Guerra da Ucrânia: Uma avaliação geoestratégica

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Tropas pró-Rússia em deslocamento em uma estrada que leva a Mariupol, no sul da Ucrânia, na última sexta-feira 15 de abril (Reuters).

Por Swiss Policy Research*

Tropas pró-Rússia em deslocamento em uma estrada que leva a Mariupol, no sul da Ucrânia, na última sexta-feira 15 de abril (Reuters).

Embora a própria invasão da Ucrânia já seja uma grande escalada das tensões geopolíticas, pode levar a escaladas ainda maiores, sejam econômicas ou militares.


Expansão – Invasão – Insurgência

A invasão russa da Ucrânia em curso pode ser vista como a mais recente escalada de mais de duas décadas de tensões geopolíticas entre os EUA, a OTAN e a Rússia. Mais especificamente, pode ser visto como uma primeira resposta militar russa a duas décadas de expansão oriental da aliança militar EUA/OTAN.

Após a independência da ex-república soviética da Ucrânia em 1991, os EUA inicialmente esperavam adquirir pacificamente a Ucrânia como um estado-cliente dentro de cerca de 20 anos, semelhante a outros ex-estados soviéticos ou do Pacto de Varsóvia na Europa Oriental. No fluxograma mostrado abaixo, que é baseado em um modelo desenvolvido pelos professores de ciência política David Sylvan e Stephen Majeski, tal desenvolvimento teria sido o cenário J – o mais pacífico de todo o gráfico.


IMAGEM 1: Fluxograma da lógica da política externa americana. A Ucrânia pode vir a se tornar o cenário C, E ou R (Sylvan & Majeski).

No caso da Ucrânia, no entanto, essa empreitada se mostrou mais difícil do que o esperado, especialmente devido ao ressurgimento das ambições geopolíticas russas durante a presidência de Vladimir Putin. Assim, os EUA tiveram que encenar duas mudanças de regime ou revoluções – a “Revolução Laranja” em 2004 e a “Euromaidan” em 2014 – para adquirir a Ucrânia como cliente ou estado proxy (cenário L acima).

A Rússia respondeu, em 2014, anexando ou reintegrando a Crimeia (base da frota russa do Mar Negro) e apoiando a secessão de fato das partes de língua russa do leste da Ucrânia. Além disso, a Rússia alertou contra a adição da Ucrânia como membro ou parceiro da OTAN, percebida como uma ameaça militar e estratégica direta à Rússia – semelhante à forma como os Estados Unidos podem perceber uma aliança militar russa ou chinesa com o México ou Cuba.

Durante a presidência de Donald Trump (2017-2020), o conflito na Ucrânia essencialmente estagnou (veja a discussão abaixo). No entanto, com o advento da presidência de Biden, que de muitas maneiras segue uma política externa mais tradicional dos EUA, o conflito na Ucrânia esquentou novamente. Em particular, as negociações sobre a adição da Ucrânia como parceira ou membro da OTAN foram retomadas e os planos para recapturar os territórios separatistas no leste da Ucrânia e possivelmente até a Crimeia foram reativados. Mais recentemente, o presidente ucraniano discutiu a possibilidade de adquirir armas nucleares para dissuadir a Rússia.

Em dezembro de 2021, a Rússia publicou um conjunto de propostas ou exigências, dirigidas aos EUA e à OTAN, sobre garantias mútuas de segurança. Em particular, a Rússia pediu aos EUA e à OTAN que removessem suas forças e infraestrutura militar dos estados membros que aderiram à aliança após 1997 (ou seja, toda a Europa Oriental); não admitir ex-repúblicas soviéticas na OTAN (por exemplo, Ucrânia e Geórgia); remover armas nucleares dos EUA da Europa; e restabelecer o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (suspenso pelos EUA em 2019). Veja as propostas russas completas aqui e aqui.

Em janeiro de 2022, tanto os EUA quanto a OTAN rejeitaram essas propostas ou demandas como irreais. “Esta aliança não vai voltar no tempo e retornar a uma era completamente diferente, onde tínhamos uma aliança muito diferente com uma pegada menor e muito diferente”, disse o enviado da OTAN dos EUA em 11 de janeiro de 2022. Seis semanas depois, em 24 de fevereiro de 2022, a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia (veja discussão mais detalhada na próxima seção).

