EUA iniciam guerra por procuração contra o Irã

Compartilhe:
O porta-aviões americano USS Dwight D. Eisenhower transita pelo Canal de Suez, 4 de novembro de 2023 (Marinha dos EUA).

Por M. K. Bhadrakumar*

O porta-aviões americano USS Dwight D. Eisenhower transita pelo Canal de Suez, 4 de novembro de 2023 (Marinha dos EUA).

Os EUA correm o risco de se envolver com os grupos de resistência, que não teriam nada a perder e tudo a ganhar ao criarem um atoleiro para Washington.


Está em movimento um destacamento naval maciço dos EUA em um amplo arco do chamado Grande Oriente Médio – que se estende desde Creta, no Mediterrâneo Oriental, até ao Mar Vermelho e Bab el-Mandeb, até o Golfo de Aden e até o Golfo de Omã. Esta demonstração dissuasora pode se transformar em operações ofensivas de larga escala e visa reelaborar alinhamentos geopolíticos e trazê-los de volta aos padrões tradicionais de rivalidades intrarregionais na região do Golfo.

Observadores de navios disseram pela primeira vez que, na quinta-feira, o porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower e sua escolta navegavam perto do Estreito de Ormuz, no Golfo de Omã, e se aproximavam do Golfo Pérsico. Um funcionário do Pentágono confirmou a localização, mas não informou se o porta-aviões entrará no Golfo Pérsico passando pelo Estreito de Ormuz.

A expansão naval dos EUA na região também consiste em outro grupo de ataque de porta-aviões – o USS Gerald Ford e suas escoltas – que na semana passada se afastou da costa israelense e agora está reposicionado ao sul de Creta, segundo observadores de navios, aparentemente fora do alcance dos mísseis do Hezbollah do Líbano.

Além dos dois grupos de ataque de porta-aviões, o destacamento dos EUA também inclui três navios do Bataan Amphibious Ready Group com a 26ª Unidade Expedicionária de Fuzileiros Navais e vários destróieres de mísseis guiados – o USS Bataan e USS Carter Hall operando na porção norte do Mar Vermelho e o USS Mesa Verde no Mediterrâneo Oriental junto com o navio de comando USS Mount Whitney.

Além disso, há um certo número de submarinos de ataque dos EUA na região, mas o Pentágono normalmente não divulga suas localizações – exceto uma rara divulgação recente pelo Comando Central dos EUA do trânsito, em 5 de novembro, do submarino de mísseis nucleares guiados USS Florida a leste de Suez.

A explicação mais óbvia para uma expansão naval tão formidável é que faz parte do esforço dos EUA para manter contido o atual conflito no sul de Israel e em Gaza. O Hezbollah continua disparando foguetes e mísseis antitanque contra Israel a partir do Líbano; Grupos militantes xiitas apoiados pelo Irã estão atacando as bases dos EUA no Iraque e na Síria; e os rebeldes Houthi no Iêmen estão disparando mísseis contra Israel. Desde 17 de outubro, ocorreram pelo menos 58 ataques a bases dos EUA, principalmente no Iraque.

A opinião linha-dura nos EUA é que os grupos militantes que atacam as forças dos EUA estão agindo a mando do Irã. Esta alegação é um velho fantasma EUA-Israel e continua a surgir sempre que o Irã está na mira e/ou há necessidade de um jogo de culpas. A opinião dos especialistas, inclusive nos EUA, sempre foi cautelosa em relação a isso.

Observadores de longa data estimam que, embora Teerã esteja ajudando abertamente os vários grupos de resistência que operam no Oriente Médio a empurrar os EUA e Israel, isso não faz destes grupos exatamente “representantes iranianos”. Assim, descobriu-se que o Irã foi apanhado de surpresa pelo ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro. Segundo a Reuters, em uma recente reunião em Teerã com Ismail Haniyeh, o presidente do gabinete político do grupo, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, levantou essa questão.

De qualquer forma, é um fato conhecido que o establishment dos EUA está bem consciente das realidades da sua situação com o Irã e não hesitou em usar canais secundários para se apoiar em Teerã e usar seus bons ofícios com os grupos militantes xiitas que operam no Iraque para exercer contenção. Mas o resultado final é que o Irã também tem suas limitações em tempos tão extraordinários como os de hoje, quando o ódio e a raiva contra os EUA e Israel atingiram um crescendo nos países muçulmanos.


