Livro “Novo Cangaço: Análise criminal”

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Divulgação.

Divulgação.

Embora as ações do “Novo Cangaço” lembrem cenas de cinema, seus crimes e violência são muito reais. Na obra “Novo Cangaço: Análise criminal”, o autor examina as possibilidades de prevenir e combater essa modalidade de crime.


O velho cangaço ficou nacionalmente conhecido pelas ações criminosas que seu principal líder, o capitão Virgulino Ferreira da Silva, o “Lampião”, praticou na primeira metade do século passado no sertão nordestino. Seu modus operandi basicamente se resumia em sitiar o município alvo, com muitos homens armados, e implantar o terror e o medo por meio da violência e da criminalidade, ora despertando o ódio dos mais abastados que eram saqueados, ora despertando o amor daqueles mais pobres que eram beneficiados. Assim também, hoje em dia, fazendo uso de todo um suporte tecnológico e estratégico, vem agindo o novo cangaço.

Na calada da madrugada ou em plena luz do dia, a depender da categoria da Organização Criminosa – “Novo Cangaço” ou “Cangaço Noturno” –, eles chegam como personagens de filme e transformam a praça pública em cenário de guerra. Conhecidos como Novos Cangaceiros, chegam disparando armas de fogo e bombas, invadem e explodem bancos e montam escudos com seres humanos. Reféns relatam dramaticamente que tinham certeza de que iriam morrer. O atrevimento se dá porque eles sabem ou acreditam que a polícia não vai colocar os reféns em risco. Muitas vezes, a polícia até tem poder de reação, mas sem sombra de dúvida, verifica-se também que, por conta do número de pessoas inocentes postas como escudo humano, não vale o risco qualquer tipo de reação.

As ações dessas quadrilhas do “Novo Cangaço” lembram cenas de cinema. Os vilões agem como nos filmes, mas na realidade, tudo é de verdade: as armas não são de brinquedo (fuzis utilizados em guerras), as bombas são do tipo dinamite (bomba de peixe), usam capuz (balaclava), coletes à prova de balas e roupas em estilo militar, que servem mais para intimidar as vítimas do que para esconder as suas identidades e se proteger. Nos ataques, os reféns não são meros figurantes, clientes e bancários se tornam coadjuvantes na cena do teatro do terror, transformados em garantia para o plano de fuga desses criminosos.


LIVRO RECOMENDADO:

Novo Cangaço: Análise criminal

  • Leonardo Santana Santos (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Dessa perspectiva surge o estudo da análise criminal aplicada a essas Organizações Criminosas, na busca por resultados confiáveis que possam prevenir e/ou combater a violência e/ou a criminalidade relacionados a possíveis pontos de vulnerabilidade encontrados no âmbito do Sistema Único de Segurança Pública do Brasil.

Análise Criminal é um processo analítico e sistemático de produção de conhecimento, orientado segundo os princípios da pertinência e da oportunidade, sendo realizado a partir do estabelecimento de correlações entre conjuntos de fatos delituosos ocorridos (ocorrências policiais) e os padrões e tendências da “história” da criminalidade de um determinado local ou região.

No aspecto gramatical e etimológico, a análise é a decomposição de um todo em partes constituintes. É um processo filosófico por meio do qual se vai do composto ao simples, dos efeitos às causas. Na atuação policial, a análise criminal procura chegar às causas da criminalidade através do estudo de seus efeitos, procura decompor os fatores e as variáveis da criminalidade e estudá-las detalhadamente.

Esta obra é dedicada aos profissionais do Sistema Único de Segurança Pública, órgãos de inteligência, profissionais de investigação privada, advogados, analistas criminais, profissionais de outras carreiras jurídicas, jornalistas investigativos e consultores de segurança.


*Leonardo Santana Santos é primeiro-sargento da Polícia Militar da Bahia. Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes, possui especialização em Direito Público pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci, e especialização em Segurança Pública III CEPREV pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) juntamente com o Ministério da Justiça (MJ) através da Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública RENAESP. É mestrando em Ciências Criminológico-forenses na Universidade de La Empresa UDE (Uruguai), e autor do livro “Novo Cangaço: Análise criminal”.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também