Se a operação militar russa atingir seus objetivos, isso levaria à perda da Ucrânia como cliente ou estado proxy dos EUA (cenário C no fluxograma acima). No entanto, vários membros da OTAN já começaram a fornecer armas antitanque e antiaéreas para a Ucrânia ou consideram uma “zona de exclusão aérea” sobre partes da Ucrânia (ou seja, cenário E, apoio militar). Além disso, há planos para apoiar uma insurgência armada contra uma Ucrânia ocupada ou controlada pelos russos (cenário R).

Em resposta à invasão da Ucrânia, os países da OTAN atingiram a Rússia com sanções econômicas e diplomáticas sem precedentes, e alguns políticos ocidentais pediram uma mudança de regime em Moscou ou o assassinato do presidente russo (cenário L).

Agressão – Preempção – Provocação

Para avaliar a invasão russa da Ucrânia de forma abrangente, pode-se distinguir entre o nível geopolítico e o nível militar.

No nível geopolítico, a intervenção russa pode ter que ser vista, até agora, como um movimento defensivo e quase desesperado em resposta a 20 anos de expansão da OTAN na Europa Oriental (alguns analistas russos talvez vejam como um movimento defensivo ousado para “rolar de volta” a expansão da OTAN).

De fato, muitos dos principais geoestrategistas dos EUA – incluindo George Kennan, Henry Kissinger, John Mearsheimer e Stephen Cohen – há muito vêm desaconselhando a expansão da OTAN para a Europa Oriental e especialmente para a Ucrânia, a fim de evitar um confronto direto com a Rússia. Outros geoestrategistas americanos, no entanto, como Zbigniew Brzezinski, apoiaram a inclusão da Ucrânia na OTAN para limitar a influência russa na Europa.

No nível militar, a intervenção russa na Ucrânia é geralmente vista como um movimento ofensivo (ou seja, uma invasão ilegal), semelhante às invasões americanas de Granada em 1983, do Panamá em 1989 e do Iraque em 2003 (cenários A e S). As guerras dos EUA/OTAN contra a Sérvia em 1999, contra o Afeganistão em 2001, contra a Líbia em 2011 e contra a Síria a partir de 2014 consistiram principalmente em ataques aéreos e usaram milícias locais (ou estrangeiras) como forças terrestres (cenários Q e R).

O governo russo parece argumentar um pouco diferente, no entanto. Segundo a Rússia, Kiev vinha travando, desde 2014, uma campanha militar de oito anos contra as repúblicas separatistas de língua russa no leste da Ucrânia, descritas pela Rússia como um “genocídio” que custou até 14.000 vidas. Em 21 de fevereiro de 2022, a Rússia reconheceu formalmente as repúblicas separatistas e pediu a Kiev que suspendesse sua campanha militar. A Rússia argumentou que o reconhecimento formal das repúblicas foi respaldado pelo direito internacional devido aos precedentes ocidentais da Eslovênia em 1991 e especialmente Kosovo em 2008. Finalmente, em 24 de fevereiro, a Rússia respondeu a um “apelo de ajuda” de suas próprias repúblicas por procuração por lançar uma “operação militar especial” (ou seja, uma invasão) contra a Ucrânia.

Alguns analistas inicialmente esperavam que a Rússia lançasse apenas uma operação limitada de “manutenção da paz” no leste da Ucrânia (para proteger as “repúblicas” contra uma ofensiva ucraniana). No entanto, o presidente russo argumentou mais tarde que tal operação não resolveria as preocupações estratégicas da Rússia em relação ao apoio militar da OTAN e sua expansão na Ucrânia.

Outros analistas, principalmente do lado russo, argumentaram que a Rússia havia tomado conhecimento de uma iminente ofensiva ucraniana contra os territórios separatistas e, portanto, decidiu lançar um ataque preventivo contra Kiev. Embora seja verdade que a OSCE tenha relatado um aumento na atividade militar e violações do cessar-fogo nos dias que antecederam a intervenção russa, as evidências atualmente disponíveis não são suficientes para apoiar essa hipótese. Além disso, há evidências críveis de que a inteligência russa encenou várias supostas “provocações ucranianas” antes da invasão.

