F-35 vence licitação dos novos caças suíços

O caça Lockheed Martin F-35A Joint Strike Fighter (Foto: Kristine Legate/USAF).

Além das 36 unidades do caça stealth, a Suíça também vai comprar cinco sistemas de defesa antimísseis Patriot da Raytheon Technologies.

Aeronaves F-35B do Reino Unido e dos EUA atacam o ISIS em primeiras missões de combate do HMS Queen Elizabeth

Um F-35B decola do HMS Queen Elizabeth na área de operações da Sexta Frota em 18 de junho de 2021 (Foto: Zachary Bodner/US Marine Corps).

O comandante da Ala Aérea do Queen Elizabeth disse que é a primeira missão de combate realizada pelos EUA a partir de um porta-aviões estrangeiro desde o HMS Victorious em 1943, e mostra o nível de integração entre a Royal Navy, a Royal Air Force e os US Marines.

Grã-Bretanha poderia desacelerar suas compras de F-35

F-35B Lightning II conduzindo testes a bordo do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth, em 13 de outubro de 2018 (Foto: Royal Navy).

A Grã-Bretanha havia dito que compraria 138 jatos, mas recentemente se tornou vaga sobre quando e quantos caças acabará comprando.

Lockheed Martin F-35 lidera avaliação de novo caça a jato suíço

Formação de caças F-35 Lightning II da USAF durante exercício no Utah Test and Training Range, em 19 de novembro de 2018 (Foto: Cory D. Payne/USAF).

Governo suíço decidirá entre o Airbus Eurofighter, o Dassault Rafale, o Boeing F/A-18 Super Hornet ou o Lockheed Martin F35-A.

Lockheed diz que a demanda global por caças F-35 segue forte, apesar da incerteza sobre os planos da USAF

O custo de um F-35A agora está abaixo de US$ 80 milhões (Foto: Andrew Lee/USAF).

Legisladores que apoiam o programa encontraram um forte aliado no sindicato dos trabalhadores da aeronave, que representa mais de 250.000 empregos na fabricação direta e indireta do F-35.

Caças europeus escoltam bombardeiros russos Tu-160 sobre o Mar Báltico

Tu-160, bombardeiro russo de mísseis estratégicos Tu-160 (Foto: Gabinete de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia/Tass).

Dois bombardeiros Tu-160 da aviação de longo alcance da Rússia realizaram um voo programado que durou cerca de oito horas.

Jatos F-35B italianos e britânicos treinam juntos pela primeira vez – graças à pandemia

Jato F-35B da Força Aérea Italiana é reabastecido em Pantelleria a partir de um C-130J italiano durante exercício de 8 de junho (Foto: Força Aérea Italiana).

O jato britânico voou do HMS Queen Elizabeth, que segue em missão rumo à Ásia-Pacífico. O F-35B italiano chegou a Pantelleria pela segunda vez, testando plano italiano de implanta-lo em bases com pistas muito curtas.

Lockheed discute a definição das entregas de F-35 para 2022

Uma aeronave Lockheed Martin F-35 é vista no ILA Air Show em Berlim, Alemanha, 25 de abril de 2018 (Foto: Axel Schmidt/Reuters).

O governo americano é o maior cliente da Lockheed, tendo respondido por três quartos de suas vendas no ano passado.

Radar Semanal 04/06/2021

Artigos recentes da internet na China alegam que o bombardeio da OTAN em 1999 contra a embaixada de Pequim na Iugoslávia foi intencional, alegando que a embaixada abrigava secretamente os restos mortais de um caça stealth americano F-117 Nighthawk abatido na região semanas antes (Foto: Reuters).

No Radar desta semana, um artigo questiona se não há interesses escusos por trás das críticas ao F-35; uma análise geopolítica dos interesses no Chifre da África; uma avaliação do recente pedido de desculpas francês pelo genocídio em Ruanda; e uma curiosa história, talvez incrível demais, sobre qual seria a verdadeira razão do bombardeio da embaixada chinesa na Iugoslávia em 1999.

Lockheed pretende produzir 169 caças F-35 em 2022

Lockheed Martin F-35B Lightning II da RAF (Foto: Falcon Photography/Flickr).

Empresa afirmou que espera que a taxa de produção se estabilize em 175 aeronaves por ano após 2022; A estimativa para 2021 é de entregar pelo menos 133 jatos.