Democratas querem gastar mais do que Biden na aquisição de armas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O contratorpedeiro americano USS John S. McCain com navios da Marinha Real Australiana e da Força de Autodefesa Marítima do Japão no Mar do Sul da China para um exercícios em 19 de outubro de 2020 (Foto: US Navy).

O contratorpedeiro americano USS John S. McCain com navios da Marinha Real Australiana e da Força de Autodefesa Marítima do Japão no Mar do Sul da China para um exercícios em 19 de outubro de 2020 (Foto: US Navy).

Ajustando o pedido de gastos do Pentágono do presidente Joe Biden para o próximo ano, os apropriadores da Câmara propuseram US$ 1,7 bilhão a mais para aquisição de armas e US$ 1,6 bilhão a menos para desenvolvimento e teste de tecnologias de ponta destinadas a deter a China.

O Comitê de Dotações da Câmara divulgou na manhã de terça-feira seu projeto fiscal de financiamento do Pentágono para 2022, que propõe US$ 706 bilhões em gastos com defesa, ou cerca de US$ 10 bilhões acima do valor aprovado para o atual ano fiscal. Quando somados aos US$ 11 bilhões que os apropriadores de construção militar estão buscando separadamente, isso coloca tudo à altura do pedido de US$ 716 bilhões de Biden.

A legislação, elaborada por democratas, inclui US$ 134,3 bilhões para aquisições, o que é US$ 2,2 bilhões menos do que o orçamento do ano corrente. Para financiamento de pesquisa, os apropriadores estão propondo US$ 110,4 bilhões, o que é US$ 3,2 bilhões acima do orçamento do ano corrente.

Esperava-se que os apropriadores adaptassem o pedido de Biden, mas à primeira vista o projeto não parece incluir qualquer grande retrocesso contra a estratégia do governo de desinvestir de plataformas legadas para reinvestir em tecnologias de ponta.

Para a US Navy, o projeto adiciona um segundo contratorpedeiro da classe Arleigh Burke amplamente procurado por legisladores e corta um de dois navios de reboque, salvamento e resgate. Por outro lado, corresponde aos dois submarinos de ataque classe Virginia de Biden, uma fragata classe Constellation, um abastecedor classe John Lewis e um navio de vigilância oceânica.

A omissão do segundo contratorpedeiro pela administração Biden foi polêmica no Capitólio porque, sem ele, a US Navy não pode cumprir suas obrigações sob contratos plurianuais com a Ingalls Shipbuilding e a Bath Iron Works, da General Dynamics. Esses contratos exigem que cada uma das empresas construa um navio no AF22.

Ao todo, os apropriadores propõem o mesmo número de navios que Biden – oito – mas acrescentam US$ 915 milhões acima do pedido de orçamento da US Navy.

Para aeronaves, o projeto acrescentaria 12 Super Hornets F/A-18E/F, dos quais o governo não buscou nenhum; quatro abastecedores C/KC/MC-130J, para um total de 134; seis drones MQ-9 Reaper para um total de 12; US$ 170 milhões para o segundo e terceiro conjuntos de cinco helicópteros CH-47F Block II Chinook; três helicópteros UH/HH-60M Black Hawk para 33 no total; e dois helicópteros CH-53K para 11 no total.


LIVRO RECOMENDADO:

Os Estados Unidos e o Século XXI

  • Cristina Cristina Pecequilo (Autora)
  • Em português
  • Capa comum

Isso corresponde ao pedido de Biden de 85 F-35 Joint Strike Fighters, 12 caças F-15EX e 14 abastecedores KC-46, além de diversos helicópteros. A lista de prioridades não financiadas da USAF omitiu visivelmente os F-35 adicionais da Lockheed Martin, mas ela queria outros 12 Boeing F-15EX para ajudar a reduzir a lacuna projetada enquanto se desfaz de sua frota envelhecida de F-15C/D.

Entrando em polêmica em torno da modernização nuclear, o projeto de lei coincide com a decisão da US Navy de arquivar seu projeto de míssil de cruzeiro nuclear. Embora a decisão tenha sido aplaudida por defensores do controle de armas e alguns legisladores, está sob forte escrutínio dos republicanos, que argumentam que a medida deve estar sujeita ao rigor da próxima Revisão da Postura Nuclear do governo.

Ao mesmo tempo, os apropriadores forneceriam $ 2,5 bilhões para desenvolver o Ground Based Strategic Deterrent, que é o míssil balístico intercontinental de próxima geração, bem como $ 581 milhões para o Long Range Standoff Weapon, um novo míssil de cruzeiro lançado do ar.

O projeto de lei inclui o aumento salarial de 2,7% do governo, mas tem como objetivo principal os custos de pessoal, reduzindo US$ 488 milhões da solicitação de um total de US$ 167 bilhões. O projeto também se livra da muito criticada conta de operações de contingência no exterior, como o pedido de Biden.

“O projeto de lei de Apropriações de Defesa fornece recursos solicitados pelo Secretário de Defesa para proteger nossa segurança nacional, manter uma base industrial forte para apoiar empregos bem remunerados e combater as ameaças crescentes de nossos adversários, incluindo a China,” disse a presidente do Comitê de Apropriações da Câmara, Rosa DeLauro (Democrata-Connecticutt), em um comunicado. “Ao proteger nossa nação, também homenageia os soldados e civis que servem e apóiam os militares de nossa nação, e suas famílias. Isso inclui forte financiamento para combater a agressão sexual nas forças armadas, um problema sério e generalizado que por muito tempo foi esquecido pelo Pentágono.”

A legislação inclui uma série de disposições sobre políticas que provavelmente irão desencadear o debate partidário, como ordenar o fechamento do centro de detenção na Baía de Guantánamo até 30 de setembro de 2022; exigir que as empresas contratadas paguem um salário mínimo de $ 15; e impedindo o apoio às operações militares ofensivas da coalizão liderada pelos sauditas no Iêmen.

Uma luta partidária está fermentando há meses, à medida que os principais conservadores – incluindo o principal republicano do subpainel da defesa, o deputado californiano Ken Calvert – pediram um aumento de 3% a 5% acima da inflação. Espera-se que os democratas progressistas pressionem por cortes – medida à que os democratas moderados estão resistindo.

O subpainel de defesa do Comitê de Apropriações tratará do projeto de lei de gastos do AF22 em uma sessão fechada na quarta-feira.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também