Finalmente, há a hipótese de que os EUA podem ter usado a Ucrânia propositalmente como uma armadilha para forçar a Rússia a uma guerra que poderia então ser usada para impor sanções econômicas e diplomáticas devastadoras e lançar uma insurgência armada potencialmente prolongada contra a Rússia.

Existem, de fato, vários precedentes históricos para tal cenário, embora a “história oficial” e os “documentários de TV” muitas vezes tentem desconsiderar ou ocultar tais provocações encobertas:

  • Em 2008, o governo georgiano, apoiado pelos EUA, tentou retomar o controle dos territórios separatistas da Abkhazia e da Ossétia do Sul, apoiados pela Rússia, o que desencadeou a Guerra Russo-Georgiana, mas os EUA e a Geórgia podem não ter esperado a resposta russa;
  • Em 1999, os EUA usaram a milícia albanesa do KLA para provocar uma operação sérvia no Kosovo e lançar a Guerra do Kosovo contra a Sérvia, com base em várias alegações falsas;
  • Em 1990, os EUA enganaram o Iraque para supor que poderia invadir o Kuwait para resolver uma disputa de petróleo, apenas para então lançar a Segunda Guerra do Golfo, baseada em parte na falsa história dos “incubadora de bebês do Kuwait”;
  • Em 1979, os EUA armaram e enviaram secretamente os mujahideens árabes (incluindo Osama bin Laden) para atacar o regime cliente soviético no Afeganistão (Operação Ciclone) e desencadear uma intervenção soviética de dez anos que foi vendida ao público ocidental como uma invasão soviética não provocada;
  • Em 1964, os Estados Unidos provocaram um primeiro incidente naval e inventaram um segundo incidente no Golfo de Tonkin vietnamita para justificar sua entrada na guerra do Vietnã;
  • Em 1950, os EUA podem ter usado o governo-cliente sul-coreano para encenar provocações de fronteira contra a Coreia do Norte e lançar a Guerra da Coreia, que acabou fracassando quando os chineses entraram na guerra. As verdadeiras origens da Guerra da Coréia permanecem bastante incertas, no entanto;
  • Em 1939, os EUA e a Grã-Bretanha parecem ter usado a Polônia para provocar um ataque alemão e lançar a Segunda Guerra Mundial, como mostraram mais tarde documentos diplomáticos recuperados em Varsóvia. Em 1941, os EUA parecem ter provocado o ataque japonês contra Pearl Harbor – do qual eles sabiam de antemão, pois já haviam quebrado os códigos japoneses – para entrar ativamente na guerra;
  • Em 1914, a inteligência russa pode ter usado nacionalistas sérvios para assassinar o arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono da Áustria-Hungria, para lançar a Primeira Guerra Mundial junto com a Grã-Bretanha e a França contra a Alemanha Imperial e o Império Otomano (turco). Em 1915, a Grã-Bretanha e os EUA provocaram o incidente naval Lusitania para começar a preparar a entrada dos EUA na guerra.

Embora seja certamente verdade que os EUA estavam considerando a possibilidade de uma invasão russa na Ucrânia – afinal, eles vinham alertando sobre isso por várias semanas – permanece incerto se essa era de fato sua intenção, ou se eles esperavam retomar a região do Donbass sem uma resposta russa. De qualquer forma, parece que a decisão russa de invadir não se deveu apenas à situação no leste da Ucrânia, mas a considerações geoestratégicas maiores, conforme descrito pelo próprio presidente russo.


Assista ao vídeo com a fala do conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Zbigniew Brzezinski, em 1979 no Paquistão/Afeganistão, aos Mujahideens: “Sua causa está certa e Deus está do seu lado!” (1 min.; CNN).

