Forças italianas expulsas de base do Oriente Médio devido a embargo de armas dos Emirados Árabes Unidos

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Um caça Eurofighter F-2000A da força aérea italiana em Al Udeid, Qatar no Qatar (Foto: The Aviationist).

Um caça Eurofighter F-2000A da força aérea italiana em Al Udeid, Qatar no Qatar (Foto: The Aviationist).

Os Emirados Árabes Unidos estão despejando aeronaves e funcionários italianos de uma importante base militar em retaliação ao embargo de armas imposto aos Emirados Árabes Unidos por Roma em janeiro, disse Matteo Perego Di Cremnago parlamentar italiano e membro da comissão parlamentar de defesa italiano ao Defense News. A Itália tem até 2 de julho para deixar a base aérea de Al Minhad, nos Emirados Árabes Unidos.

“A retirada já começou e enquanto os trabalhos estão em andamento pela Itália para garantir o cancelamento de última hora do despejo, eu duvido que terá sucesso”, disse ele. “Quando os relacionamentos se rompem no Golfo, é muito difícil ressuscitá-los”, acrescentou.

O ex-chefe da Força Aérea italiana, general Leonardo Tricarico, disse ao Defense News que a última aeronave italiana deixou a base na quinta-feira, deixando apenas material residual para coletar. Tricarico, que é presidente do think tank ICSA em Roma, disse que o despejo foi apenas parte do duro tratamento dispensado à Itália pelos Emirados Árabes Unidos. “Os Emirados Árabes Unidos também negaram o uso de seu espaço aéreo a aeronaves militares italianas”, disse ele.

A base do Al Minhad em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, que hospeda aeronaves de várias nações, é crucial para a Itália, já que ocupou espaço em 2015 para montar voos sobre o Iraque e como escala a caminho de bases italianas no Afeganistão. Se confirmado, o despejo agora pode complicar seriamente a contínua retirada da Itália do Afeganistão. A Itália também usou Al Minhad como base para voos de apoio às operações multinacionais no Chifre da África e no Oceano Índico.

O despejo pelos Emirados Árabes Unidos está relacionado à decisão da Itália em janeiro de impor um embargo à venda de munições e mísseis aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita devido a preocupações com a campanha militar dos Estados do Golfo no Iêmen.

Os dois países fazem parte de uma coalizão que luta contra as forças Houthi no Iêmen, apoiadas pelo Irã, em um conflito que deixou 80% da população necessitando de ajuda, segundo a ONU.

O embargo italiano foi implementado por um governo de coalizão liderado pelo ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte, que foi apoiado pelo Partido Democrata, de centro-esquerda, e pelo anti-establishment M5S (MoVimento 5 Stelle, MoVimento 5 Estrelas).


LIVRO RECOMENDADO

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial

  • Keith Lowe (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Na época, Luigi Di Maio, um alto membro do M5S e ministro das Relações Exteriores, assumiu o crédito pelo embargo, chamando-o de uma “mensagem clara de paz enviada por nosso país”, e acrescentando que “o respeito pelos direitos humanos é um compromisso obrigatório para nós”.

Em fevereiro, o governo de Conte foi substituído por um governo de unidade nacional liderado pelo ex-governador do Banco Central Europeu, Mario Draghi, que manteve Di Maio como ministro das Relações Exteriores.

O embargo gerou uma ameaça imediata de ação legal por parte da RWM Italia, uma unidade italiana da Rheinmetall Defense da Alemanha, que alegou que precisaria demitir funcionários se as encomendas de munições que fornecia ao Golfo fossem bloqueadas.

A notícia de que a Itália agora está sendo convidada a deixar Al Minhad atraiu críticas de Perego Di Cremnago.

“Este é o momento em que o M5S na Itália precisa assumir a responsabilidade por um grande erro geoestratégico – este despejo é emblemático de um relacionamento rompido com um aliado. A Itália havia investido muito na base e esperava expandir sua presença lá”, disse ele.

Tricarico disse compreender a decisão dos Emirados Árabes Unidos. “Nosso relacionamento com os Emirados Árabes Unidos começou a piorar 15 anos atrás, quando a empresa italiana Finmeccanica não conseguiu manter sua palavra de vender drones aos Emirados Árabes Unidos devido a complicações com direitos de tecnologia, e agora chegamos a um embargo de armas”, disse ele.

Em janeiro, o novo governo Biden nos Estados Unidos anunciou que analisaria uma venda maciça de US$ 23,37 bilhões de armas aos Emirados Árabes Unidos, incluindo 50 jatos F-35, drones e munições, anunciada pelo governo Trump. Em abril, o novo EUA o governo disse que seguiria em frente com os negócios.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também