LIVRO RECOMENDADO:

Reflexões sobre o Oriente Médio: Para entender a geopolítica daquela região

• Lejeune Mirhan (Autor)
• Em português
• Capa comum


Curiosamente, coincidindo com a chegada do porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower e suas escoltas às águas do Estreito de Ormuz, o Construto de Segurança Marítima Internacional (IMSC, International Maritime Security Construct), um consórcio de países com sede no Bahrein, cujo objetivo oficial declarado é a manutenção da ordem e a segurança no Golfo Pérsico, Golfo de Omã, Golfo de Aden e sul do Mar Vermelho, particularmente no que diz respeito à segurança marítima das rotas globais de abastecimento de petróleo – emitiu um comunicado na quinta-feira para navios que se aproximam de Bab el-Mandeb e do Mar Vermelho aconselhando especificamente que “ao escolher rotas, oriente-se para criar a máxima distância possível das águas do Iêmen”.

Dois dias depois, os militares israelenses afirmaram que os Houthis do Iêmen tinham efetivamente apreendido um navio de carga no sul do Mar Vermelho quando este navegava da Turquia para a Índia; embora os militares acrescentassem que o navio não era de propriedade israelense e não tinha israelenses entre sua tripulação, os detalhes de propriedade em bancos de dados públicos de navegação associavam os proprietários do navio à Ray Car Carriers, fundada por Abraham “Rami” Ungar, conhecido como um dos homens mais ricos de Israel.

Não é preciso muita engenhosidade para descobrir que os EUA, que já estão sofrendo uma humilhação com os Houthis tendo abatido recentemente um drone MQ-9 Reaper americano sobre águas internacionais, estão se movendo contra os Houthis. Isso precisa de alguma explicação.

A questão é que a IMSC é uma “coligação de vontades” liderada pelos EUA, fora do âmbito da missão da Organização Marítima Internacional, a agência especializada das Nações Unidas “para promover transporte marítimo seguro, protegido, ambientalmente saudável, eficiente e sustentável através da cooperação”.

Foi criado em 2019 no contexto da guerra no Iêmen e compreende, entre outros, os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita da região do Golfo. O seu leitmotiv foi contrariar o eixo Irã-Houthi durante a intervenção Saudita-Emirados no Iêmen – essencialmente, como parte da estratégia de contenção dos EUA contra o Irã que dominava a política regional naquele momento.

Significativamente, se o governo Biden planeja atacar os Houthis fazendo com que pareça um ataque retaliatório/punitivo, e para esse fim está invocando a plataforma IMSC, que pertence a uma época anterior à reaproximação Saudita-Irã mediada pela China, isso se torna uma brilhante manobra geopolítica onde os EUA esperam atingir múltiplos objetivos, matando vários coelhos com uma única cajadada.

Estes objetivos vão desde derrubar o Irã um ou dois degraus no folclore regional da dinâmica de poder; criar uma barreira entre a Arábia Saudita e o Irã, em uma conjuntura em que a amizade entre os dois rivais tradicionais está frustrando os planos dos EUA de “integrar” Israel; restabelecer o “choque e pavor” do poder dos EUA no Oriente Médio (e a nível mundial); manter as rotas marítimas do Mar Vermelho abertas aos navios israelenses; e, em termos estratégicos, dominar as vias navegáveis do Mar Vermelho que conduzem ao Canal de Suez.

A propósito, o Mar Vermelho tem assistido ultimamente a uma contestação de grandes potências – a China tem uma base naval no Djibuti e a Rússia espera estabelecer uma base submarina no Sudão; A Eritreia é um estado litorâneo virulentamente anti-EUA no Mar Vermelho; e os EUA estão tentando desesperadamente uma mudança de regime na Etiópia, o maior país do continente africano, que mantém relações muito amigáveis com a Rússia.


Mapa da região do Mar Vermelho e seu entorno.

Um atoleiro para os EUA?

Ainda mais curioso é o momento em que o grupo de porta-aviões dos EUA chega na região do Golfo Pérsico. O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou no domingo que uma delegação composta por ministros das Relações Exteriores árabes e islâmicos visitará a China de 20 a 21 de novembro para manter “comunicação e coordenação profunda” com Pequim “sobre maneiras de desescalar o atual conflito palestino-israelense, proteger civis e buscar uma solução justa para a questão palestina”. A delegação é composta pelos ministros das Relações Exteriores da Arábia Saudita, príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, do Egito, Sameh Shoukry, da Indonésia, Retno Marsudi, da Palestina, Riyad Al-Maliki, pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, e pelo secretário-geral da Organização para Cooperação Islâmica, Hussein Brahim Taha.

