Energia: Ferramenta de governança global Parte 2: Um erro e uma oportunidade

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Plataforma de gás iraniana (Foto de arquivo/Iran International).

Por Hamid Hajizadeh* e Elizabeth Hautz*

Plataforma de gás iraniana (Foto de arquivo/Iran International).

A descoberta de novos campos de gás no Mar Cáspio convida a reflexões diante da atual crise, e pode representar alterações na geopolítica da região.


Leia a Parte 1 deste artigo.

As tensões entre a Rússia e a Ucrânia acabaram por configurar uma situação militar com a chegada de tropas russas na Ucrânia conforme esperado. O fato é que a Rússia, que entrou nessa briga com os próprios pés, não pode sair dela com facilidade e rapidez. A crise terá efeitos prejudiciais sobre a economia russa, e há uma pergunta difícil: é possível que a mudança na estratégia de fornecimento de energia ocidental seja parte dos resultados, ou mesmo das razões desta crise?

O surgimento de uma oportunidade em uma ameaça

Tanto a guerra entre Rússia e Ucrânia quanto as negociações entre ambos estão em andamento, portanto três cenários são previsíveis para os próximos dias e semanas:

  • A Rússia pode vencer a resistência do exército ucraniano, ocupar a Ucrânia e insistir em permanecer (ao contrário do que Vladimir Putin disse diversas vezes, que a Rússia não pretende ocupar o país): A comunidade internacional dificilmente permitirá que a fronteira internacional mude. Não apenas o povo ucraniano, mas a maior parte do mundo não concordará e isso deverá finalmente ser deixado de lado;
  • A Rússia deixará a Ucrânia por meio das negociações e provavelmente com um acordo: Sem dúvida, os próximos governos da Ucrânia serão novamente eleitos por seu povo, e isso não garantirá necessariamente os interesses da Rússia;
  • A Rússia não chegará a um acordo com a Ucrânia e nem assumirá o controle total do país: Esta seria a pior situação possível, e Putin então não poderia simplesmente sair com o fardo desse resultado.

O desenlace desse movimento militar, seja ele qual for do ponto de vista da Rússia, não isenta aquele país do risco de ser apresentado como agressor e iniciador da guerra. Poderia causar centenas de bilhões de dólares em encargos financeiros para Moscou, além de outros custos de guerra diretos e indiretos.

Isso significa que a economia russa, que já não estava em uma situação ideal, pode enfrentar grandes desafios no futuro. O primeiro impacto da crise pode ser a perda do mercado de exportação de gás para a Europa. Ao invés de começar com a Rússia cortando as exportações, esse efeito se iniciou com um boicote ao gasoduto Nord Stream II. É compreensível que a Europa olhe para outros fornecedores, como o Irã, para suprir suas necessidades de gás. Assim, a questão da oferta de energia também pode afetar frentes e matrizes políticas.


O Mar Cáspio e a Ásia Central (Osservatorio Analitico).

O Irã, juntamente com o Cazaquistão, o Azerbaijão e o Turcomenistão, pode fornecer parte do consumo de gás da Europa. Todos os quatro países têm campos de gás na bacia do Mar Cáspio, e recentemente investiram cerca de US$ 40 bilhões em projetos relacionados.

Petróleo e gás no Mar Cáspio

A bacia do Mar Cáspio é a terceira maior fonte de energia do planeta depois do Golfo Pérsico e da Sibéria, que se forma dentro e ao redor do Mar Cáspio. O Cáspio, que com base em suas características na verdade é um lago, é o maior do mundo, com cerca de 40% da área total dos lagos do mundo. Está localizado em uma região estratégica e faz fronteira ao sul com o Irã, ao norte com a Rússia, a oeste com a Rússia e a República do Azerbaijão e a leste com as repúblicas do Turcomenistão e do Cazaquistão. Alguns desses países estão diretamente conectados apenas através deste lago.

