Moscou diz que tiros de advertência detiveram navio de guerra britânico; Londres nega

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Uma aeronave de ataque Su-24, modelo que teria lançado bombas no caminho do HMS Defender (Foto: Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa Russo).

O destroier da Marinha Real Britânica HMS Defender (Foto: Ben Mitchell/AP).

Militares russos disseram que um de seus navios de guerra no Mar Negro disparou tiros de advertência e uma aeronave de guerra lançou bombas na quarta-feira para forçar um contratorpedeiro britânico a sair de uma área perto da Crimeia que Moscou afirma ser suas águas territoriais, mas a Grã-Bretanha negou esse relato e insistiu que não houveram disparos contra o navio.

Foi a primeira vez desde a Guerra Fria que Moscou afirmou ter usado munição real para deter um navio de guerra da OTAN, refletindo o risco crescente de incidentes militares em meio a tensões crescentes entre a Rússia e o Ocidente.

O Ministério da Defesa russo disse que um navio de patrulha disparou tiros de advertência depois que o contratorpedeiro britânico HMS Defender ignorou um aviso contra intrusão e navegou três quilômetros nas águas territoriais da Rússia perto de Sebastopol, a principal base naval russa na Crimeia. Ele disse que um bombardeiro Su-24 russo também lançou quatro bombas à frente do navio britânico para persuadi-lo a mudar de curso. Minutos depois, o navio britânico deixou as águas russas, disse o ministério.

O Ministério da Defesa disse que convocou o adido militar do Reino Unido em Moscou para protestar contra o “movimento perigoso” do contratorpedeiro britânico como uma “violação grosseira” do direito marítimo internacional. Instou as autoridades britânicas a investigarem as ações de sua tripulação para “prevenir tais incidentes no futuro”.

O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha negou que o Defender tenha sido atacado ou estivesse em águas russas. “Nenhum tiro de advertência foi disparado contra o HMS Defender”, disse em um comunicado. “O navio da Marinha Real está realizando uma passagem inocente por águas territoriais ucranianas de acordo com a lei internacional.”

A Rússia anexou a Península da Crimeia da Ucrânia em 2014, um movimento que não foi reconhecido pela maioria dos países, ganhando acesso à longa costa do Mar Negro da península. A Rússia frequentemente se irrita com as visitas de navios de guerra da OTAN perto da Crimeia, classificando-as como desestabilizadoras. Em abril, declarou uma área marítima mais ampla ao largo da Crimeia fechada para navios de guerra estrangeiros.

“Acreditamos que os russos estavam realizando um exercício de artilharia no Mar Negro e avisaram previamente a comunidade marítima de sua atividade”, disse o Ministério da Defesa britânico. “Nenhum tiro foi direcionado ao HMS Defender e não reconhecemos a alegação de que bombas foram lançadas em seu caminho.”


Uma aeronave de ataque Su-24, modelo que teria lançado bombas no caminho do HMS Defender (Foto: Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa Russo).

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, disse que o Reino Unido navio “realizou um trânsito de rotina de Odessa para a Geórgia através do Mar Negro”.

“Como é normal para esta rota, ele entrou em um corredor de separação de tráfego reconhecido internacionalmente”, disse o ministério no Twitter, acrescentando que o Defender saiu do corredor com segurança às 0945 BST (0845 GMT; 0445 da manhã EDT).

“Como é de rotina, os navios russos seguiram sua passagem e ele foi informado dos exercícios de treinamento em sua vizinhança”, acrescentou.

Wallace disse que a embaixadora da Grã-Bretanha em Moscou foi convocada pelas autoridades russas. Falando ao comitê de defesa do Parlamento, Wallace negou novamente a versão da Rússia dos eventos.

“Essas são as coisas que vêm e vão com a Rússia”, disse ele. “Desinformação, desinformação é algo que temos visto regularmente. Não ficamos surpresos com isso; nós planejamos para isso.”

Questionado se a tripulação do HMS Defender tinha visto ou ouvido algo, ele disse que “relatórios iniciais dizem que eles ouviram ou observaram ruídos de treinamento em algum lugar atrás deles, mas além do alcance visual.”

“Vimos os relatórios esta manhã”, disse Max Blain, porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson. “É incorreto dizer que houveram disparos ou que este navio estava em águas russas. O HMS Defender estava tomando a rota mais direta e internacionalmente reconhecida entre a Ucrânia e a Geórgia.” Ele enfatizou que a Grã-Bretanha, como grande parte da comunidade internacional, não reconhece a anexação da Crimeia pela Rússia.

