Radar Semanal 05/03/2021

Neste radar, as perspectivas da ASEAN em relação ao gole em Mianmar; o aumento do orçamento de defesa chinês preocupa a Índia; após sanções contra funcionários russos, Moscou alerta Washington; lançador Patriot poderá disparar mísseis israelenses SkyCeptor; Rússia retoma projeto de míssil ar-ar de curto alcance; e uma análise do South China Morning Post sobre as políticas para fortalecimento das cadeias de abastecimento americanas de Biden.

A estratégia americana para o Irã

Embora a política de Joe Biden para o Irã não esteja bem definida, o que parece claro é que há um imperativo político de desfazer as políticas implementadas por Donald Trump. O retorno ao status da era Obama parece ser o desejo implícito, mas na atual configuração geopolítica da região, essa estratégia provavelmente é impossível.

Radar Semanal 26/02/2021

No Radar Semanal de hoje, destacamos dois fatos que consideramos marcantes: o ataque americano à instalações na Síria, a primeira ação militar de Joe Biden, e a escalada da crise em Mianmar, cuja solução parece cada vez mais distante. Selecionamos três artigos sobre cada assunto, procurando trazer visões distintas.

Radar Semanal 06/02/2021

EXCLUSIVO ASSINANTES: Nesta edição, o golpe de estado em Mianmar, no sudeste asiático, uma análise de como a eleição de Joe Biden pode afetar as relações entre Israel e a Turquia, e um acadêmico americano acredita que o alinhamento ideológico pode estar empurrando os Estados Unidos ao totalitarismo.

As reversões de Joe Biden

Passado o período de promessas eleitorais, Joe Biden, agora empossado como o 46º presidente dos Estados Unidos, deverá lidar com a realidade das pressões sofridas pelos ocupantes da Casa Branca. Em relação à política externa, não será fácil cumprir todas as suas promessas de campanha frente às realidades que terá que enfrentar. Biden agora corre o risco de ser condenado pelo que fizer e pelo que não fizer.

Batalha de Wizna, as “Termópilas Polonesas”: entre o mito e o fato (Parte 1)

Afoito, quase desesperado, o soldado de artilharia Seweryn Biegański pedala furiosamente pela estrada que atravessa a floresta, rumando na direção de Góra Strękowa, 36 km ao sul. Ele saiu do Forte Osowiec, cidadela que se manteve inexpugnável por seis meses e meio na I Guerra e não foi tomada pelos alemães nem mesmo com o uso de armas químicas. Tem pressa e precisa ter mesmo. É manhã de 10 de setembro de 1939, décimo dia da invasão alemã à Polônia, e Biegański leva uma mensagem ao capitão Władysław Raginis, comandante do setor Wizna.

O avanço globalista na civilização ocidental

As ideias e conceitos do Globalismo vem avançando no Ocidente, entrando em choque com os valores do Conservadorismo. Este artigo apresenta uma análise através da metodologia Global Business Network para avaliar fatores-chave de ambas as correntes de pensamento, procurando identificar os possíveis cenários que podem surgir a partir deste confronto.

O caos em Manaus e as medidas de Mobilização Nacional

Estamos vivendo uma pandemia em que as medidas de gestão são de Mobilização Nacional, porém sem a decretação do Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB). Isso não importa. O que importa é o ato de mitigar o problema que se afigura.

Diagnóstico da (in)segurança

A população não se atém às estatísticas do crime e sim aos fatos que geram a sensação de insegurança e reforçam o medo concreto. É imperativo que a lei penal brasileira seja menos benevolente com criminosos, deixando de conceder benefícios e regimes carcerários alternativos. Diante do clima de insegurança, medo e descrédito nas instituições responsáveis pela segurança da população, tem surgido soluções imediatistas que não resolvem os problemas.

Obama, Trump e Biden: consistência na política externa

Embora se espere que a política externa dos Estados Unidos sob a próxima administração Biden se afaste de alguns dos princípios-chave da política do presidente Donald Trump, como o “America First”, George Friedman, analista do Geopolitical Futures, aponta para uma grande possibilidade de continuidade, especialmente no que diz respeito às relações com a China e a Rússia.