Xi Jinping: Rejuvenescimento nacional da China é uma “inevitabilidade histórica”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente chinês, Xi Jinping, discursa durante as comemorações do 100º aniversário da fundação do Partido Comunista da China (Foto: Reuters).

O presidente chinês, Xi Jinping, discursa durante as comemorações do 100º aniversário da fundação do Partido Comunista da China (Foto: Reuters).

Em discurso no centenário de fundação do PCC, o presidente Xi Jinping exaltou o curso “irreversível” da China, de colônia humilhada a grande potência, apresentando-se de forma desafiadora aos rivais, afirmando que ninguém terá permissão para “nos intimidar, nos oprimir”.


O presidente chinês, Xi Jinping, disse na quinta-feira que o “rejuvenescimento nacional da China se tornou uma inevitabilidade histórica”. “O Partido Comunista da China [PCC] e o povo chinês, por meio de uma luta tenaz, mostraram ao mundo que o rejuvenescimento nacional da China se tornou uma inevitabilidade histórica”, disse ele em uma reunião de quase 70.000 pessoas na Praça Tiananmen, em Pequim, marcando o centenário do PCC.

“Eles mostraram ao mundo que a nação chinesa alcançou a tremenda transformação de se levantar e crescer próspera para se tornar forte”, disse Xi, de acordo com a agência estatal Xinhua. O PCC, fundado por Mao Tsé-tung em julho de 1921, é o único partido político governante da China.

Em um discurso de quase uma hora, Xi disse que “A China alcançou a meta do primeiro centenário – construir uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos”.

“Isso significa que trouxemos uma resolução histórica para o problema da pobreza absoluta na China e agora estamos marchando em passos confiantes em direção à meta do segundo centenário, transformar a China em um grande país socialista moderno em todos os aspectos”, disse o presidente.

Xi, de 68 anos, também é presidente da Comissão Militar Central da China e secretário-geral do PCC. Ele disse que a nação chinesa “não carrega traços agressivos ou hegemônicos em seus genes”.

Xi apresentou uma face desafiadora aos rivais estrangeiros liderados pelos EUA, estimulando o sentimento nacionalista, rebatendo as críticas às ações de seu governo em Hong Kong, em relação a Taiwan e ao tratamento dado aos uigures.

“A China sempre trabalhou para salvaguardar a paz mundial, contribuir para o desenvolvimento global e preservar a ordem internacional”, acrescentou Xi. No entanto, ele insistiu que o povo chinês “nunca permitirá que nenhuma força externa nos intimide, oprima ou subjugue”.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Qualquer um que tentar fazer isso será derrotado diante da Grande Muralha construída com a carne e o sangue de mais de 1,4 bilhão de chineses”, disse Xi, de acordo com o Global Times.

Enquanto ele falava à nação chinesa, um sobrevoo de helicópteros em formação soletrando “100” e uma saudação de 100 tiros se seguiram, enquanto jovens comunistas em uníssono juravam lealdade ao partido.

Exortando a implementação total de “um país, dois sistemas”, e da “governança total de Hong Kong e Macau, mantendo a prosperidade” do governo central, Xi disse que “resolver a questão de Taiwan e realizar a reunificação são as tarefas históricas inabaláveis ​​do PCC e de todos os chineses.”

“Ninguém deve subestimar a forte determinação, grande vontade e grande poder do povo chinês para salvaguardar a integridade territorial e a soberania”, enfatizou.

Nas ruas de Pequim, houve elogios efusivos à festa. “Devemos agradecer à festa e à pátria”, disse à AFP Li Luhao, estudante da Universidade Beihang que se apresentou durante a celebração.

Um homem de sobrenome Wang disse que quando ele era criança, “todas as noites havia um blackout de uma hora e constantes cortes de eletricidade. Agora as ruas estão cheias de luz. A comida, as roupas, a educação, o trânsito estão melhores.”

Mas também houve críticas. “O PCC pode ir para o inferno”, disse à AFP um cidadão de Hong Kong que se identificou apenas como Ken. “Tudo o que vale a pena, eles destroem.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também