O comprimento do Mar Cáspio é de cerca de 1.030 a 1.200 km e sua largura é de 196 a 435 km. O nível do Mar Cáspio é mais baixo do que o do mar, e isso gera diferenças entre este lago e outros mares. Além disso, o Cáspio é o terceiro lago mais profundo do mundo chegando a 1.025 metros de profundidade em alguns pontos. É uma das regiões mais intocadas do planeta em termos de reservas de petróleo e gás.

Era explorado apenas na pesca e transporte marítimo até meados do século passado, mas sua importância estratégica e geopolítica aumentou após a primeira exploração de reservatórios de petróleo no final da década de 1940, e a República Islâmica do Irã, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, também começou a dar mais atenção aos recursos petrolíferos do Mar Cáspio.

Irã e uma nova fonte de energia

Nos últimos anos, especialmente desde 2001, após a descoberta do campo de gás Sardar Jangal, que se estima ter mais de 50.000 bilhões de pés cúbicos de reservas de gás, exploradores iranianos descobriram uma fonte de petróleo a 700 metros de profundidade no Mar Cáspio. De acordo com as estimativas iniciais, este campo de gás, localizado a 200 km da cidade de Rudsar na parte iraniana do Cáspio, possui reservas de petróleo de dois bilhões de barris, e estimando-se uma exploração de 25%, a quantidade de petróleo que poderia ser extraída deste reservatório é de cerca de 500 milhões de barris.

Após estudos exploratórios na plataforma semiflutuante de Amirkabir, foi descoberta uma camada de óleo à profundidade de 728 metros 10 anos depois da descoberta deste campo de gás também no Mar Cáspio. Para realizar essa pesquisa de 10 anos, o Irã construiu uma plataforma semiflutuante que pesa 14.700 toneladas, a estrutura offshore mais pesada do país. Os geradores de energia da plataforma podem gerar mais de 11 megawatts de eletricidade e a plataforma pode acomodar até 120 pessoas, sendo capaz de perfurar em águas de até 1.000 metros de profundidade e tem capacidade de perfurar desde o fundo do mar até 6.600 metros de profundidade.

De acordo com autoridades petrolíferas iranianas, o petróleo no campo de Sardar Jangal tem a melhor qualidade do mundo. De acordo com o CEO da Caspian Oil Company, o “API” de exploração de petróleo bruto nesta região está entre 38 e 40 e, devido à falta de sal e enxofre, tornou-se o petróleo de maior qualidade e mais valioso do planeta.


LIVRO RECOMENDADO:

Ouro Negro: A saga do Petróleo

  • Leo Bittencourt (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Atividades de exploração de gás e petróleo do Irã

Depois que a plataforma flutuante Amirkabir do Irã encontrou petróleo em 2012, a República do Azerbaijão fez algumas reivindicações. Funcionários desta república alegaram que os recursos de petróleo e gás no campo de energia Sardar Jangal não pertencem ao Irã e que estão localizados entre as águas conjuntas da República do Azerbaijão e do Turcomenistão, portanto acusaram o Irã de usurpar petróleo e gás na região.

A mídia que se opõe ao Irã aproveitou a oportunidade para fazer acusações contra o país por essas alegações. Foi por isso que o ministro do Petróleo do Irã, Rostam Ghasemi, em 2013, coincidindo com essas questões, declarou explicitamente que tais alegações eram completamente falsas e que os recursos de petróleo e gás do campo de petróleo Sardar Jangal eram completamente independentes e dentro dos limites marítimos do Irã, e, portanto, pertenciam ao Irã.

Claro que, no ano anterior ao anúncio iraniano da descoberta de um novo campo de gás, a notícia havia sido questionada por seus vizinhos e por companhias petrolíferas internacionais, mas a tocha da plataforma “Irã Amirkabir” nas águas do Mar Cáspio flamejou muito em breve. Sob a luz desta chama, também foi comprovada a existência de reservas de gás, além de petróleo, no reservatório deste campo.

