Ares apresenta morteiro SPEAR ao COTER

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Comitiva da Ares reunida com pessoal do COTER (Foto: Divulgação).

Comitiva da Ares reunida com pessoal do COTER (Foto: Divulgação).

O morteiro de recuo atenuado SPEAR é provado em combate e acumula mais de 1.000 sistemas em uso em outros exércitos.


A Ares esteve em Brasília na semana passada, onde apresentou ao Comando de Operações Terrestres (COTER) do Exército Brasileiro o morteiro de recuo atenuado SPEAR que, montado sobre uma viatura, fornece às forças terrestres maior mobilidade, letalidade e precisão, uma vez que se enquadra em uma ampla gama de cenários operacionais.

A apresentação contou com a participação do representante pelos sistemas de Morteiros da Elbit Systems Land, uma das empresas líderes mundiais no fornecimento de sistemas de Defesa, da qual a Ares faz parte desde 2010.

A comitiva da Ares foi recebida pelo Chefe do Centro de Doutrina do Exército, general-de-divisão Sérgio Luiz Tratz, e representantes do Departamento de Ciências e Tecnologia (DCT), Diretoria de Material (DMAT), Escritório de Projetos do Exército (EPEx) e Estado Maior do Exército (EME).

O COTER tem como missão orientar e coordenar o preparo e o emprego da Força Terrestre, em conformidade com as políticas e diretrizes estratégicas do Exército e do Estado-Maior do Exército.


Comitiva da Ares reunida com pessoal do COTER (Foto: Divulgação).

O objetivo da visita ao COTER foi apresentar a Ares e suas capacidades instaladas no Brasil, os programas e projetos em que a empresa tem participado em parceria com o Exército Brasileiro, as características e vantagens do SPEAR, e os cases de transferência de tecnologia e incremento do índice de nacionalização nos seus projetos.

A empresa evidenciou ainda as vantagens na aquisição de um sistema provado em combate em outros exércitos, que acumula mais de 1.000 sistemas em uso em outros exércitos, com o apoio de uma empresa subsidiária sediada no Brasil, e a possibilidade de replicar o modelo de Suporte Logístico do REMAX, que é reconhecido como um modelo sucesso e vem garantindo altos índices de disponibilidade do equipamento na tropa.

A Ares enfatizou ainda que o grupo tem vasta experiência em programas que contemplam transferência de tecnologia, e no caso da munição para morteiros de 120 mm, está apta a transferir conhecimento de fabricação para as granadas de morteiro, e identifica a IMBEL como uma possível parceira nessa área de atuação.

Atualmente, a Ares vem apoiando o Centro tecnológico do Exército (CTEx) e a IVECO nos estudos de integração do sistema na viatura VBC Mrt no âmbito do Programa Guarani.


Comitiva da Ares reunida com pessoal do COTER (Foto: Divulgação).

A primeira versão do morteiro da família CARDOM foi apresentado no stand da Ares na edição de 2011 da feira de Defesa e Segurança LAAD. Em 2019 foi apresentada a versão mais moderna do sistema, contemplada coma solução para municiamento semiautomático, que reduz significativamente o desgaste dos militares no uso do sistema.

Em 2019 o Exército Brasileiro enviou uma comitiva liderada pelo comandante do Exército à época, o general-de-exército Leal Pujol, que presenciou a demonstração dos Sistemas SPEAR e ATMOS em uso no deserto de Neguev.

Hoje, a Ares, como parceira do Exército nos projetos estratégicos e membro integrante do grupo Elbit Systems, atua como principal canal de acesso entre o Exército Brasileiro e as tecnologias da divisão terrestre do grupo – Elbit Systems Land. Além do morteiro SPEAR apresentado nessa oportunidade, a Ares vem trabalhando na promoção da solução de artilharia propulsada do grupo, o sistema ATMOS.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. Nossas Forças Armadas têm que se preparar para uma guerra de resistência, pois infelizmente não temos poderio bélico suficiente para garantir a proteção e defesa da nossa Amazônia Verde e da Amazônia Azul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também