Novos Submarinos e Mísseis Balísticos da Marinha Chinesa

Se em 1974 o Type 091, primeiro submarino nuclear chinês, foi motivo de chacota internacional devido a sua completa ineficiência em combate, hoje o desenvolvimento tecnológico do país surpreende o ocidente e a rápida expansão da Marinha do Exército de Libertação Popular da China preocupa os estrategistas dos EUA

CSG 12, um Carrier Strike Group da US Navy

190621-N-FK070-1312 ARABIAN SEA (June 21, 2019) An MH-60S Sea Hawk helicopter from the Nightdippers of Helicopter Sea Combat Squadron (HSC) 5 transports cargo from the dry cargo and ammunition ship USNS Alan Shepard (T-AKE 3) to the Nimitz-class aircraft carrier USS Abraham Lincoln (CVN 72) during a vertical replenishment-at-sea. The Abraham Lincoln Carrier Strike Group is deployed to the U.S. 5th Fleet area of operations in support of naval operations to ensure maritime stability and security in the Central Region, connecting the Mediterranean and the Pacific through the western Indian Ocean and three strategic choke points. With Abraham Lincoln as the flagship, deployed strike group assets include staffs, ships and aircraft of Carrier Strike Group (CSG) 12, Destroyer Squadron (DESRON ) 2, the guided-missile cruiser USS Leyte Gulf (CG 55) and Carrier Air Wing (CVW) 7. (U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 1st Class Brian M. Wilbur/Released)

Muito se fala dos Strike Groups da US Navy, frotas lideradas por porta-aviões com um poder aeronaval realmente impressionante. Conheça um pouco mais sobre a estrutura de comando e a operação dessas formações da marinha americana.

O Type 002, o terceiro porta-aviões da China

Recentes fotografias de satélite mostram imagens do que poderia ser a construção do terceiro porta-aviões chinês, o Type 002, no Estaleiro Jiangnan, em Shangai.

Controle Marítimo: Submarinos ou Poder Aéreo?

Controle Marítimo: Submarinos ou Poder Aéreo? O poder aéreo tem sido o fator decisivo em quase todos os grandes engajamentos navais desde o início da Segunda Guerra Mundial.

Perseguição no Mediterrâneo, Combates no Mar Negro – Parte I

No início da I Guerra, dois cruzadores alemães colocaram em xeque a supremacia britânica no Mediterrâneo, deixaram o Almirantado em polvorosa e puseram-se sob bandeira turca. Confira este excelente artigo de José Antonio Mariano.

A Batalha da Jutlândia

Talvez devido a Batalha do Somme, com mais de um milhão de mortos, ter ocorrido pouco tempo depois, a Batalha da Jutlândia acabou ficando um pouco esquecida pela História. No entanto, com mais de 6.000 marinheiros britânicos mortos – contra 2.500 alemães – foi o dia mais sangrento da história da Marinha Real.

A Batalha de Tsushima

Pouco mencionada, a Batalha de Tsushima, travada durante a guerra Russo-Japonesa no início do século XX, ensina algumas lições, além de ser notável em diversos aspectos.