A notícia da descoberta do grande campo de gás Chalous no Irã, há alguns meses, causou muita controvérsia e foi tão longe que, após alguns meses, as autoridades iranianas basicamente negaram completamente tal campo. Chalous é uma cidade iraniana na área do Mar Cáspio.

Em primeiro lugar, houve reportagens com Seyyed Emad Hosseini, presidente da Caspian Oil Company, falando sobre o projeto “Perfuração e exploração da enorme estrutura de Chalous”, que diziam: “Se as estimativas estiverem corretas e a operação de exploração da estrutura de Chalous for bem-sucedida, o volume do gás extraível desta estrutura sozinha será uma vez e meia o gás extraível total da República do Azerbaijão e igual a 30% do gás extraível total dos países da bacia do Cáspio. Por outro lado, de acordo com as evidências, esta estrutura pode ter reservas de petróleo significativas.” A mídia iraniana havia relatado a existência de um enorme campo de gás em Chalous um dia antes das alegações de Hosseini. Eles disseram que o novo campo de gás do Irã mudaria a geografia política da região e citaram o OilPrice.com dizendo que, na semana anterior, o Irã revelou um grande campo de gás em suas águas no Mar Cáspio.

“O campo de gás de Chalous deve ser usado com o objetivo de criar um novo centro de gás no norte do Irã para completar o polo de gás do sul do país, com foco no enorme campo de South Pars”. As reportagens inclusive acrescentaram que o principal desenvolvedor do campo de gás de Chalous é a Caspian Oil Company (KEPCO), mas que a assistência técnica e financeira também vem da Rússia e da China.

“Se as estimativas iniciais das reservas de gás no campo de Chalous estiverem corretas, o gás iraniano será capaz de suprir pelo menos 20% das necessidades de gás da Europa”, disse Ali Osuli, CEO da Caspian Oil Company.

Estimou-se que o campo de Chalous teria reservas de gás equivalentes a um quarto do enorme campo de gás de South Pars (o maior do Irã, compartilhado com o Catar) ou cerca de 11 fases do campo de gás South Pars. O South Pars tem 14,2 trilhões de metros cúbicos (TCM, sigla do termo inglês trillion cubic meters) de reservas de gás e 18 bilhões de barris de gás condensado, e atualmente responde por cerca de 40% do total de 33,8 trilhões de metros cúbicos de reservas de gás do Irã e cerca de 80% da produção total de gás do país. A área de 3.700 km2 de South Pars faz parte de um campo de 9.700 km2 que é compartilhado com o Catar, mas o campo de gás de Chalous – se realmente existir – está inteiramente em águas iranianas no Mar Cáspio.


O setor iraniano do Cáspio é relativamente pouco explorado (tarafdari.com).

Da publicação à negação de notícias

Funcionários do governo iraniano, com óbvia distorção, apenas duas semanas após a notícia, basicamente expressaram dúvidas sobre a existência do campo. Ao mesmo tempo, Afshar Soleimani, ex-embaixador iraniano em Baku, no Azerbaijão, considerou que o campo de Chalous é muito importante e causará mudanças políticas na região.

O que, no entanto, provocou mais reações nos dias seguintes, foi a segunda reportagem da OilPrice.com sobre o campo de gás de Chalous. A primeira reportagem, que se relacionava à descoberta do campo, foi citada por agências de notícias iranianas, mas a segunda tinha conteúdo completamente diferente.

A reportagem foi publicada na OilPrice.com há cerca de três meses e gerou muitas reflexões no Irã. Intitulada A maior jogada da Rússia ainda para assumir o controle do mercado europeu de gás, a reportagem afirmou que o Irã havia assinado acordos com a Rússia e com a China em relação a esse campo, com Rússia e China tendo participações maiores do que o Irã.