O desenvolvimento acima é uma iniciativa saudita. Não há dúvida de que a aproximação coletiva dos países muçulmanos à China como seu principal interlocutor na atual fase do conflito Palestina-Israel é uma rejeição diplomática aos EUA. Dito de forma sucinta, a unidade árabe também está se tornando um espinho na carne para o presidente Biden, em um momento em que os EUA consideram cada vez mais difícil bloquear o impulso sino-árabe para um cessar-fogo em Gaza e conter a condenação internacional da horrível violência de Israel contra o povo palestino, especialmente no Sul Global.

Ao atacar os Houthis do Iêmen, o plano de jogo do governo Biden é minar a aproximação entre a Arábia Saudita e o Irã, jogando com a antipatia saudita para com os Houthis, por um lado, e provocando Teerã, por outro. Basicamente, os EUA esperam pagar ao Irã na mesma moeda.

Como afirmou um artigo de opinião no The Hill: “É tempo de Biden e os principais conselheiros na sua equipe de segurança nacional … de assumirem uma defesa ativa, atacando duramente e sem remorso os representantes iranianos quando estes representam uma ameaça, e não depois de já terem atacado. E a causa provável deve ser suficientemente boa para proteger nossos militares que ocupam bases remotas no Iraque e na Síria … um nariz sangrando é a única resposta que o Irã entende, e é precisamente a resposta que os EUA devem dar” (aqui).

O governo Biden já deve estar sentindo que as operações israelenses contra o Hamas não estão levando a lugar algum e podem se transformar em uma longa jornada, graças à recusa obstinada do Estado sionista em confrontar a sua culpa e vergonha ou aceitar uma solução de dois Estados para a questão palestina. A opinião pública americana está se tornando cética quanto à forma como Biden está lidando com a situação e os aliados dos EUA sentem-se perturbados. Na verdade, o próprio Israel é um país profundamente dividido.

Entretanto, o isolamento diplomático dos EUA no Oriente Médio atinge hoje um nível sem precedentes. A grande questão é se através da coerção – “poder inteligente” – é possível recuperar o terreno perdido onde o cerne da questão é que os EUA já não são confiáveis no Oriente Médio. Além disso, o Irã detém a patente do “poder inteligente”, que tem aperfeiçoado como ferramenta diplomática ao longo das últimas quatro décadas para afastar com sucesso os desafios existenciais vindos dos EUA.

Os EUA correm o risco de se envolverem com os grupos de resistência, que não têm nada a perder e tudo a ganhar ao criarem um atoleiro para Washington. O cerne da questão é que os grupos de resistência operam em suas terras natais e desfrutam de vastas redes de apoio social. Esta, portanto, torna-se uma batalha desigual, em última análise. Se vale a pena correr o risco – tudo isso para aumentar o desmoronado moral israelense – deveria ser uma questão de profunda reflexão para o governo Biden antes de embarcar em mais uma guerra eterna no Oriente Médio.


Publicado no Indian Punchline.

*M. K. Bhadrakumar foi diplomata de carreira por 30 anos no Serviço de Relações Exteriores da Índia. Serviu na embaixada da Índia em Moscou em diversas funções e atuou na Divisão Irã- Paquistão-Afeganistão e na Unidade da Caxemira do Ministério das Relações Exteriores da Índia. Ocupou cargos nas missões indianas em Bonn, Colombo, Seul, Kuwait e Cabul; foi alto comissário interino adjunto em Islamabad e embaixador na Turquia e no Uzbequistão.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

5 comentários

  1. O Irã ter sido apanhado de surpresa pelo ataque do Hamas é forçar demais não?
    E apesar de achar que os falcões da guerra do Depto. de Estado norte americano serem absolutamente histéricos e criminosamente irresponsáveis ao criar a guerra da Ucrânia.
    No tocante ao papel do Irã junto a estes grupos e seus atos acredito piamente afinal são loucos pero no mutcho, jamais agiriam se não tivessem aval de um estado nação já consolidado na região…

  2. O texto cita a “recusa obstinada” de Israel à solução de dois Estados. Trata-se de afirmação mentirosa – sendo suave no uso da expressão – uma vez que qualquer consulta escolar poderá informar a recusa de Arafat quando das negociações com Israel. No máximo, poderiam ser criticadas as condições oferecidas na negociação, o que, por evidente, é MUITO distinto de recusa obstinada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

V-UnitV-UnitPublicidade
AmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também