Trump – Oligarcas – Nacionalistas

Foi mencionado acima que durante a presidência de Trump (2017-2020), o conflito na Ucrânia essencialmente estagnou. Várias razões podem explicar esse hiato geopolítico:

  1. Em geral, Trump não era a favor de uma política externa intervencionista, embora seu governo tentasse mudanças de regime na Venezuela e na Bolívia; assassinou o general iraniano Qassem Soleimani; e lançou ataques de mísseis (bastante simbólicos) contra a Síria em resposta a ataques com armas químicas encenados por milícias islâmicas apoiadas pela OTAN;
  2. Mais especificamente, Trump não era um grande defensor da aliança da OTAN e das obrigações internacionais militares e financeiras dos EUA que a aliança implica;
  3. Trump e vários de seus associados têm ligações estreitas com empresários e oligarcas judeus na Ucrânia e na Rússia, cujo dinheiro eles ajudaram a investir em projetos imobiliários dos EUA. Esses oligarcas estão entre os maiores perdedores financeiros do conflito na Ucrânia, tanto do lado ucraniano (devido à invasão) quanto do lado russo (devido às sanções). Do lado ucraniano, a maioria fugiu do país nos dias anteriores à invasão russa.

Sobre este último ponto, é interessante notar que o oligarca judeu-ucraniano Ihor Kolomoisky é o patrocinador financeiro não apenas do atual presidente ucraniano Volodymyr Zelensky (que também é judeu), mas também do chamado batalhão Azov “neonazista” e vários outros batalhões nacionalistas antirrussos. Esses batalhões podem ou não ter visões antijudaicas, mas de qualquer forma parecem servir como peões em um jogo político e geopolítico muito maior.

Assim, quando o governo russo hoje afirma “desnazificar” a Ucrânia, isso pode se referir não principalmente aos aspectos antijudaicos da ideologia Nacional-Socialista, mas ao fato de que a Alemanha Nacional-Socialista foi a última potência que tentou invadir e conquistar a Rússia (Soviética).

De fato, durante a Segunda Guerra Mundial, muitos países do Leste Europeu – da Finlândia aos países bálticos, Hungria e Ucrânia – preferiram lutar ao lado da Alemanha contra a União Soviética, que na época era aliada da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos. A Ucrânia, em particular, teve uma experiência soviética extremamente negativa devido às horríveis fomes do “Holodomor” que mataram milhões de ucranianos. A Finlândia foi atacada pela URSS em 1939-40 e os estados bálticos foram ocupados pela URSS em 1940.

Ironicamente, enquanto os nacionalistas ucranianos esperavam lutar ao lado da Alemanha contra a União Soviética, a Alemanha na época não apoiava os nacionalistas ucranianos (que buscavam obter a independência ucraniana), pois a Alemanha tinha seus próprios planos para a Ucrânia do pós-guerra. Assim, o líder nacionalista ucraniano Stepan Bandera acabou em um campo de concentração alemão e foi libertado apenas em 1944 para ajudar a combater o maciço contra-ataque soviético que acabou derrotando a Alemanha.

Hoje, todos os ex-Estados do Pacto de Varsóvia e muitas ex-repúblicas da União Soviética preferem uma aliança com os países ocidentais da OTAN em vez de uma aliança com a Rússia ou um status neutro (as exceções incluem Bielorrússia, Cazaquistão e Ucrânia Oriental). Por outro lado, o atual governo russo tentou cooperar com os países da OTAN ou mesmo tornar-se membro da OTAN por mais de 20 anos, mas foi rejeitado por razões geoestratégicas principalmente pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, já que a Rússia obviamente não pretende se tornar um estado-cliente ocidental.


IMAGEM 2: O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky (centro), e o oligarca ucraniano Ihor Kolomoisky (centro-direita) em 2019. Acredita-se que Kolomoisky seja o verdadeiro proprietário do grupo de exploração de gás Burisma, que entre 2014 e 2016 pagou milhões ao seu “membro do conselho” Hunter Biden, filho do então vice-presidente dos EUA Joe Biden (Reuters).

Mídia e propaganda

A invasão russa em 24 de fevereiro deslocou imediata e quase completamente das notícias globais a “pandemia mortal de coronavírus” de dois anos.

A mídia ocidental complacente com a CFR/OTAN, tanto liberal quanto conservadora, imediatamente mudou para o modo de propaganda de guerra. No geral, a propaganda de guerra ocidental tenta ocultar ou minimizar as questões da expansão da OTAN e da segurança de Donbass e, em vez disso, tenta retratar a intervenção russa como uma “invasão não provocada” enquanto se concentra em baixas civis, resistência ucraniana e (supostos) reveses russos. Para obter uma visão geral de algumas histórias comuns de propaganda, consulte, por exemplo, aqui e aqui.