A Caspian Oil Company do Irã havia rejeitado a transferência de tal campo de gás para a Rússia dois meses antes, mas a OilPrice.com afirmou que, de acordo com suas fontes, o contrato havia sido finalizado. Ela também afirmou que as empresas russas têm maior participação, as chinesas vêm em segundo e as iranianas têm uma menor participação na receita do gás. Isso, de acordo com a reportagem, a despeito de o campo de gás Chalous estar na parte iraniana do Mar Cáspio.

A OilPrice.com afirmou: “Após a estimativa das reservas de gás em Chalous e o aumento dos preços em toda a Europa nas últimas semanas, a divisão das ações no complexo de gás Chalous é a seguinte: as russas Gazprom e a Transneft juntas detêm 40%, as chinesas Sinopec e Companhia Nacional de Petróleo da China (CNPC), têm participação de 28%, e a iraniana Caspian Oil Company tem apenas 25% neste campo de gás sob o domínio iraniano.” De acordo com a alegação, como as reservas de gás deste campo estão acima do esperado, o capital adicional para o projeto será fornecido por instituições financeiras na Alemanha, Áustria e Itália.

A OilPrice.com escreveu que a Rússia pretende obter pelo menos US$ 450 bilhões com a exportação do gás de Chalous durante o contrato de 20 anos, usando uma média anual de US$ 800 por 1.000 metros cúbicos de gás. O embaixador russo no Irã, antes que as autoridades iranianas o fizessem, negou a reportagem. Depois dele, o embaixador iraniano na Rússia também negou as alegações, afirmando que a minuta do contrato de 20 anos ainda não foi enviada pelo Irã para os russos. Ele acrescentou: “O acordo de 20 anos entre o Irã e a Rússia, que foi discutido, deve primeiro ser aprovado pelo parlamento do Irã e não tem aspectos secretos, e será elaborado pela República Islâmica do Irã e apresentado à Rússia. O projeto do acordo também será apresentado pelo Ministério das Relações Exteriores após ser apresentado às instituições e organizações russas relevantes.” As declarações do embaixador iraniano em Moscou vieram em um momento em que, meses depois, o parlamento iraniano ainda não leu o acordo, que deve ser legalmente aprovado.

Uma oportunidade para ambas as partes

Mesmo que, de acordo com a mídia estatal iraniana, a questão do campo de gás de Chalous seja uma especulação e todos os detalhes que a mídia deu anteriormente sejam simples erros na compilação da reportagem, duas questões não podem ser ignoradas:

  • O Irã, ao contrário de outros países ao longo do Mar Cáspio (Rússia-Cazaquistão-Turquemenistão e Azerbaijão), ainda não iniciou um trabalho sério para exploração de gás e hidrocarbonetos na região;
  • O Irã também tem potencial inato para campos de gás e hidrocarbonetos. Em particular, deve-se lembrar que, sem considerar essas potencialidades, o Irã é o primeiro ou segundo detentor de recursos extraíveis de gás do mundo.

Então, agora que a Rússia está em uma situação especial que pode durar anos, vale a pena para o Ocidente, e especialmente a Europa, mostrar uma suavidade lógica nas recentes conversações referentes ao JCPOA para contar com a interação energética com o Irã no futuro.

Portanto, pode não ser incorreto dizer que a crise Rússia-Ucrânia tem outro benefício extraordinário para o Irã, além de muitos outros, já que o Irã toma uma importância especial para o Ocidente.

O Irã, visto como aliado da Rússia, ainda não assumiu uma posição formal de apoio à Moscou diante da guerra e se limitou a convidar as partes a resolver a crise por meio de soluções diplomáticas.


Hamid Hajizadeh é jornalista iraniano, escritor e poeta persa residente nos Emirados Árabes Unidos. Hamid é analista político e especialista em Turquia, Afeganistão e nos países do Golfo Pérsico. É formado em engenharia econômica e apresentador-especialista em programas de rádio do Irã.


Elizabeth Hautz é graduada em Administração pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (USP) e Mestra em Letras pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Elizabeth é administradora na Eletrobrás Furnas S.A., e pesquisadora do núcleo de História Antiga e Medieval do CEHAM/UERJ.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também