CSG 12, um Carrier Strike Group da US Navy

Banner-ADG

Albert-VF1 Por Albert Caballé Marimón

Baixar-PDF


DESCRIPTION OF WHAT IS HAPPENING

Helicóptero MH-60S Sea Hawk do HSC 5 transporta carga do navio de munição USNS Alan Shepard para o porta-aviões USS Abraham Lincoln durante um reabastecimento vertical no mar, 21 de junho de 2019 (Foto: US Navy/Mass Comm Specialist 1st Class Brian M. Wilbur)


Durante os recentes acontecimentos no Golfo de Omã e incidentes entre Irã e os EUA, tem havido muitas menções ao grupo de ataque baseado em porta-aviões dos EUA operando na região. O grupo em questão é o CSG (Carrier Strike Group) 12, liderado USS Abraham Lincoln, um porta-aviões nuclear da classe Nimitz. Mas o que é, como opera e qual é a composição de um “Carrier Strike Group”?

O CSG é uma formação operacional da US Navy, a Marinha dos Estados Unidos, geralmente composto por aproximadamente 7.500 militares, um porta-aviões, pelo menos um cruzador, um esquadrão de destroieres com pelo menos dois destroieres e uma ala aérea de aproximadamente 70 aeronaves. Pode incluir ainda submarinos e um navio de apoio logístico. É o elemento principal da capacidade de projeção de força dos EUA. Geralmente são designados pelo nome do porta-aviões a que estão associados (por exemplo, Lincoln Strike Group).

O CSG é uma força aeronaval capaz de operar dia e noite em quaisquer condições meteorológicas. O papel principal do porta-aviões e sua ala aérea é fornecer poder de fogo ofensivo, enquanto os demais navios são responsáveis pela defesa e apoio. No entanto, as funções não são exclusivas. Os navios do grupo podem conduzir operações ofensivas, e a ala aérea contribui para a defesa do grupo através de patrulhas aéreas de combate e operações antissubmarino. Do ponto de vista de comando e controle, os CSG são organizados de acordo com a missão.


Assista ao vídeo 651 do CANAL ARTE DA GUERRA: Carrier Strike Groups: o que é e para que serve


Composição típica de um CSG

Um CSG não está restrito a uma composição específica e pode ser modificado conforme a missão, portanto um pode ser diferente do outro. Ainda assim, são compostos por navios de tipo similar. Um CSG normalmente inclui:

  • Um porta-aviões, a peça central do CSG, que opera também como capitânia para o Comandante do CSG e seu respectivo staff. Geralmente é comandado por um oficial da comunidade de aviação da US Navy.
  • Uma ala aérea (CVW), que normalmente consiste de até nove esquadrões. As alas aéreas são comandadas por um capitão da comunidade da aviação (às vezes um coronel dos Marines).
  • Um ou dois cruzadores de mísseis guiados classe Ticonderoga, um navio multimissão equipado com mísseis Tomahawk com capacidade de ataque de longo alcance. Cada Ticonderoga é comandado por um capitão da comunidade de superfície.
  • Um esquadrão destroieres (DESRON) com pelo menos dois a três destroieres de mísseis guiados classe Arleigh Burke, navios multimissão usados principalmente para guerra antiaérea (AAW, Anti-air Warfare) e antissubmarino (ASW, Anti-submarine Warfare), que também transportam mísseis Tomahawk para ataques de longo alcance. O esquadrão de destroieres e cada destroier são comandados por oficiais da comunidade de superfície.
  • Até dois submarinos de ataque, usados ​​para rastrear navios e submarinos de superfície hostis, mas que também carregam mísseis Tomahawk para ataques de longo alcance.
  • Um navio de abastecimento combinado (combustível, munição e suprimentos), geralmente classe Supply-class.

Enquanto o comandante do CSG é o superior operacional dos vários componentes, administrativamente os navios e a ala aérea são designados a diferentes comando da US Navy. Os porta-aviões e a Ala Aérea estão sob o controle administrativo do Comando da Força Aeronaval da Frota do Atlântico ou do Pacífico; as escoltas, (os cruzadores e os destroieres) estão sob o controle administrativo do Comando da Força Naval de Superfície do Atlântico ou do Pacífico.

