iniciar um conflito ofensivo”, disse ele ao periódico This Week in Asia.


LIVRO RECOMENDADO

A guerra na era da informação

  • Alessandro Visacro (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Eles têm um motivo oculto, no entanto, já que este desenvolvimento e implantação de tecnologia japonesa em áreas como o espaço é projetado para nos ligar mais estreitamente aos EUA por meio de projetos e sistemas conjuntos, o que ajuda a consolidar o tratado de segurança Japão-EUA,” disse ele. “Nesse sentido, pode ser visto tanto como um desenvolvimento político quanto militar.”

De acordo com as diretrizes de defesa nacional do governo – que reiteram consistentemente que as preocupações de segurança do Japão são exclusivamente defensivas – o Japão está empenhado em lançar e usar mais satélites de coleta de informações e comunicações para suas próprias forças, mas também desenvolver sistemas com a “capacidade de interromper as capacidades de comando, controle, comunicações e informações dos oponentes”.

O Japão está usando o conhecimento da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA), controlada por civis, e está trabalhando com os Estados Unidos e “outros países relevantes”. Os planos também prevêem a criação de equipes e unidades de segurança espacial dedicadas.

A segunda área de foco é o domínio cibernético, que atraiu a atenção no Japão, visto que a Coreia do Norte é conhecida por empregar milhares de hackers dedicados a comprometer os estabelecimentos de defesa e infraestrutura de outros países, enquanto outros foram encarregados pelo regime de obter acesso a instituições financeiras e roubo de fundos.

Para combater isso e as ameaças representadas por hackers estrangeiros, o Japão está fortalecendo seus sistemas e redes de comando e controle, incluindo o desenvolvimento de métodos de limitação e recuperação de danos. O Japão também está desenvolvendo uma capacidade ofensiva reativa nesta área, caso seja necessário.

O terceiro elemento da abordagem revisada da segurança nacional é “garantir a superioridade no domínio eletromagnético”. Isso inclui proteger as próprias comunicações eletrônicas do Japão enquanto intercepta e interpreta as de seus inimigos; condução de bloqueio eletrônico; e desenvolver a capacidade de “neutralizar” o radar e as comunicações de “um oponente que pretende invadir o Japão”.

Uma unidade de guerra eletrônica de 80 membros foi instalada em março em uma base da Força de Autodefesa em Kumamoto, em Kyushu, com a tarefa de detectar e analisar comunicações aerotransportadas e assinaturas de radar. Mais cinco unidades serão instaladas em todo o Japão até o final de 2022, com sede em Camp Asaka, em Tóquio.


LIVRO RECOMENDADO

História secreta da rendição japonesa de 1945: Fim de um império milenar

  • Lester Brooks (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O Ministério da Defesa também está desenvolvendo uma aeronave de guerra eletrônica projetada para bloquear as transmissões de radar do inimigo, enquanto um Esquadrão de Operações Espaciais será criado no final deste exercício financeiro com um complemento inicial de 70 pessoas.

Em outro local, um radar de vigilância espacial está sendo construído na prefeitura de Yamaguchi e deve entrar em operação em 2023, enquanto o ministério pretende estabelecer uma unidade de segurança cibernética com cerca de 540 funcionários, reunindo especialistas das forças armadas e do setor privado.

“Esses desenvolvimentos envolvem milhares de pessoas, mas seria difícil descrevê-los como enormes”, disse Garren Mulloy, professor de relações internacionais da Universidade Daito Bunka do Japão e considerado uma autoridade em questões de defesa.

“Este não é especificamente um movimento de projeção de poder, é completamente defensivo por natureza e projetado para ajudar o Japão a defender suas ilhas remotas, que são a maior preocupação de Tóquio”, disse ele.

“Mas esta também é a direção que a guerra está tomando”, ele acrescentou. “No início da década de 1990, os planejadores militares falavam sobre os ‘Três Cs’ de comando, controle e comunicações. No final daquela década, eles adicionaram um quarto C, para computadores.” O “próximo passo à frente” é conhecido como C4ISR, que traz inteligência, vigilância e reconhecimento, disse Mulloy, à medida que as nações buscam melhores informações sobre as quais suas forças militares possam agir.

Em última análise, essa corrida militar levou nações ao espaço, onde China e Rússia demonstraram capacidade de derrubar satélites inimigos com mísseis. “São números pequenos e não estão na mesma escala que os EUA ou a China, mas espero que o Japão aumente gradualmente seus investimentos e capacidades nessas áreas e busque aproveitar ao máximo suas tecnologias domésticas”, disse Mulloy.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

traco

Veja também