A mídia russa e pró-russa, por sua vez, tenta retratar a invasão como uma intervenção legítima e quase humanitária, algo semelhante ao retrato da mídia ocidental das guerras ilegais dos EUA/OTAN contra a Líbia em 2011 e contra a Sérvia em 1999.

Muitos meios de comunicação independentes discutiram as questões complexas da expansão da OTAN, os interesses de segurança russos e o status de cliente ou proxy ucraniano, e desmentiram várias histórias de propaganda de guerra. No entanto, muitos jornalistas pacifistas e “anti-imperialistas”, mesmo que simpatizantes da Rússia, encontraram-se em um dilema difícil em relação à intervenção militar da Rússia. Alguns antigos “céticos da covid”, especialmente do lado conservador, rapidamente se alinharam com a propaganda de guerra dos EUA/OTAN.

Enquanto isso, cerca de 50% dos eleitores dos EUA parecem apoiar “os EUA se juntando a uma guerra potencial na Europa pela Ucrânia”; o governo alemão conseguiu alavancar grandes “protestos contra a guerra” para anunciar um aumento sem precedentes de 100 bilhões de euros nos gastos militares; e a Suíça abandonou sua neutralidade de 200 anos para apoiar sanções contra a Rússia. A propaganda de guerra ocidental também levou a ataques e discriminação contra artistas, atletas e civis russos em países ocidentais cujos cidadãos já foram brutalizados por dois anos de propaganda pandêmica.

Finalmente, a guerra na Ucrânia também levou a um nível de censura sem precedentes nos países ocidentais e na Rússia, que pode ser contornado usando plataformas alternativas, configurações de DNS não padrão e conexões VPN (veja aqui). Para obter uma rápida visão geral das principais técnicas de propaganda de guerra e manipulação de mídia usadas por ambos os lados, consulte a Chave de Propaganda SPR.


IMAGEM 3: Capas da revista Time sobre a guerra da Bósnia (1995) e sobre a guerra da Ucrânia (2022). Ironicamente, uma capa falsa da Time, comparando Putin a Hitler, se tornou viral na internet.

Potencial para escalada

Embora a própria guerra da Ucrânia já seja uma grande escalada de tensões geopolíticas, a guerra pode levar a uma maior escalada econômica ou militar.

Por exemplo, os países da OTAN podem decidir intervir, direta ou indiretamente, na guerra da Ucrânia; A Rússia já alertou que responderia de maneira “sem precedentes” (ou seja, possivelmente nuclear) a tais tentativas, que poderiam atingir países não nucleares como Alemanha ou Polônia.

A própria guerra na Ucrânia pode se transformar em uma insurgência prolongada ou em uma guerra civil com implicações potenciais para os países vizinhos ou toda a Europa.

A Rússia pode decidir expandir sua campanha de “desmilitarização” da Ucrânia para outras ex-repúblicas soviéticas (por exemplo, a Geórgia ou os estados bálticos) ou para ex-membros do Pacto de Varsóvia (por exemplo, a Polônia ou a Romênia, que hospedam importantes infraestruturas militares dos EUA/OTAN).

Por outro lado, as sanções econômicas e diplomáticas sem precedentes contra a Rússia podem levar a turbulência social, mudança de regime ou mais nacionalismo na Rússia. Também poderia levar a uma aliança russo-chinesa ou russo-iraniana mais cerrada.

As sanções e contra-sanções também podem levar a uma grande instabilidade econômica global, especialmente nas áreas de mercados financeiros, fornecimento de energia, agricultura e vários metais.

A invasão russa da Ucrânia também pode servir de modelo para uma invasão chinesa de Taiwan ou uma invasão norte-coreana da Coréia do Sul (apoiada pelos chineses).

Finalmente, é possível que a guerra na Ucrânia possa ser aproveitada para criar uma nova “ameaça terrorista” global, semelhante à criação da “Al Qaeda” após a guerra do Afeganistão dirigida pela CIA na década de 1980, ou para aumentar a guerra contra “terrorismo doméstico” e dissidências internas.

Em um cenário mais positivo, a guerra na Ucrânia poderia levar a um novo entendimento mútuo e a um novo equilíbrio geopolítico ou cooperação entre a Rússia e os países da OTAN.

*Publicado no Swiss Policy Research.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também