Estrutura de Comando Combinado de Guerra

O Grupo de Ataque compreende vários comandos, todos eles reportando-se à autoridade do Comandante do CSG (CCSG ou COMCARSTRKGRU). O CCSG é tipicamente um Contra-Almirante de 1 estrela, que geralmente é promovido a duas estrelas durante a missão. Ele é o COMIMSUP, Comando Imediatamente Superior (em inglês ISIC, Immediate Superior in Command) para os oficiais comandantes do porta-aviões, da ala aérea, do esquadrão de destroieres e dos cruzadores designados CSG. É o responsável pelo treinamento em nível de unidade, pelo treinamento integrado e pela prontidão das embarcações e unidades designadas, bem como pelas funções administrativas e pela disponibilidade de material para os navios e esquadrões designados ao grupo de ataque.

Em batalha, o CCSG é também conhecido como Comandante Combinado de Guerra (CWC, Composite Warfare Commander), que atua como autoridade central de comando para todo o grupo de ataque. O CWC designa comandantes de guerra subordinados para as várias missões:

  • Strike Warfare (STWC): O comandante de ataque é geralmente o comandante da ala aérea. Ele define a filosofia geral do ataque e emprega tanto as aeronaves da ala aérea como os mísseis Tomahawk do grupo de ataque.
  • Guerra Aérea (AWC): O comandante de um dos cruzadores do grupo de ataque é geralmente designado comandante de Guerra Aérea. Ele é o único comandante de guerra que não está no porta-aviões, pois o Centro de Informações de Combate (CIC) dos cruzadores AEGIS é especialmente projetado para funções de combate aéreo.
  • Comando e Controle, Espaço e Guerra Eletrônica (C2W): O comandante de guerra espacial e eletrônica atua como principal assessor do CWC para uso e contra-uso do espectro eletromagnético por forças amigas e inimigas. Ele promulga restrições de controle de emissões de força (EMCON), monitora sensores de inteligência e vigilância orgânicos e não orgânicos e desenvolve planos operacionais, diversionistas e contramedidas conforme a necessidade.
  • Guerra de Superfície (SUWC): O SUWC é responsável pela coordenação de vigilância de superfície e guerra no mar.
  • Guerra Submarina (USWC): responsável pelas operações de guerra submarina.

As responsabilidades do SUWC e do USWC são geralmente combinadas no Comando de Combate Marítimo (SCC, Sea Combat Commander), geralmente delegadas ao comandante do DESRON. Ele executa essas tarefas a bordo do porta-aviões devido aos recursos superiores de Comando-Controle-Comunicações-Computadores e Inteligência (C4I). Há ainda coordenadores que gerenciam os sensores e demais ativos do grupo de ataque atuando no apoio do CWC e seus comandantes de guerra.

O Carrier Strike Group 12

O CSG 12, operando atualmente no Golfo de Omã, é composto pelos seguintes meios (esta composição é aproximada com base nas informações colhidas em fontes da US Navy e outras, e pode ser alterada a qualquer momento).


Captura de Tela 2019-06-26 às 16.59.41


O CVW 7, a ala aérea, é composta pelos seguintes esquadrões:


 

Captura de Tela 2019-06-27 às 10.59.36

LEGENDAS: VFA: Strike Fighter Squadron (Esquadrão de Caças de Ataque); VAQ: Electronic Attack Squadron (Esquadrão de Ataque Eletrônico); VAW: Carrier Airborne Early Warning (Esquadrão de Alerta Aéreo Antecipado); VRC: Fleet Logistics Support (Apoio Logístico da Frota); HSC: Helicopter Sea Combat (Helicópteros de Combate no Mar); HSM: Helicopter Maritime Strike (Helicópteros de Ataque Marítimo).


O Reabastecimento

O reabastecimento de um CSG é uma operação complexa, não apenas pela própria operação em si, mas pelo nível de controle de suprimentos necessário. Na US Navy, a operação de reabastecimento no mar é conhecida por RAS (Replenishment At Sea). Em 21 de junho passado, o USS Abraham Lincoln (CVN 72) realizou uma operação RAS com o navio de apoio USNS Arctic e o navio de carga e munições USNS Alan Shepard.

Um RAS é composto por um reabastecimento vertical (VERTREP, Vertical Replenishment), um reabastecimento conectado (CONREP, Connected Replenishment) ou ambos. Durante um VERTREP, alimentos, peças e suprimentos são transferidos de navios de suprimentos ao porta-aviões via helicópteros. Durante um CONREP, cabos são conectados entre os navios por um sistema de polias, para a transferência de combustível e suprimentos.