O Ministro da Defesa da Grã-Bretanha, Ben Wallace, disse que não aceitaria interferências ilegais em passagens inocentes no mar e que a Marinha Real manteria a lei internacional, em declaração por escrito ao parlamento após um confronto de navio de guerra com a Rússia.


LIVRO RECOMENDADO

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial

  • Keith Lowe (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“A Marinha Real sempre respeitará a lei internacional e não aceitará interferências ilegais em passagens inocentes”, disse o comunicado.

O comunicado de Wallace disse que o HMS Defender foi avisado sobre um exercício de fogo real russo e que observou que o exercício estava sendo conduzido fora do alcance de sua posição. Wallace também disse que a aeronave russa voou cerca de 500 pés (152,4 m) acima do navio.

“Essas aeronaves não representavam uma ameaça imediata para o HMS Defender, mas algumas dessas manobras não eram seguras nem profissionais”, disse ele. “O HMS Defender respondeu por rádio VHF às unidades russas em várias ocasiões e foi, em todos os momentos, cortês e profissional.”

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que o incidente foi “uma prova clara da posição da Ucrânia: as ações agressivas e provocativas da Rússia nos mares Negro e Azov, sua ocupação e militarização da Crimeia representam uma ameaça duradoura para a Ucrânia e seus aliados”. “Precisamos de uma nova qualidade de cooperação entre a Ucrânia e os aliados da OTAN no Mar Negro”, tuitou ele.

O HMS Defender, um contratorpedeiro Tipo 45, faz parte do UK Carrier Strike Group que está atualmente rumando para a região do Indo-Pacífico. No entanto, foi anunciado no início deste mês que ele se separaria temporariamente do grupo para realizar seu “próprio conjunto de missões” no Mar Negro.

Turquia, Romênia e Bulgária, membros da OTAN, estão todos no Mar Negro. Navios de guerra dos EUA e do Reino Unido. e outros aliados da OTAN também têm feito visitas cada vez mais frequentes em uma demonstração de apoio à Ucrânia.

Falando pouco antes do incidente, o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas russas, criticou duramente o posicionamento de navios de guerra da OTAN perto das águas russas.

“Os movimentos dos navios de guerra dos EUA e seus aliados têm sido claramente provocadores”, disse Gerasimov em uma conferência internacional de segurança em Moscou organizada pelo Ministério da Defesa. “Isso cria condições prévias para incidentes e não ajuda a aliviar as tensões na esfera militar.”


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Ele acusou o contratorpedeiro britânico HMS Dragon de invadir as águas russas perto da Crimeia em outubro, e o contratorpedeiro dos EUA USS John S. McCain de violar a fronteira russa no Mar do Japão em novembro.

Em abril, a Rússia impôs restrições aos movimentos de navios de marinhas estrangeiras perto da Crimeia até novembro, em uma medida que atraiu fortes reclamações da Ucrânia e do Ocidente. A Rússia rejeitou essas críticas e observou que as restrições não interfeririam no transporte comercial.

No início deste ano, a Rússia também reforçou suas tropas perto da fronteira com a Ucrânia e alertou as autoridades ucranianas contra o uso da força para retomar o controle do centro industrial do leste do país, onde um conflito com separatistas apoiados pela Rússia matou mais de 14.000 pessoas em sete anos. Moscou retirou algumas de suas forças após manobras, mas as autoridades ucranianas dizem que a maior parte delas permaneceu.

Falando na quarta-feira anterior por vídeo para participantes de uma conferência de segurança em Moscou, o presidente Vladimir Putin expressou preocupação com o posicionamento de forças da OTAN perto da Rússia.

“Não estamos lutando por uma vantagem militar unilateral decisiva para fazer pender a balança de forças a nosso favor”, disse Putin. “Mas nunca permitiremos que ninguém altere esse equilíbrio.”

As relações da Rússia com o Ocidente caíram aos níveis mais baixos desde a Guerra Fria após a anexação da Crimeia por Moscou, com acusações de interferência russa nas eleições americanas, ataques de hackers e outras tensões.

Em um discurso na mesma conferência antes do incidente de quarta-feira, o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse que “a situação na Europa é explosiva” e acusou a OTAN de bloquear as propostas russas para aumentar a segurança, evitando realizar exercícios militares perto das fronteiras da Rússia e dos membros da aliança.

Ele alertou que “o mundo está afundando rapidamente em um novo confronto, que é muito mais perigoso do que durante os tempos da Guerra Fria”.

Fontes: Military Times / Reuters / Tass.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. “Acreditamos que os russos estavam realizando um exercício de artilharia no Mar Negro e avisaram previamente a comunidade marítima de sua atividade”. hã, hã. Vamos fingir que acreditamos nisso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também