Airbus oferece montar o Eurofighter na Suíça para ganhar concorrência de US$ 6,5 bilhões

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Jato Eurofighter da força aérea alemã decola na base de Laage, em Mecklenburg-Vorpommern, Alemanha (Foto: Annegret Hilse/Reuters).

Jato Eurofighter da força aérea alemã decola na base de Laage, em Mecklenburg-Vorpommern, Alemanha (Foto: Annegret Hilse/Reuters).

A Airbus se ofereceu para montar aeronaves Eurofighter na Suíça se Berna contratá-la por seis bilhões de francos suíços (US$ 6,5 bilhões), disse um importante vendedor do consórcio no domingo.

Alemanha, Itália, Espanha e Grã-Bretanha, que fazem o Eurofighter, também ofereceram a Berna ampla cooperação política, caso vençam a disputa suíça entre os Estados Unidos e dois caças europeus, que devem ser entregues até 2025.

O gabinete suíço deve decidir na quarta-feira entre o Eurofighter, o Rafale da francesa Dassault, o F/A-18 Super Hornet da Boeing e o F35-A Lightning II da Lockheed Martin para substituir os velhos Hornet F/A-18. A TV suíça informou na semana passada que o F-35 forneceu os melhores recursos técnicos e financeiros em uma avaliação suíça, mas a decisão final ainda estava aberta.

O jornal SonntagsZeitung citou Bernhard Brenner, chefe de vendas da Airbus Defense and Space, dizendo que a neutra Suíça não deveria passar por essa avaliação sozinha. “Os elementos econômicos e políticos são tão importantes”, disse ele. O jornal disse que a Airbus apresentou um dossiê de 700 páginas apenas sobre “compensações” econômicas, referindo-se a negócios paralelos que direcionam os custos do contrato de volta aos fornecedores locais.


LIVRO RECOMENDADO

The Eurofighter Typhoon & Dassault Rafale

  • Greg Goebel (Autor)
  • Em Inglês
  • eBook Kindle

O governo está dividido entre os que são a favor do F-35 e os que preferem um acordo europeu para ajudar a suavizar as relações com a União Europeia depois que a Suíça rejeitou um projeto de tratado bilateral após anos de negociações.

Os ministros da Defesa da Alemanha, Itália, Espanha e Grã-Bretanha escreveram a Berna no ano passado oferecendo não apenas cooperação militar, como treinamento, mas também parcerias em economia, energia, ciência, meio ambiente, transporte, segurança cibernética e infraestrutura, disse Brenner ao jornal.

A França tem pressionado Berna para escolher o Rafale, enquanto o presidente dos EUA, Joe Biden, discutiu o acordo com líderes suíços enquanto esteve em Genebra neste mês para se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin.

O ministério da defesa suíço não quis comentar o processo.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também