O planejamento de um RAS começa com um mínimo duas de semanas de antecedência para o departamento de suprimentos. Muito sucintamente, cada divisão envia seus pedidos e os navios de suprimento naval fazem as aquisições de fornecedores aprovados pela US Navy.

É feito um planejamento de quais materiais que devem ser descarregados e quais devem ser carregados e em que sequencia. As correias transportadoras devem ser verificadas, os grupos de trabalho organizados e os planos aprovados para os todos os locais de armazenamento de todos os suprimentos recebidos.

Uma grande parte dos materiais recebidos durante um RAS é de alimentos. É exigido pelo comando da US Navy que haja comida suficiente a bordo para alimentar a tripulação – em torno de 5.000 pessoas num porta-aviões – por pelo menos 45 dias.

Um RAS demonstra a intrincada cooperação interdepartamental a bordo do porta-aviões. Embora o Departamento de Suprimentos lidere as operações de RAS, também é feita a coordenação com Navegação, Operações Aéreas, Convoo e Armas para garantir que a operação seja bem executada.

REFERÊNCIAS

  • USNI News: Fleet and Marine Tracker: June 24, 2019
  • US Navy: Lincoln Supply Department Performs During Replenishments-at-Sea
  • United States Naval Reserve Intelligence Program: Module 3 – Battlegroup Commanders & the CWC concept

RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-06-26 às 19.11.02 CVN-72 Abraham Lincoln

  • por W. Frederick Zimmerman (Autor)
  • Em inglês
  • Capa Comum
Captura de Tela 2019-06-26 às 19.11.20 Post-War US Navy Air Carriers

  • por Martin W. Bowman (Autor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum

Anúncios

  10 comments for “CSG 12, um Carrier Strike Group da US Navy

  1. 27/06/2019 às 18:17

    Mais uma excelente materia.
    Texto bem didático, porém com uma leitura para nós os leigos do assunto. Parabens

    Curtido por 1 pessoa

    • 27/06/2019 às 20:51

      Muito obrigado pelo comentário, Jeimes. É isso o que nos anima!

      Curtir

    • Alison
      29/06/2019 às 00:02

      Isso é uma aula pré quem é ligado em assuntos de defesa vo ler muitas vezes

      Curtido por 1 pessoa

      • 29/06/2019 às 05:14

        Valeu Alison, com o tempo vamos complementar o assunto!

        Curtir

  2. Wilton Silveira
    28/06/2019 às 02:43

    Gostei do texto, mas me enrolei nas sopas de letrinhas. Poderia ter colocado todos os significados das siglas em inglês.

    Curtido por 1 pessoa

    • 28/06/2019 às 13:15

      Olá Wilton, tudo bem? Em parte dos casos, o significado está entre parênteses, ou ao lado da sigla (antes ou depois). realmente há alguns casos em que não foi colocado, mas são siglas que não tem uma associação direta com a frase que representam, por exemplo, VFA é a sigla para esquadrão de caças de ataque; em inglês é “Fixed Wing Strike Fighter Squadron”, não há associação direta da frase com a sigla. Em certas situações, isso pode ocorrer porque o nome mudou ao longo dos anos mas manteve-se a sigla original. Para tentar esclarecer um pouco, este link da Wikipedia tem as siglas usadas pela US Navy:
      https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_U.S._Navy_acronyms
      Espero que ajude. Obrigado pelo comentário!

      Curtir

  3. Rodrigo
    29/06/2019 às 12:53

    Muito boa a idéia de baixar em PDF! Parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Ricardo César Lovo
    29/06/2019 às 13:40

    A operação dos CSGs é realmente complexa e custosa. Entendo que, apesar dos comentários de declínio que vemos na internet, a projeção de poderio militar oferecida pelos CSGs deve durar ainda muitos anos. Fico tranquilo em saber que a maior e menos imperfeita democracia do mundo têm uma estrutura militar tão grande e capacitada. Ótimo texto. Abraço comandante!

    Curtido por 1 pessoa

    • 30/06/2019 às 20:09

      Realmente, só os americanos para manter DEZ!! CSG’s. Vou repassar seu abraço ao Comandante! Grato pelo comentário!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: